Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
João Gilberto
Criador da bossa nova, João Gilberto vive em 'absoluta penúria financeira'
The Grammy Awards
'Despacito' domina Grammy Latino 2017 com quatro prêmios
Anitta
Anitta está oficialmente 'casada' com Thiago Magalhães
Janet Jackson
Nariz de Janet Jackson está 'caindo', diz cirurgião plástico
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Opinião: apesar da boa repercussão, Anitta perde identidade com "Bang"

10/13/2015 1:07:12 PM
O lançamento do clipe de Anitta foi um dos assuntos mais comentados do fim de semana. Não à toa: a cantora é um dos maiores nomes recentes da música popular nacional, goste ou não.




Como era de se esperar, o vídeo para a música "Bang" também bateu recordes pessoais de Anitta. Um milhão de visualizações foram registradas em seis horas. Em um período de dois dias, foram três milhões de views. Segundo o site PopLine, Demi Lovato estreou um clipe no YouTube, na mesma data, e só conseguiu 200 mil acessos a mais, com alcance mundial.

O trabalho de imagem de Anitta para "Bang" também tem sido muito bom. "Bang" foi gravado com Giovanni Bianco, diretor de arte que é parceiro de Madonna. Em termos de qualidade visual, é o melhor vídeo da cantora. A gravação foi tratada em preto e branco, com efeitos de animação coloridos, que remetem ao estilo de histórias em quadrinhos. Nada inovador, mas muito agradável de se ver. Tudo isso já podia ser percebido nas imagens de divulgação, liberadas com antecedência.

A ação de marketing também foi caprichada. Uma campanha permitiu que fãs de um estado específico pudessem assistir ao vídeo, em uma sala de cinema, um dia antes da estreia geral. Para isso, era necessário votar em seu estado. O Rio de Janeiro ganhou, após uma zoação feita pelo blog Não Salvo, que tentou dar o "título" para o Acre.

Expectativa grande, certo? E se Anitta decepcionasse?



Foi o que aconteceu, a meu ver. Não pela música ser boa ou ruim ou por gostar ou não de Anitta - isso é algo meramente subjetivo. Mas porque a cantora parece estar um pouco perdida em seu direcionamento artístico.

Desde antes de "Bang", especialmente no disco "Ritmo perfeito" (2014), Anitta começou a soar cada vez mais genérica. Algo que, lá atrás, quando surgiu, não acontecia. A carioca surgiu com uma mistura de funk e pop, em uma performance sensual sem perder a abordagem comercial. Com a ascensão, o ritmo brasileiro foi deixado de lado. A cantora agora soa como qualquer outra que tenta carreira no universo pop.

Curiosamente, Anitta conseguiu uma marca expressiva de visualizações em seu vídeo em comparação a Demi Lovato. Mas parece que a intenção é soar como Demi Lovato. Como Selena Gomez. Até como Wanessa. Como outras "princesinhas" do pop, cujas músicas, simplesmente, não têm graça. O diferencial da carioca já estava sendo descartado e, agora, com "Bang", parece ter sido jogado na lata de lixo de vez.

Curiosamente, Beyoncé investiu, tempos atrás, nos ritmos latinos, repletos de percussão. Anitta fez o caminho inverso. Abandonou esse elemento. Seja para conquistar um novo mercado, para agradar quem não curtia a pegada brasileira de seu som.

É natural - e saudável - apostar em mudanças, desde que não soe como todas as outras do segmento. Não é segredo para ninguém que Anitta é influenciada por popstars do cenário internacional. A própria já admitiu, também, que vai investir em uma carreira na gringa em 2016. Caso, daqui para frente, o material musical apresentado seja semelhante a "Bang", pode desistir: será apenas mais uma, em um mercado saturado.

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online