Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
Anitta
Anitta canta com Nick Jonas em tributo a Alejandro Sanz
Cifras
Morre aos 21 anos o 'emo rapper' Lil Peep
Caetano Veloso
Justiça ordena retirada de posts com hashtag #CaetanoPedofilo da web
Latino
Latino relembra seus crimes nos EUA e diz que Kelly Key é ingrata
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

AC/DC: 33 anos de "Back In Black"

7/25/2013 2:22:27 AM
(Foto: Divulgação)


O disco que comemora 33 anos de lançamento nesta quinta-feira (25) pode ser definido como o divisor de águas da carreira do AC/DC. Após a morte de Bon Scott, no começo de 1980, os próprios integrantes remanescentes queriam acabar com a banda. Mas, seguindo o pensamento de que Scott gostaria que o grupo continuasse, seguiram em busca de um substituto. Brian Johnson, ex-vocalista do Geordie, impressionou e ficou com o microfone.

"Back In Black" conseguiu ter o que um disco com substituições deve ter: a essência do grupo sem copiar o passado. Era outra banda, com outro vocalista e compositor, com outras influências. Mas, paradoxalmente, era a mesma, com o mesmo rock n roll de sempre. Essa sensação só pode ser compreendida totalmente quando se escuta este petardo. A emblemática e pesada abertura "Hells Bells" mostra o sangue renovado do AC/DC, que tem a paulada "Shoot To Thrill" em seguida para confirmar o sucesso dessa nova fase.



A terceira faixa, "What Do You Do For Money Honey", tem um grande refrão e segue o estilo AC/DC, assim como a frenética "Givin The Dog A Bone". Na sequência, a grandiosa "Let Me Put My Love Into You" deixa uma dúvida no ar: por qual motivo essa música não virou um clássico? Andamento incrível, bom refrão, ótimas trilhas de guitarra e a cozinha feijão-com-arroz funcionando como sempre. Merecia mais atenção por parte da trupe dos irmãos Young.

No recheio do disco, os dois principais singles. A faixa que dá o nome do disco demonstra a reviravolta do grupo e se tornou um clássico instantâneo justamente por ter a assinatura de um clássico do AC/DC: grandes riffs, solos incríveis, letra interessante e boa performance vocal. "You Shook Me All Night Long" mantém a atitude mesmo sendo uma semi-balada e também adquiriu status de clássica.



A trinca de encerramento segura o nível altíssimo do que foi apresentado anteriormente. "Have A Drink On Me", um pouco mais cadenciada, e "Shake A Leg", que coloca um pé no acelerador, conservam a essência, principalmente pelo desfile de riffs por parte dos inspirados irmãos Young. "Rock And Roll Aint Noise Pollution", grandiosa, não merece maiores comentários após a tradução de seu refrão: "rock and roll não é poluição sonora, rock and roll nunca irá morrer".

O êxito comercial de "Back In Black" ultrapassou tudo o que já havia sido conquistado com Bon Scott. Hoje, o álbum é o terceiro mais vendido de toda a história da música, ficando atrás apenas de "Thriller", de Michael Jackson, e "Dark Side Of The Moon", do Pink Floyd. O renascimento do AC/DC colocou de vez o nome desses australianos na história: e com muito mérito.



Brian Johnson (vocal)
Angus Young (guitarra)
Malcolm Young (guitarra)
Cliff Williams (baixo)
Phil Rudd (bateria)

01. Hells Bells
02. Shoot To Thrill
03. What Do You Do For Money Honey
04. Givin The Dog A Bone
05. Let Me Put My Love Into You
06. Back In Black
07. You Shook Me All Night Long
08. Have A Drink On Me
09. Shake A Leg
10. Rock And Roll Aint Noise Pollution

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online