Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
João Gilberto
Criador da bossa nova, João Gilberto vive em 'absoluta penúria financeira'
The Grammy Awards
'Despacito' domina Grammy Latino 2017 com quatro prêmios
Anitta
Anitta está oficialmente 'casada' com Thiago Magalhães
Janet Jackson
Nariz de Janet Jackson está 'caindo', diz cirurgião plástico
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

KISS: 40 anos do primeiro disco

2/18/2014 2:09:36 PM
(Foto: Reprodução)


KISS: "KISS"
Lançado em 18 de fevereiro de 1974


A prova de que o KISS realmente fez sua história por merecer é o perrengue pelo qual os integrantes passaram no início. O motorista de táxi Stanley Harvey Eisen (Paul Stanley) conheceu o professor de inglês Chaim Witz (Gene Simmons) em meados de 1970, por meio de um amigo em comum, Stephen Coronel.

Eles passaram a integrar, juntos, o Wicked Lester. A banda gravou o álbum de estreia mas nunca chegou a ser lançado de forma oficial na época e foi engavetado pela Epic Records. Nem depois, porque o trabalho foi comprado pela Casablanca Records (gravadora do KISS no momento da compra) por 137 mil dólares para, simplesmente, continuar engavetado.

Stanley e Simmons, não muito felizes com a proposta do Wicked Lester de um rock n roll mais leve e eclético, partiram para um novo projeto, onde o som seria mais pesado e com performances teatrais. Para isso, recrutaram o baterista Peter Criscuola III (Peter Criss) e o guitarrista Paul Daniel Frehley (Ace Frehley), que surgiram após anúncios em jornais e revistas.



Com o KISS formado, as maquiagens elaboradas de acordo com o alter-ego de cada integrante, concertos pelo circuito underground nova-iorquino e muitas estratégias de marketing, finalmente Neil Bogart, presidente da Casablanca Records, contrata o grupo para gravarem seu disco de estreia.

Gravado e mixado em menos de um mês, o play autointitulado já tinha todo o seu material composto antes de surgir o contrato. Mas, infelizmente, não foi bem recebido em seu tempo. Apenas com "Alive!", de 1975, a banda sentiria o gosto do sucesso. Ainda passa despercebido àqueles que se iniciam no "mundo do rock" pois não é tão falado como "Alive!", "Destroyer" ou "Love Gun" e não conta com uma boa produção. Ironicamente, os mesmos produtores (Richie Wise e Kenny Kerner) trabalharam no sucessor "Hotter Than Hell" e conseguiram piorar o processo.



Mas um disco que contém clássicos de seu início até seu fim já fala por si só. Hoje em dia, esta maravilha é cultuada por todos os fãs da banda e do rock em geral que deixaram de lado os plays já citados como donos dos holofotes. Aqui temos a origem do grupo e de vários clássicos que estiveram na maioria dos shows feitos por ele, como "Strutter", "Black Diamond", "Deuce", "Firehouse" e "Cold Gin". E não é por menos. O disco transmite energia e garra do início ao fim. É espontâneo, autêntico, agressivo e direto como um verdadeiro álbum de rock n roll deve ser.

Além das já citadas anteriormente, que dispensam comentários, menções honrosas ficam para a divertida "Let Me Know", para o cover "Kissin´ Time", para o primeiro single da banda "Nothin´ To Lose" e para a épica "100,000 Years". Ou seja, destaquei tudo, menos o instrumental "Love Theme From KISS". Clássico indiscutível.



Paul Stanley - vocal e guitarra base
Gene Simmons - vocal e baixo
Ace Frehley - guitarra solo
Peter Criss - vocal, bateria

Músico adicional:
Bruce Foster - piano em 2

01. Strutter
02. Nothin´ To Lose
03. Firehouse
04. Cold Gin
05. Let Me Know
06. Kissin´ Time
07. Deuce
08. Love Theme From KISS
09. 100,000 Years
10. Black Diamond

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online