Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
João Gilberto
Criador da bossa nova, João Gilberto vive em 'absoluta penúria financeira'
The Grammy Awards
'Despacito' domina Grammy Latino 2017 com quatro prêmios
Anitta
Anitta está oficialmente 'casada' com Thiago Magalhães
Janet Jackson
Nariz de Janet Jackson está 'caindo', diz cirurgião plástico
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Angra: 15 anos de último álbum com Andre Matos

7/15/2013 1:35:00 AM
(Foto: Divulgação)


No dia 14 de julho de 1998, o disco derradeiro do Angra com o vocalista Andre Matos e o baixista Luís Mariutti foi lançado. O baterista Ricardo Confessori também deixou a banda com os companheiros, mas retornou recentemente.

"Fireworks", terceiro trabalho de estúdio do Angra, apresenta a formação original a todo vapor. Os músicos estavam sendo reconhecidos cada vez mais por suas habilidades e o grupo alcançava fama internacional ainda maior. Com a criatividade nos ares, esse disco trouxe uma abordagem um pouco diferente dos antecessores.



Os dois primeiros álbuns do Angra tiveram uma forte influência da música brasileira. De forma magistral, o quinteto conseguiu deixar o som com várias pitadas regionais sem perder o peso do metal que praticavam. E no segundo álbum, "Holy Land", essa tendência se tornou ainda mais marcante. Mas em "Fireworks", a coisa muda um pouco de figura.

A sonoridade do disco traz um peso muito mais descarado que seus antecessores. Todas as músicas, do começo ao fim, são pesadas. Até mesmo as canções de andamento mais lento e menos pesado. Os ritmos tupiniquins são menos explorados e, apesar de ainda muito diferenciada, o Angra soou como uma banda direta de heavy metal.



Ainda há a ênfase, todavia, nas melodias. Isso não mudou, já que o som continua melódico, com aqueles clássicos refrões que crescem e com arranjos muito bem trabalhados. Todos os envolvidos mandaram muito bem, o que é de praxe nos registros do conjunto. Mas o brilho dessa vez ficou, principalmente, para as guitarras de Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt.

Infelizmente, a formação original se desmanchou após a turnê de divulgação do disco, um ano após o lançamento, com a saída dos integrantes já citados. Os motivos principais estão nos desentimentos com o empresário Antônio Pirani.

Mas, pra um álbum de despedida dessa line-up, "Fireworks" cai como uma luva. Entre os destaques, constam a paulada de abertura "Wings Of Reality", as pesadas "Speed" e "Metal Icarus", a grudenta "Lisbon" e a excelente semi-balada que é a faixa título.



Andre Matos (vocal, piano, teclados)
Kiko Loureiro (guitarra, violão)
Rafael Bittencourt (guitarra, violão, viola)
Luis Mariutti (baixo)
Ricardo Confessori (bateria, percussão)

01. Wings Of Reality
02. Petrified Eyes
03. Lisbon
04. Metal Icarus
05. Paradise
06. Mystery Machine
07. Fireworks
08. Extreme Dream
09. Gentle Change
10. Speed

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online