Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
Aerosmith
Vídeo: Steven Tyler canta 'Imagine' com músico de rua no Rio
Rock in Rio
Montanha-russa do Rock in Rio falha e 4 pessoas são resgatadas
Miley Cyrus
Miley Cyrus lança a música 'Week Without You', de seu novo álbum
Demi Lovato
Demi Lovato apoia público LGBT do Brasil após decisão judicial
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Em turnê pelo Brasil, Gilby Clarke faz show morno em Uberlândia

11/17/2013 7:29:08 PM
Gilby Clarke foi a atração principal da noite (Foto: Igor Miranda)


Gilby Clarke & Busic Brothers, Dr. Sin e Killer Klowns: Uberlândia Riff @ Rock´n Beer, Uberlândia (MG) - 16/11/2013

O festival Uberlândia Riff aconteceu neste final de semana prolongado, em Uberlândia (MG). A cidade do interior de Minas Gerais contou com apresentações gratuitas de bandas locais na quinta (14) e sexta (15). No primeiro dia, tocaram Arnaldo Terra e Black Jack 21. Já no segundo, os shows foram de Muñoz e SkyHell.

No sábado (16), data a qual este texto se refere, o evento contou com shows do guitarrista Gilby Clarke (ex-Guns N Roses) acompanhado dos irmãos Andria e Ivan Busic, do Dr. Sin - banda que também se apresentou. A abertura ficou por conta dos uberlandenses do Killer Klowns.

Killer Klowns fez a abertura do evento (Foto: Igor Miranda)

Na ocasião, foi cobrado um valor de R$ 30 pelo ingresso - mais barato do que nos outros concertos da turnê brasileira de Clarke e irmãos Busic, que também passou por Goiânia, São Paulo e Rio de Janeiro. Em Uberlândia, no entanto, o evento contou com incentivo da Prefeitura Municipal.

Após atraso de mais de 1h para abertura da casa de shows Rock´n Beer, o evento teve início, com alteração no cronograma: o Dr. Sin, que faria a abertura, teve de ser a segunda banda, enquanto o Killer Klowns iniciou os trabalhos.

Banda uberlandense apresenta bom show (Foto: Igor Miranda)

Conheço e acompanho de perto o trabalho do Killer Klowns desde o início e posso garantir que a evolução que a banda vem tendo ao longo dos anos é notável. O quarteto, que mudou de vocalista e baixista durante sua trajetória, começou com dois EPs bastante orientados para o hard rock.

Mas desde seu primeiro álbum full-length, "Rollercoaster Ride", é possível perceber a ampliação do leque de influências, com flertes ao rock clássico e, principalmente, ao heavy metal. Agora, mais do que nunca, eles soam pesados, e isso tem se refletido nos palcos - o que, pra mim, é ótimo.

Dr. Sin fez curta apresentação para uberlandenses (Foto: Igor Miranda)

O Dr. Sin veio em sequência, com mais atrasos e alguns problemas de som na guitarra de Edu Ardanuy. Nada disso, porém, tirou o brilho do show da banda, que foi reduzido e contou com apenas cinco músicas: "Animal", "Lady Lust", "Time After Time", "Fire" e "Emotional Catastrophe".



O curto show, no entanto, foi bastante para deixar o público eufórico. Novamente, foi comprovando que, juntamente do Sepultura, o Dr. Sin é a melhor banda brasileira de metal em atividade.

Show curto do Dr. Sin deixou fãs eufóricos (Foto: Igor Miranda)

Dois terços do Dr. Sin retornaram ao palco com Gilby Clarke: Andria e Ivan Busic, respectivamente no baixo e na bateria. O aguardado show, no entanto, não me convenceu. A performance foi bastante morna. Não sei se aconteceu nas outras cidades que receberam Clarke, mas ele parecia estar cumprindo tabela. Andria e Ivan, já não estavam tão empolgados como no concerto anterior.

A plateia, de início, parecia não entender muito o que acontecia - justamente pelo repertório constituído majoritariamente com músicas da carreira solo do ex-GNR. É fato que muitos compareceram e fizeram alarde pela "grife" do guitarrista. Clarke também não fez muito esforço para animar o público. Depois, com alguns covers mais consagrados de "It´s So Easy" (Guns N Roses) e "Dead Flowers" (Rolling Stones), o pessoal se localizou.

Gilby Clarke fechou a noite (Foto: Igor Miranda)

A apresentação de Clarke, ao meu ver, decepcionou. As músicas de sua carreira solo são boas, mas dependem de energia ao vivo para realmente funcionarem. Justamente porque fazem o tipo de "arena rock", com riffs fáceis, guitarras ao estilo rock clássico e melodias grudentas.

Para ajudar, o ex-GNR também teve problemas com seu equipamento. Um dos momentos aconteceu durante uma terrível versão de "It´s Only Rock N´ Roll", curiosamente da banda que Clarke diz ser a sua predileta: os Stones.



O evento em si não foi uma completa decepção, mas além dos atrasos, contou com um local mal escolhido: o Rock´n Beer não tem capacidade para receber este tipo de evento, por ser pequeno, contar com um palco minúsculo, não ter telões e ter a pista reta - quem ficou a 5 metros do palco, não conseguiu ver muito. Para quem estava próximo, como eu, houve o contraponto: ver os shows de tão perto foi uma experiência positiva.

É provável que exista a segunda edição do Uberlândia Riff, no ano que vem. O evento tem meu total apoio, pela iniciativa de trazer grandes atrações para uma cidade de médio porte, do interior - que provou ter bom público, porém pouco explorado por produtores. Mas as críticas construtivas em relação à realização deste precisam ser absorvidas.

Com muita grife e pouca empolgação, Clarke encerrou o Uberlândia Riff 2013 (Foto: Igor Miranda)

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online