Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
The Grammy Awards
'Despacito' domina Grammy Latino 2017 com quatro prêmios
Anitta
Anitta está oficialmente 'casada' com Thiago Magalhães
Janet Jackson
Nariz de Janet Jackson está 'caindo', diz cirurgião plástico
Simone e Simaria
Simaria contrai infecção aguda e dupla cancela shows
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Quando o KISS começou a fazer música de discoteca: 35 anos de "Dynasty"

5/23/2014 11:26:46 AM
(Foto: Reprodução)


KISS: "Dynasty"
Lançado em 23 de maio de 1979


Quem viveu a década de 1970, especialmente nos Estados Unidos, sabe a dimensão que o KISS teve. Ao menos são os relatos de inúmeras pessoas que vivenciaram o auge do KISS, que aconteceu, em especial, de 1975 a 1978.

A turbulência começou justamente em 1978, quando os egos dos integrantes começaram a entrar em conflito. Além disso, o guitarrista Ace Frehley e o baterista Peter Criss estavam com problemas relacionados ao álcool e às drogas. Enquanto isso, a imagem do grupo se popularizava cada vez mais.



Após a ideia de cada integrante lançar um disco solo - e os quatro chegariam juntos às lojas -, era esperado que os ânimos se esfriassem. Longe disso. "Dynasty", de 1979, mostra uma diferença conceitual entre os líderes Paul Stanley (vocalista e guitarrista) e Gene Simmons (vocalista e baixista) e os supostos coadjuvantes Ace Frehley e Peter Criss.

Enquanto Stanley e Simmons queriam expandir o público do KISS, Frehley e Criss gostariam de continuar com o rock n roll direto e básico que consagrou a banda. A expansão almejada pelos chefões foi aplicada em "Dynasty", lançado há exatos 35 anos. A partir desse disco, o KISS se tornou um fenômeno direcionado a todas as idades.



Mas de que forma eles fizeram isso? Simples: se aliaram à tendência musical da época, que era a disco music. É claro que o KISS não virou o ABBA, mas elementos disco foram colocados ao rock do quarteto. Isso ficou evidente em especial no hit do álbum: "I Was Made For Lovin You".

Os elementos contemporâneos à época ficaram evidentes em outras músicas, como "Charisma", "Sure Know Something" e "Dirty Livin" - a última é a única em que Peter Criss tocou no disco, pois em todas as outras faixas ele foi substituído pelo músico de estúdio Anton Fig.



A veia rock n roll foi especialmente representada nas músicas com Ace Frehley no vocal: "Hard Times", "Save Your Love" e o cover de "2,000 Man", dos Rolling Stones. Nas demais, apesar do rock estar presente, a pegada ficou um pouco suave demais.

O sucesso justificou a mudança: o álbum atingiu posições significativas nas paradas de mais de 10 países. O hit "I Was Made For Lovin You" tocou em todo o mundo. Crianças, idosos e pessoas que nem gostavam de rock passaram a gostar do KISS. Mas o grupo perdeu a sólida base de fãs construída nos anos anteriores, que não entendiam a mercantilização do quarteto.



A partir de então, o declínio aconteceu paulatinamente: Peter Criss apareceu na capa do álbum seguinte, "Unmasked", mas não tocou. Logo, foi dispensado pelo grupo. Mesmo com o ótimo substituto Eric Carr, os shows nos Estados Unidos não lotavam mais. Tiveram de procurar outros mercados, como a Austrália e a América do Sul. Ace Frehley abandonou o barco em 1982, após o fiasco "(Music From) The Elder). O sucesso só voltou a bater na porta da banda depois que tiraram as maquiagens, em 1983. O resto é história.



Paul Stanley (vocal, guitarra, baixo em 1 e 6)
Gene Simmons (vocal, baixo)
Ace Frehley (vocal, guitarra, baixo em 2, 7 e 9)
Peter Criss (bateria e voz em 4)

Músicos adicionais:
Anton Fig (bateria nas demais faixas)
Vini Poncia (teclados)

1. I Was Made for Lovin You
2. 2,000 Man (Rolling Stones cover)
3. Sure Know Something
4. Dirty Livin
5. Charisma
6. Magic Touch
7. Hard Times
8. X-Ray Eyes
9. Save Your Love

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online