Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
Nirvana
Nirvana: 'Kurt Cobain era feminista', diz Dave Grohl
Henrique e Juliano
Tumulto é causado após Henrique e Juliano cancelarem show em RJ
Led Zeppelin
Robert Plant revela música do Led Zeppelin que tem vocais 'horríveis'
Lady Gaga
Vídeo: Lady Gaga interrompe show após fã se machucar na plateia
Igor Miranda
Ver Colunas de Igor Miranda

#artigo

Queens Of The Stone Age e sua sofisticada ressurreição

7/6/2013 6:16:02 PM
(Queens Of The Stone Age: "...Like Clockwork" [2013]) A espera por um dos álbuns mais aguardados de 2013 acabou. O novo trabalho do Queens Of The Stone Age, "...Like Clockwork", deixou não apenas os fãs da banda ansiosos. Qualquer curioso apreciador de música ficaria com uma pulga atrás na orelha ao ser anunciado um disco com participações de nomes tão distintos como Trent Reznor (Nine Inch Nails), Jake Shears (Scissor Sisters) e Sir Elton John, entre outros.


"...Like Clockwork" marca a volta do multi-projetista Dave Grohl para os estúdios com Josh Homme e banda. Grohl foi praticamente o responsável por colocar o nome do Queens Of The Stone Age no mainstream ao tocar bateria em "Songs For The Deaf", de 2002, mas apenas participou das gravações e da subsequente turnê, deixando o posto para Joey Castillo. Agora, Dave se restringiu e não tocará nem na tour. E, assim como todo o grupo, fez um trabalho formidável.



Vamos, portanto, ao disco. "Keep Your Eyes Peeled" abre de forma soturna e arrastada. A tonalidade é pesada e os vocais de Josh Homme, ora graves, ora agudos, colaboram para a esquisitice positiva da canção. Tema digno de filme de terror, mas talvez não a ideal para a abertura. "I Sat By The Ocean" é muito mais fácil de se digerir de primeira, devendo ser a abertura ao meu ver. Sem complicações, é um Rock n Roll de ótima levada e ganchos melódicos de destaque. Uma das melhores.

A balada "The Vampyre Of Time And Memory", primeira a contar com Dave Grohl na tracklist, é melancólica e cheia de classe. Um piano sedutor a conduz, o que dá o traço triste à música. "If A Had A Tail", que tem participação de Alex Turner (Arctic Monkeys), Nick Oliveri e Brody Dalle (The Distillers), parece uma continuação da faixa anterior, mas um pouco mais pesada, até por ser guiada por guitarra e não por piano. Não é tão boa. Exigia interpretação vocal mais inspirada, aliás. Mas não dá pra chamar de filler, pelo bom refrão.



"My God Is The Sun", apresentada pela primeira vez na edição 2013 do Lollapalooza Brasil, é o momento que mais remete ao passado do grupo nesse novo disco. A canção se caracteriza pela batida um pouco mais rápida, com melodia menos sombria, adição de outros instrumentos de percussão e licks de guitarra destacados. "Kalopsia" traz a participação do excelente Trent Reznor e o multi-instrumentista deixa a sua marca na música, que pode ser descrita como uma "balada industrial". Uma boa viagem.

"Fairweather Friends" é o momento mais esperado do disco. Além de Reznor e Oliveri, participaram Mark Lanegan e Elton John. O começo operático engana, porque a canção não é nada complexa. Algo muito positivo, pois com esse número de convidados, seria algo complicado. O piano suave de John combina com o instrumental levemente caótico, evidenciado pela linha de bateria do competente Dave Grohl. Os riffs e licks de guitarra grudam mais na mente do que as passagens cantadas. Ótima canção.



"Smooth Sailing" mantém o bom nível com um ritmo distinto. Groove levemente soturno, voz com falsete e palminhas ao fundo que cativam. De forma esquisita, é um dos destaques do álbum. "I Appear Missing" tem boa construção melódica e instrumental bem construído, com entrosamento aparente da cozinha. Mas sua parte arrastada poderia ser resumida. Comprometeu por deixar a canção um pouco mais enjoativa, mesmo com sua segunda parte arrasadora. A faixa título é mais uma balada melancólica, porém mais sofisticada, principalmente pela precisa inserção de backing vocals. Mediana, ao meu ver, até por não trazer nada de novo à audição do disco.

"...Like Clockwork" modificou um pouco o padrão de trabalho do Queens Of The Stone Age. A maior presença de baladas e a sofisticação do som dão a entender que a banda procura maior espaço no mainstream. O caminho está sendo bem trilhado, com originalidade e criatividade. Mas ainda há alguns momentos durante o disco que dão uma sensação de deja-vu em comparação até mesmo às faixas anteriores. Acredito que um lançamento posterior deve ter a ideia amadurecida o bastante para me arrancar uma nota mais satisfatória.



Josh Homme (vocal, guitarra, guitarra de doze cordas e slide em 9)
Troy Van Leeuwen (guitarra, percussão, teclados, guitarra de doze cordas em 5 e 9, lap steel em 6)
Dean Fertita (teclados, guitarra, percussão, piano em 6)
Michael Shuman (baixo, teclados em 6)
Dave Grohl (bateria)

Músicos adicionais:
Alex Turner (vocal em 4)
Trent Reznor (vocal e programação em 6 e 7)
Jake Shears (vocais adicionais)
Sir Elton John (piano e vocal em 7)
Brody Dalle (vocal em 4)
James Lavelle (programação)
Joey Castillo (bateria e percussão em 1, 2 e 6)
Nick Oliveri (vocal em 4 e 7)
Alain Johannes (instrumentos de corda)
Mark Lanegan (vocal em 7)
Jon Theodore (bateria e percussão em 10)

01. Keep Your Eyes Peeled
02. I Sat By The Ocean
03. The Vampyre Of Time And Memory
04. If I Had A Tail
05. My God Is The Sun
06. Kalopsia
07. Fairweather Friends
08. Smooth Sailing
09. I Appear Missing
10. ...Like Clockwork

por Igor Miranda

#interessante

#suaopinião

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online