Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
João Gilberto
Criador da bossa nova, João Gilberto vive em 'absoluta penúria financeira'
The Grammy Awards
'Despacito' domina Grammy Latino 2017 com quatro prêmios
Anitta
Anitta está oficialmente 'casada' com Thiago Magalhães
Janet Jackson
Nariz de Janet Jackson está 'caindo', diz cirurgião plástico
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Novo álbum de Deep Purple não empolga como esperado

7/10/2013 12:00:17 AM



(Foto: Divulgação)

Deep Purple: "Now What?!" [2013]

O Deep Purple realmente me surpreendeu ao anunciar que trabalharia um novo disco com Bob Ezrin. Os dois estilos são completamente incompatíveis. O Purple é convencional. Ezrin não é. A banda não aposta em composições soturnas e uso de orquestras, nem é inventiva. Ainda mais nesse passado recente. O produtor é o oposto disso.

A mistura resultou no 19° disco de estúdio da banda, "Now What?!". A influência de Ezrin no produto final, como na maioria dos trabalhos que produz, é notável. Mas, diferente de como foi no passado, dessa vez é possível concluir ele se sairia melhor apenas comandando a mesa de som.

A primeira música mostra que até mesmo Bob Ezrin está caindo em fórmulas. "A Simple Song" começa calma, no modelo que o produtor gosta de colocar nos discos que participa. Aos 2 minutos, entra a pancada, no maior estilo Deep Purple: riffs sincronizados de guitarra e baixo, com espaços para o brilho do órgão Hammond. Mas a canção não empolga como uma faixa de abertura deveria.



"Weirdistan" segue seu título: é bem esquisita. Traz inserções orquestradas no riff principal (ou ao menos sintetizadores de orquestra), como também de praxe em trabalhos de Ezrin. A canção carece de ganchos melódicos e não desce bem. "Out Of Hand", cadenciada e soturna, persiste no clima adstringente e nos elementos de orquestra. Erroneamente.

"Hell To Pay" é um sopro do Purple antigo. Tem cara de single, e não à toa é uma das músicas de divulgação do disco. Refrão de arena, boa letra e instrumental bem entrosado. O groove de "Body Line" continua a melhorar a audição. Cortesia de Ian Paice, que ao meu ver é o melhor baterista da década de 1970 juntamente de Neil Peart. Não seguiu a incrível evolução técnica de seu colega canadense, mas não deixa de ser genial.

"Above And Beyond" lembra os bons discos antecessores, já gravados com Steve Morse. A canção vai crescendo muito bem até a entrada da voz de Ian Gillan. Depois, se mostra um Rock n' Roll tranquilo e bem tocado. A balada "Blood From A Stone" seduz pela versatilidade. Os versos contam com uma pitada de Lounge Music, quase ambientais, enquanto os refrões são puro Purple. Don Airey se destaca com suas inserções precisas.



A introdução de "Uncommon Man", que tem quase 3 minutos, é a cara de Bob Ezrin. Mal dá pra imaginar a banda fazendo uma música dessas sem o produtor. Mas o miolo da canção em si é muito bom. Não precisava dessa intro biruta. "Apres Vous" segue a fórmula do Purple, com o brilho dos teclados de Airey e da guitarra bem timbrada de Morse. Mas vale destacar que o guitarrista parece pouco inspirado nesse registro. Não há nenhum solo inspirado de sua parte, enquanto o tecladista está endiabrado.

"All The Time In The World", balada já conhecida do público por também ser single, é ótima. Aposta em boas melodias e parece ter tudo na medida. Gillan se destaca pela boa interpretação. "Vincent Price" fecha apostando nas maluquices pouco convencionais de Bob Ezrin. Muito soturna. Não combinou com o Purple. Mas vale pela mudança. A faixa bônus "It Will Be Me" é melhor do que grande parte desse registro, mas foi afetada pela prática das bandas grandes de deixar boas canções de fora da tracklist normal.

"Now What?!" é um disco mediano para bom. Está abaixo do que se espera de uma banda desse porte. Bob Ezrin, definitivamente, não serve para trabalhar com o Deep Purple. O contraste se baseia entre músicas ótimas e péssimas. Mas há momentos de destaque que possibilitam uma nota mais generosa. E, curiosamente, as melhores partes desse disco são as que o grupo soa de forma mais convencional possível.



Ian Gillan (vocal)
Steve Morse (guitarra)
Roger Glover (baixo)
Ian Paice (bateria)
Don Airey (teclados)

01. A Simple Song
02. Weirdistan
03. Out Of Hand
04. Hell To Pay
05. Body Line
06. Above And Beyond
07. Blood From A Stone
08. Uncommon Man
09. Après Vous
10. All The Time In The World
11. Vincent Price

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online