Revista Cifras - As notícias do mundo da música
Revista Cifras
Musica
Bandas independentes brasileiras buscam terreno fora do país
Ze Ramalho
Zé Ramalho fala de 'Avôhai', box e relação com alucinógenos: 'comedido'
Selena Gomez
Selena Gomez fala de rim doado por amiga: 'os meus estavam acabados'
Rouge
Rouge anuncia show extra em SP após mais ingressos esgotados

#notícia

Bandas independentes brasileiras buscam terreno fora do país

10/27/2017 2:49:26 PM
Bandas independentes brasileiras buscam terreno fora do paísGrupos como Boogarins (foto) têm conseguido destaque no exterior (Divulgação)
Eram poucos shows no Brasil, seis em Goiânia, onde a banda nasceu, alguns outros por São Paulo, e logo os passaportes já estavam emitidos, carimbados e fronteira cruzada. Com pouco tempo de existência, o Boogarins pisava nos Estados Unidos para a primeira turnê fora do País. E o guitarrista Benke Ferraz, três anos e três discos depois, olha para traz e reflete: "É, a gente não sabia de nada ainda, mesmo", brinca. E ri.


Caso de maior sucesso da música independente fora do País, o Boogarins é uma exceção - um grupo capaz de passar longas temporadas no estrangeiro e voltar sem ter gasto todas as economias -, mas não a única banda nacional a se aventurar além das fronteiras, para experimentar novos públicos, entender o funcionamento do mercado estrangeiro e quem sabe, se divertir.



Toda a trajetória dos Boogarins é daquelas a colorir os sonhos psicodélicos dos mais indies: um projeto iniciado por Benke e Dinho Almeida (voz e guitarra), gravado no quarto do primeiro, cujas canções, ainda cruas, foram enviadas para selos e blogs norte-americanos. E, de repente, uma resposta: a gravadora Other Music gostaria de assinar com os guris.

A banda foi montada, com a adição de Raphael Vaz, no baixo e Hans Castro, nas baquetas e seguiu, ainda verde, para fora do País com o suporte financeiro da gravadora, mas nada que pagasse, integralmente, o combo de passagens, hospedagem e transporte durante a estada fora.

"Cada banda deve ser o que é melhor para ela e qual é seu interesse ao ir para fora", aponta Benke. O Boogarins fez shows sem receber cachê, tocou por US$ 100 - "o que não é suficiente para cobrir nenhum dos gastos que tínhamos", diz -, mas hoje faz turnês longas por Estados Unidos e Europa de quatro a seis meses Os dois últimos discos deles, 'Manual' (de 2015), e 'Lá Vem a Morte' (deste ano), foram registrados na Espanha, e em Austin, no Estado norte-americano do Texas, respectivamente, durante essas excursões, e ganharam críticas elogiosas de veículos do exterior, como 'The New York Times' e 'The Guardian'.

Diferentemente do Cansei de Ser Sexy, a última banda brasileira a sacudir as cabeças dos gringos (e que até adaptou seu nome para a sigla CSS e ser pronunciável no exterior), o Boogarins não abriu concessões estéticas - inclusive, mantém o português nos versos de suas composições e provou que há mercado para isso fora daqui.

Importância

Não é à toa que hoje o Brasil tem a segunda maior delegação a embarcar para o South By Southwest, festival costumeiramente realizado em março e transforma Austin, por dez dias, da meca da música alternativa do mundo - a quantidade de artistas brasileiros a se apresentar por lá só é menor do que a de britânicos.

A importância do País é tamanha para o festival que até foi criado o cargo ocupado atualmente por Tracy Mann para estabelecer e desenvolver os laços entre a música brasileira e o festival. "Entendo que existe falta de lugares para tocar no Brasil, por isso a necessidade de experimentar novos mercados", avalia ainda Tracy.

Mais do que aproveitar a apresentação em um festival como SXSW para criar público, o caminho a seguir é criar, ali, oportunidades de conhecer agentes de mercado e empresários estrangeiros, já que o festival atrai "olheiros" e os estrangeiros, atualmente, estão de olho no material produzido por aqui. Bruno Montalvão, agente artístico e dono da Brain Productions, especializada em levar artistas nacionais ao exterior, vê a viagem como um investimento de médio prazo. "É lógico que é um passo difícil de dar e não vai dar um retorno imediato. Isso só vai acontecer lá pela terceira turnê", explica ele, responsável por viabilizar, recentemente, a ida do duo The Baggios, de Aracaju, ao Canadá (no festival Pop Montreal) e aos Estados Unidos.



"É interessante sair da zona do conforto. Começar tudo de novo", diz Julio Andrade, o vocalista e guitarrista da dupla de rock explosivo. "Mas foi importante fazer contas, ver se valeria a pena. Com o dinheiro, poderíamos estar gravando um novo disco", explica o músico, que optou por viajar. E voltam em novembro para a cerimônia de premiação do Grammy Latino, na qual o disco 'Brutown', do duo, foi indicado como melhor álbum de rock ou música alternativa. Para Montalvão, embora seja importante ser cuidadoso, os Estados Unidos são um mercado a ser explorado atualmente pelas bandas brasileiras. "Estabelecendo-se lá, abrem-se as portas para tocar em outros lugares do mundo."

O mesmo, na opinião de Fernando Dotta, músico e cofundador do selo Balaclava Records, funciona para o Primavera Sound, outro festival queridinho dos brasileiros, desta vez realizado em Barcelona, na Espanha. Assim como o SXSW, o Primavera não paga cachê, mas usa do discurso de que a presença no cartaz do festival atrairá a tenção de casas de shows e empresários europeus. Em 2014, por exemplo, Dotta e sua banda Single Parents focam escalados e "cinco minutos depois do anúncio chegou um e-mail nos chamando para tocar em Portugal", ele explica. "Isso é muito comum. E, nessa turnê fora do festival, eles pagam os cachês."



E não são todas as bandas que investem pesado na carreira internacional, mas ela acontece. O Terno, de São Paulo, passou por Nova York em agosto e, agora nos dias 26 e 28 de outubro, se apresentam em Lisboa (Portugal) e Colônia (Alemanha), respectivamente. "Mas é algo pontual", aponta Tim Bernardes. Para Ricardo Rodrigues, empresário da banda Liniker e os Caramelows, prestes a embarcar na quinta turnê em dois anos de grupo, o mercado internacional já representa um terço do potencial de renda de uma banda, se tudo for bem organizado. "Hoje é essencial", ele afirma.



O Boogarins, por exemplo, agora tem empresário no exterior, não tem mais vínculo com a gravadora e opera no azul quando viaja ao exterior. "É perrengue, sim", garante Benke. "Mas é um perrengue bom."

Mapeamento

Quando Alexandre Pires deixou o grupo Só Pra Contrariar a convite da gravadora para se aventurar no mercado de música latino como cantor pop em espanhol, em 2001, a internet engatinhava. Deixou o Brasil, mudou para Miami. "Não existia essa comunicação direta, diferentemente de hoje", conta o mineiro.

O trabalho de divulgação era corpo a corpo. Hoje, esse caminho é desnecessário. Basta ver os casos de Anitta, a cantora pop brasileira de maior sucesso no exterior da atualidade, e DJ Alok.

Sem grandes turnês pela América do Norte, ela teve um crescimento de 839% em execuções de suas músicas no serviço de streaming Spotify, de janeiro a setembro deste ano. Foi quando ela passou a lançar músicas em inglês (como 'Is That For Me' e 'Will I See You') e em espanhol, com o hit 'Paradinha' - a 127ª música mais ouvida em todo o mundo no serviço.



O DJ Alok, com a facilidade de circulação da música eletrônica, tem sua canção 'Hear Me Now' na 27ª posição do mesmo ranking.



As plataformas também permitem um mapeamento de cidades e países que escutam uma banda, como o caso do Far From Alaska, que percebe um aumento de audições das suas músicas na França e nos EUA após show nos dois países. "No ano que vem, vamos investir muito mais na carreira internacional", diz Emmily Barreto, vocalista da banda.



* Por Estadão Conteúdo

#interessante

#suaopinião


ei nerd  


logo letras Veja a lista de letras das músicas de: logo letrasAprenda a tocar as músicas de
Letras de músicas: Aprenda a tocar:
Letras de Alexandre Pires Cifras de Alexandre Pires
Letras de Alexandre Pires Cifras de Alexandre Pires
Letras de Anitta Cifras de Anitta
Letras de Anitta Cifras de Anitta
Letras de Boogarins Cifras de Boogarins
Letras de Boogarins Cifras de Boogarins

#tags

Anitta

DJ Alok

Selena Gomez

Rouge

Ludmilla

Taylor Swift

Música

Pearl Jam

Royal Blood

Madonna

Caetano Veloso

Luis Fonsi

Tiago Iorc

Simone e Simaria

Luan Santana

Pabllo Vittar

Katy Perry

Ivete Sangalo

Marília Mendonça

Linkin Park

Sandy

XCalypso

Calypso

Ximbinha

Banda X

Michele Andrade

Ed Sheeran

Red Hot Chili Peppers

Liam Gallagher

Imagine Dragons

Lana Del Rey

The Killers

Paul McCartney

DJ Alesso

Maiara e Maraisa

Marilyn Manson

Beyoncé

Lollapalooza

Fifth Harmony

MC Kevinho

Anavitória

The Voice Brasil

Aerosmith

Steven Tyler

Revista Cifras
Petaxxon Comunicação Online

© Copyright 2017

notícias | artigos | entrevistas | videos

©2017 Petaxxon Comunicação Online