Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
Joelma
Joelma dá patadas e bronca em Silvio Santos após provocações do apresentador
Funk
Joana Balaguer critica hit 'Que Tiro Foi Esse?': 'a gente não quer arma'
Cifras
Morre Edwin Hawkins, cantor gospel do hit 'Oh Happy Day'
Gusttavo Lima
Gusttavo Lima posta vídeo roubando espigas de milho em rodovia de Goiás
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Arctic Monkeys não soube utilizar multi-influências e se perdeu em "AM"

9/24/2013 9:12:51 PM
(Foto: Reprodução)


Arctic Monkeys: "AM" [2013]

A expectativa por um novo trabalho do Arctic Monkeys é sempre muito grande. Trata-se de uma das bandas que colocaram o rock alternativo de cabeça para baixo nos últimos tempos. O gênero, estagnado pela monotonia dos Strokes, viu esperanças criativas nos Monkeys.

"AM", quinto álbum do Arctic Monkeys, foi lançado no início do mês de setembro e parece jogar fora toda a "fome de mundo" que os Monkeys um dia tiveram. Logo no momento em que o líder Alex Turner estava, aparentemente, "faminto por mundo", ao dizer em entrevistas que o grupo teve, neste disco, influências variadas de rock psicodélico, blues rock, R&B, soul e hip hop. O músico cita de Black Sabbath até Aaliyah como divisores de água no disco. No entanto, a banda parece se perder ao tentar colocar tantas influências em um mesmo trabalho e acaba soando repetitiva em diversas faixas.

"Do I Wanna Know?" abre o álbum de forma sorrateira. Nessa canção, não há sobra alguma do passado do Arctic Monkeys, representado nos dois primeiros trabalhos. E nem parece que haverá pelo disco. A música tem batida contagiante e é comandada por um bom riff, mas ritmo calmo. Calmo até demais para uma abertura, mas a música é boa. "R U Mine?" é um pouco mais acelerada. O peso do instrumental destaca a faixa, que parece ter uma proveitosa influência do stoner rock.



"One For The Road", que conta com a participação do excelente Josh Homme (Queens Of The Stone Age) nos vocais de apoio, tem o peso do stoner em sua construção melódica misturado com a orientação pop das linhas vocais. A batida é calma, assim como na faixa de abertura. Mas essa faixa é mais entediante, por falta de mudanças em seu decorrer. Um pouco previsível. "Arabella" começa bem parecida com a anterior, mas tem momentos de guitarra distorcida que a salvam do marasmo. Talvez a única música que lembre o tão citado (em críticas e por Alex Turner) Black Sabbath por aqui, durante meio minuto e olhe lá. O destaque para o baixo de Nick O´Malley também é interessante.

"I Want It All" é bem classic rock - com direito a palminhas. Os vocais agudos em falsete no apoio, misturados com o riff intragável, lembram o Queens Of The Stone Age. Bom solo de guitarra. Falta um refrão marcante. Caso tivesse, seria uma das melhores do álbum. "No. 1 Party Anthem" desacelera o ritmo do trabalho, que já não é lá dos mais animados. Mas é uma balada legalzinha. Tem um "quê" de psicodelia, com bom uso de teclados ao fundo, piano e violões. "Mad Sounds" mantém a mesma proposta da faixa anterior e também é boa.

"Fireside" é mais orientada para o folk, seja pela tonalidade, pelos violões ou pela batida. Os teclados novamente se fazem mais presentes. "Why´d You Only Call Me When You´re High?", de videoclipe interessante, é uma boa música para singles, principalmente pela boa interpretação vocal de Alex Turner. Mas não se destaca do geral.



"Snap Out Of It" tem boa batida, construção rítmica contagiante e refrão bem construído. Mas já perto do final do álbum, o pensamento é: "quando é que vai chegar aquela música explosiva, digna de todo bom trabalho que não seja de música ambiente"? Não chega. Novamente com participação de Josh Homme, "Knee Socks" é boa, mas ainda mantém a calmaria. "I Wanna Be Yours" é dispensável a ponto de ser música para botar bebê para dormir.

O momento mais explosivo de "AM" é a segunda música. Depois disso, o trabalho parece não se desenvolver. Fica preso àquele padrão calmo imposto de início. Mesmo que a proposta seja um disco mais tranquilo: que não soe como repeteco, então. Os críticos, é claro, adoraram, pois supostamente tem influências psicodélicas, progressivas e de Black Sabbath. Mas não há nada disso de verdade, como influência propriamente dita.

Os fãs mais ferrenhos obviamente gostaram de "AM", pois já apreciam a banda e compreendem seu conceito. Mas não é o tipo de álbum recomendado para se começar a ouvir Arctic Monkeys. E nem de longe é o seu trabalho definitivo. A estreia icônica "Whatever People Say I Am, That´s What I´m Not", de 2006, permanece como a referência do quarteto britânico sob meu ponto de vista.



Alex Turner (vocal, guitarra, guitarra de doze cordas em 1)
Jamie Cook (guitarra)
Nick O´Malley (baixo)
Matt Helders (bateria)

Músicos adicionais:
Josh Homme (vocal adicional em 3 e 11)
Bill Ryder-Jones (guitarra adicional em 8)
Pete Thomas (bateria adicional em 7)
Tom Noakes (piano em 6 e bateria eletrônica em 12)



1. Do I Wanna Know?
2. R U Mine?
3. One for the Road
4. Arabella
5. I Want It All
6. No. 1 Party Anthem
7. Mad Sounds
8. Fireside
9. Why´d You Only Call Me When You´re High?
10. Snap Out of It
11. Knee Socks
12. I Wanna Be Yours

por Igor Miranda

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2018

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2018 Petaxxon Comunicação Online