10 curiosidades sobre o início do Guns N Roses que talvez você não saiba

O Guns N Roses lançou seu primeiro disco full-length, “Appetite For Destruction”, em 1987. Demorou um pouquinho para que atingissem a fama – só em 1988 eles se tornaram mundialmente conhecidos.

No entanto, a formação do grupo se deu em meados de 1985 – ou seja, 30 anos atrás. A lista abaixo apresenta 10 curiosidades sobre o Guns N Roses, ainda em tempos embrionários, quando faziam seus primeiros shows e buscavam um lugar ao Sol.

É evidente que existem outros fatos marcantes do início da carreira do grupo, mas selecionamos apenas 10. Caso tenha sentido falta de algum, complemente nos comentários!

1) O guitarrista solo original do Guns N Roses foi Tracii Guns, que fez fama posteriormente no L.A. Guns. Ele emprestou o sobrenome para nomear o grupo, juntamente ao de Axl Rose – por isso, Guns N Roses. No entanto, Tracii saiu poucos meses depois.

2) Ainda sobre o nome: antes de se chamar Guns N Roses, a banda pensou em se chamar AIDS e Heads Of Amazon. Ainda bem que descartaram…

https://www.youtube.com/watch?v=qolVVV8VaWk

3) O baixista original se chamava Ole Beich e ele chegou a se apresentar com o grupo, no The Troubadour em West Hollywood, Estados Unidos. Ele faleceu em 1991, vítima de um afogamento em Copenhagen. A família acredita que seja suicídio, mas não há comprovação oficial.

4) A formação clássica do Guns N Roses, composta por Axl Rose, Steven Adler, Izzy Stradlin, Duff McKagan e Slash, se apresentou pela primeira vez ao vivo no mesmo The Troubadour de West Hollywood, local que recebeu o grupo ainda nas formações embrionárias. O show foi classificado como “A festa rock n roll onde todos ficaram bêbados”. Será?

Veja também:
Estudo revela que 50% dos novos guitarristas são mulheres

5) O The Troubador é um local especial para o Guns N Roses. Além de ter abrigado o primeiro show da banda e a apresentação inicial da formação clássica do grupo, foi lá que o Guns tocou, posteriormente, hits como “Welcome To The Jungle” (junho de 1985) e “Paradise City” (outubro de 1985) pela primeira vez.

https://www.youtube.com/watch?v=mrQBBDOTES8

6) O Guns N Roses assinou um contrato com a gravadora Geffen Records em 25 de março de 1986. Nesse mesmo dia, também contrataram o empresário Alan Niven, que foi persuadido e praticamente obrigado a assumir a tarefa, pois, como várias pessoas, achava que o Guns N Roses era uma banda bem problemática.

7) Em 23 de outubro de 1986, o Guns N Roses fez a abertura de um show do Alice Cooper. Mas Axl Rose não cantou. O motivo é tosco: ele foi impedido de entrar na casa de shows porque seu nome não estava na lista de artistas.

8) Paul Stanley, do KISS, quase foi o produtor de “Appetite For Destruction”. Ele era um dos grandes heróis de Steven Adler. No entanto, Stanley foi descartado após tentar mudar o som da banda – tentou aplicar teclados e sintetizadores, além de orientar o som para que parecesse com o praticado por grupos como o Bon Jovi.

9) O disco “Appetite For Destruction” entrou nas paradas Hot 100 da Billboard em 2 de setembro de 1987. A banda ficou sabendo durante um show em um teatro de San Francisco, Estados Unidos, onde abriam para o The Cult. Slash, emocionado, gritou: “Conseguimos!”. Axl, com os pés no chão, respondeu: “Não fizemos nada ainda”.

Veja também:
Os clipes mais vistos de Britney Spears e a história por trás deles

10) As diferentes influências do Guns N Roses nessa época foram a pitada especial da banda em comparação às contemporâneas. Além de nomes clássicos do hard rock, como Led Zeppelin e principalmente Aerosmith, os músicos (especialmente Duff McKagan) também gostavam do punk rock dos Ramones e Sex Pistols. Por isso, deram uma dose de fúria ao hard rock tocado na época e se assemelharam um pouco ao Mötley Crüe, mas sem a pegada heavy metal do Crüe. Posteriormente, o gosto de Axl Rose por artistas como Elton John e Queen também apareceu como diferencial.

Compartilhar

Opiniões, curiosidades, resenhas, listas e sobre todos os tipos de música são o foco desta coluna, comandada por Igor Miranda, jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical. Contato: [email protected]