Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
João Gilberto
Criador da bossa nova, João Gilberto vive em 'absoluta penúria financeira'
The Grammy Awards
'Despacito' domina Grammy Latino 2017 com quatro prêmios
Anitta
Anitta está oficialmente 'casada' com Thiago Magalhães
Janet Jackson
Nariz de Janet Jackson está 'caindo', diz cirurgião plástico
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

"Love Gun": 36 anos de um dos maiores clássicos do Kiss

7/2/2013 11:23:54 AM
Diferente de outros grupos com vida fácil, o Kiss não começou grande, nem estourou com seu disco de estreia. De 1974 até 1976, ralaram muito para chegar ao patamar de "maior banda do mundo", conquistado entre os anos de 1976 e 1978. E "Love Gun", sexto disco da carreira da banda, é como um "troféu por suas glórias".


Gravado nos estúdios Record Plant durante o mês de maio e com a produção do monstro Eddie Kramer, o lançamento de "Love Gun" comemorou 36 anos nesta semana, no domingo (30 de junho). O trabalho seguiu a forma de se fazer Rock que o Kiss estabelecia desde o início, mas de um jeito cada vez mais potente.

A sonoridade do álbum é bem única e interessante. Tudo soa bastante espontâneo. Afinal, eram os quatro caras e só, com a generosa participação e influência de Kramer, principal responsável pela extração de tanta espontaneidade. O produtor é conhecido, inclusive, por um método de trabalho que dá maior liberdade aos músicos, sem grandes interferências.



O registro tem início com uma das canções mais renegadas do Kiss, na minha opinião: "I Stole Your Love" recebeu pouca atenção em shows ao vivo, injustamente, sendo tocada em poucas turnês. Além do riff fantástico de guitarra que permeia o andamento da faixa, temos os vocais maravilhosos de Paul Stanley, cozinha fantástica, pegada forte e belos solos de guitarra, com destaque às frases da primeira parte do solo, tocadas por Stanley.

"Christine Sixteen", composição genuína de Gene Simmons, foi o maior sucesso do disco em relação aos singles: atingiu o 25° lugar nas paradas americanas, 22° nas canadenses e 46° nas alemãs. Rock divertido, digno de anos 1970, com uma levada gostosa e bom instrumental. Pode ser resumida em um encontro entre o som de Jerry Lee Lewis e The Rolling Stones. Vale ressaltar que teve o solo composto por Eddie Van Halen (ele e seu irmão, Alex, até então desconhecidos, tocaram na demo e Ace Frehley manteve o solo na gravação). "Got Love For Sale" mantém a pegada de sua antecessora, com um ótimo riff de guitarra e agradáveis vocais de Simmons.



Em seguida, um dos maiores destaques. "Shock Me", a primeira música em que o guitarrista Ace Frehley assume os vocais principais, foi inspirada num acidente ocorrido em Lakeland, Flórida, quando o Spaceman foi eletrocutado e atrasou o show em 30 minutos. Além de contar com seus vocais (que tiveram de ser feitos com Frehley deitado e com as luzes apagadas por conta de seu nervosismo), tem um dos melhores solos da história do Kiss, riffs de guitarra e linhas de bateria cavalares e ótimos backing vocals de Paul e Gene.

"Tomorrow And Tonight", segundo Paul Stanley, foi composta na tentativa de se fazer uma nova "Rock And Roll All Nite". Apesar de não ter chegado a isso, é uma boa música, simples e certeira, com um refrão chiclete e um solo digno. Curiosamente, nos backing vocals, tem-se a presença de Ray Simpson, que três anos depois substituiria Victor Willis no Village People.

A faixa título, na sequência, sem dúvidas é a melhor do álbum. Permanece até hoje nos repertórios do Kiss. O Starchild dá um show à parte na guitarra, no baixo e nos poderosos vocais, enquanto Peter Criss, inspiradíssimo, cria uma de suas melhores linhas de bateria, assemelhando suas batidas iniciais na caixa (repetidas ao longo da canção) aos tiros de uma pistola.



Por falar em Peter, "Hooligan" chega em seguida para manter o clima de paulada. A música, composta por Criss e Stan Penridge, tem Spaceman e Catman como destaques, tanto Peter com seus vocais rasgadíssimos e sua bateria bem tocada quanto Ace e suas excelentes frases de guitarra, que praticamente choram ao longo da canção. "Almost Human", composta e cantada por Simmons, tem um clima misterioso, mas sem perder o charme do som do Kiss. Sua letra foi inspirada por histórias de lobisomem e o andamento da canção é bom, apesar de estar longe das melhores do play.

"Plaster Caster" é uma das mais interessantes de todo o play, justamente pelo contexto histórico da mulher que inspirou a composição. Cynthia Plaster Caster foi uma groupie de vários artistas de Rock que moldava seus pênis em gesso. Entre as "vítimas", Frank Zappa e Jimi Hendrix, sendo este o primeiro cliente da artista. Hoje em dia, Cynthia cessou da tietagem mas continua com a arte, também investindo em seios de mulheres. A canção tem uma ótima levada e um dos melhores refrões do disco. Vale destacar a versão que a canção ganhou no "Unplugged MTV", gravado 18 anos após "Love Gun".



Por fim, temos uma versão para "Then She Kissed Me" do The Crystals completamente dispensável. Uma versão de "Jailhouse Rock", clássico do Elvis Presley, seria gravada para completar as dez faixas do play. Mas sabe-se lá porque desistiram da ideia e gravaram essa péssima canção, que representa o único ponto baixo do disco. Ironicamente, Elvis faleceu praticamente dois meses após o lançamento do disco, em 16 de agosto de 1977.

Infelizmente, "Love Gun" é o último álbum com a formação original da banda, pois os sucessores, apesar de terem Peter Criss na capa, só contam com o ar da graça de suas baquetas em três canções: Dirty Livin, do "Dynasty"; e "You Wanted The Best" e "Into The Void", ambas do "Psycho Circus". Mas há de convir que essa foi uma despedida honrosa. Além de ter chegado ao topo das paradas de vários países como Estados Unidos (4°), Japão (2°) e Canadá (3°), bateu o primeiro milhão de cópias vendidas apenas na terra do Tio Sam em um dia (!), conquistando disco de platina logo de cara ? hoje já deve estar chegando aos 2 milhões de exemplares vendidos.

A turnê girou por vários locais do mundo, teve o "Alive II" como resultado e contou com maior investimento em merchandising da banda (incluindo um card com uma pistola de brinquedo no encarte do disco). Estima-se que o quarteto tenha movimentado 100 milhões de dólares entre 1977 e 1979, considerando tanto os produtos da marca "Kiss" quanto os lucros gerados na estrada. "Love Gun" é um clássico imponente e atemporal. Sua consistência está provada com a admiração que lhe é atribuída após 36 anos de lançamento.



Paul Stanley (vocal em 1, 5, 6 e 10, guitarra, baixo em 6)
Gene Simmons (vocal em 2, 3, 8 e 9, baixo, guitarra base em 2, 8 e 9)
Ace Frehley (vocal em 4, guitarra solo)
Peter Criss (vocal em 7, bateria)

Músicos adicionais:
Eddie Kramer (piano em 2)
Jimmi Maelin (congas em 8)
The KISSettes: Tasha Thomas, Ray Simpson e Hilda Harris (backing vocals em 5 e 10)

01. I Stole Your Love
02. Christine Sixteen
03. Got Love For Sale
04. Shock Me
05. Tomorrow And Tonight
06. Love Gun
07. Hooligan
08. Almost Human
09. Plaster Caster
10. Then She Kissed Me (The Crystals cover)

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online