Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
Nick Carter
Aaron Carter é preso e detona irmão Nick, dos Backstreet Boys
Anitta
Fãs de Anitta fazem truque para que ela pareça mais famosa no exterior
Katy Perry
Cemitério de Teresina tira sarro de Katy Perry nas redes sociais
Fernando e Sorocaba
Fernando e Sorocaba lançam clipe com Nego do Borel
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Em turnê pelo Brasil, Gilby Clarke faz show morno em Uberlândia

11/17/2013 7:29:08 PM
Gilby Clarke foi a atração principal da noite (Foto: Igor Miranda)


Gilby Clarke & Busic Brothers, Dr. Sin e Killer Klowns: Uberlândia Riff @ Rock´n Beer, Uberlândia (MG) - 16/11/2013

O festival Uberlândia Riff aconteceu neste final de semana prolongado, em Uberlândia (MG). A cidade do interior de Minas Gerais contou com apresentações gratuitas de bandas locais na quinta (14) e sexta (15). No primeiro dia, tocaram Arnaldo Terra e Black Jack 21. Já no segundo, os shows foram de Muñoz e SkyHell.

No sábado (16), data a qual este texto se refere, o evento contou com shows do guitarrista Gilby Clarke (ex-Guns N Roses) acompanhado dos irmãos Andria e Ivan Busic, do Dr. Sin - banda que também se apresentou. A abertura ficou por conta dos uberlandenses do Killer Klowns.

Killer Klowns fez a abertura do evento (Foto: Igor Miranda)

Na ocasião, foi cobrado um valor de R$ 30 pelo ingresso - mais barato do que nos outros concertos da turnê brasileira de Clarke e irmãos Busic, que também passou por Goiânia, São Paulo e Rio de Janeiro. Em Uberlândia, no entanto, o evento contou com incentivo da Prefeitura Municipal.

Após atraso de mais de 1h para abertura da casa de shows Rock´n Beer, o evento teve início, com alteração no cronograma: o Dr. Sin, que faria a abertura, teve de ser a segunda banda, enquanto o Killer Klowns iniciou os trabalhos.

Banda uberlandense apresenta bom show (Foto: Igor Miranda)

Conheço e acompanho de perto o trabalho do Killer Klowns desde o início e posso garantir que a evolução que a banda vem tendo ao longo dos anos é notável. O quarteto, que mudou de vocalista e baixista durante sua trajetória, começou com dois EPs bastante orientados para o hard rock.

Mas desde seu primeiro álbum full-length, "Rollercoaster Ride", é possível perceber a ampliação do leque de influências, com flertes ao rock clássico e, principalmente, ao heavy metal. Agora, mais do que nunca, eles soam pesados, e isso tem se refletido nos palcos - o que, pra mim, é ótimo.

Dr. Sin fez curta apresentação para uberlandenses (Foto: Igor Miranda)

O Dr. Sin veio em sequência, com mais atrasos e alguns problemas de som na guitarra de Edu Ardanuy. Nada disso, porém, tirou o brilho do show da banda, que foi reduzido e contou com apenas cinco músicas: "Animal", "Lady Lust", "Time After Time", "Fire" e "Emotional Catastrophe".



O curto show, no entanto, foi bastante para deixar o público eufórico. Novamente, foi comprovando que, juntamente do Sepultura, o Dr. Sin é a melhor banda brasileira de metal em atividade.

Show curto do Dr. Sin deixou fãs eufóricos (Foto: Igor Miranda)

Dois terços do Dr. Sin retornaram ao palco com Gilby Clarke: Andria e Ivan Busic, respectivamente no baixo e na bateria. O aguardado show, no entanto, não me convenceu. A performance foi bastante morna. Não sei se aconteceu nas outras cidades que receberam Clarke, mas ele parecia estar cumprindo tabela. Andria e Ivan, já não estavam tão empolgados como no concerto anterior.

A plateia, de início, parecia não entender muito o que acontecia - justamente pelo repertório constituído majoritariamente com músicas da carreira solo do ex-GNR. É fato que muitos compareceram e fizeram alarde pela "grife" do guitarrista. Clarke também não fez muito esforço para animar o público. Depois, com alguns covers mais consagrados de "It´s So Easy" (Guns N Roses) e "Dead Flowers" (Rolling Stones), o pessoal se localizou.

Gilby Clarke fechou a noite (Foto: Igor Miranda)

A apresentação de Clarke, ao meu ver, decepcionou. As músicas de sua carreira solo são boas, mas dependem de energia ao vivo para realmente funcionarem. Justamente porque fazem o tipo de "arena rock", com riffs fáceis, guitarras ao estilo rock clássico e melodias grudentas.

Para ajudar, o ex-GNR também teve problemas com seu equipamento. Um dos momentos aconteceu durante uma terrível versão de "It´s Only Rock N´ Roll", curiosamente da banda que Clarke diz ser a sua predileta: os Stones.



O evento em si não foi uma completa decepção, mas além dos atrasos, contou com um local mal escolhido: o Rock´n Beer não tem capacidade para receber este tipo de evento, por ser pequeno, contar com um palco minúsculo, não ter telões e ter a pista reta - quem ficou a 5 metros do palco, não conseguiu ver muito. Para quem estava próximo, como eu, houve o contraponto: ver os shows de tão perto foi uma experiência positiva.

É provável que exista a segunda edição do Uberlândia Riff, no ano que vem. O evento tem meu total apoio, pela iniciativa de trazer grandes atrações para uma cidade de médio porte, do interior - que provou ter bom público, porém pouco explorado por produtores. Mas as críticas construtivas em relação à realização deste precisam ser absorvidas.

Com muita grife e pouca empolgação, Clarke encerrou o Uberlândia Riff 2013 (Foto: Igor Miranda)

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online