Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
João Gilberto
Criador da bossa nova, João Gilberto vive em 'absoluta penúria financeira'
The Grammy Awards
'Despacito' domina Grammy Latino 2017 com quatro prêmios
Anitta
Anitta está oficialmente 'casada' com Thiago Magalhães
Janet Jackson
Nariz de Janet Jackson está 'caindo', diz cirurgião plástico
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Pantera: 23 anos de "Cowboys From Hell"

7/23/2013 11:10:11 PM
(Foto: Divulgação)


Apesar de eu ser um grande fã de hard rock, inclusive da safra oitentista (denominada "farofa"), admito que o Pantera não era nem um pouco interessante nos tempos em que seu som estava enquadrado nessa vertente. Pelo menos pra mim, a coisa fica interessante com a entrada do vocalista Phil Anselmo em meados de 1987.

Após um empresário da Atco Records ter ficado impressionado com a performance ao vivo do grupo, o quarteto finalmente saía do mundo "independente", pois eles lançavam discos pelo próprio selo com a produção do pai do guitarrista Dimebag Darrell e do baterista Vinnie Paul, Jerry Abbott. Com a oportunidade de deixar tudo o que foi feito para trás, a investida do quarteto foi centralizada em vertentes mais pesadas do metal, como o heavy clássico, o groove e o thrash.



Essa salada mista gerou um dos álbuns mais poderosos do metal, sem exageros. "Cowboys From Hell" foi lançado em 24 de julho de 1990 (há exatos 23 anos). A produção ficou a cargo do já renomado Terry Date, que havia trabalhado com grupos como Soundgarden, Dream Theater e Metal Church. Merecidamente, "Cowboys From Hell" teve sucesso dentro e fora da cena heavy metal, ganhando atenção até mesmo da MTV.

O sucesso do Pantera se deve principalmente à incrível originalidade dos caras. Cada integrante é tão único ao ponto de ser reconhecível em seu instrumento. O som ainda mudaria bastante com os sucessores de "Cowboys From Hell", mas considero este o clímax.



A salada do Pantera não tem pontos fracos. As guitarras criativas e repletas de pegada do mestre Dimebag Darrell, os vocais caóticos e ainda influenciados pelo metal clássico de Phil Anselmo, a bateria complexa e bem rítmica de Vinnie Paul, o baixo potente e eficiente de Rex Brown - está tudo sob medida por aqui.

A química presente enquanto o quarteto atira as pedras e a inspiração das composições presentes são simplesmente incríveis. E o resultado não poderia ser diferente: músicas consistentes, refinadas e muito bem feitas. Perfeitas para bater cabeça. Infelizmente o Pantera foi uma das últimas grandes bandas de metal a meu ver, pois muitas sucessoras não obtiveram o requisito determinante anteriormente citado: a originalidade.



No geral, a recepção foi muito boa: já era o quinto lançamento dos caras, mas esse foi o primeiro a fazer sucesso de verdade. Além das críticas positivas que recebe até os dias de hoje, da turnê lucrativa que rendeu e da influência que exerceu sobre as bandas mais modernas de metal, "Cowboys From Hell" vendeu muito bem em tempos onde o heavy metal estava em baixa progressiva, conquistando disco de platina nos Estados Unidos e ouro no Reino Unido um ano após o lançamento.

Os destaques, apesar de serem difíceis de serem feitos, foram conquistados, a meu ver, pelas grooveadas "Primal Concrete Sledge" e "Shattered", pela complexa paulada "Psycho Holiday", pelas thrashers "Domination" e "Heresy" e pelas clássicas "Cemetery Gates" e faixa título. Definitivamente, "Cowboys From Hell" merece atenção como um todo, pois é, de fato, um dos últimos verdadeiros clássicos do metal.



Phil Anselmo (vocal)
Dimebag Darrell (guitarra)
Rex Brown (baixo)
Vinnie Paul (bateria)

01. Cowboys From Hell
02. Primal Concrete Sledge
03. Psycho Holiday
04. Heresy
05. Cemetery Gates
06. Domination
07. Shattered
08. Clash With Reality
09. Medicine Man
10. Message In Blood
11. The Sleep
12. The Art Of Shredding

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online