5 bandas que fizeram turnê de despedida, mas acabaram voltando

Quem nunca se arrependeu do que disse, que atire a primeira pedra. Mas em casos de grandes artistas, com forte exposição midiática, nem sempre é possível voltar atrás e ser compreendido.

As cinco bandas listadas abaixo anunciaram que encerrariam suas atividades ou que não fariam mais turnês, mas voltaram atrás em suas decisões. Alguns grupos retornaram de forma natural, enquanto outros parecem ter forçado a barra.

Veja:

The Who

A última turnê do The Who com o baterista Kenney Jones também seria a tour final da banda. Na ocasião, eles divulgavam o álbum “It’s Hard” e excursionaram de setembro a dezembro de 1982, pela América do Norte, após fazerem dois shows de aquecimento na Inglaterra.

Em um primeiro momento, Pete Townshend disse que levaria a turnê para o Reino Unido. Contudo, logo os músicos mudaram de ideia e anunciaram que aquela tour pela América marcaria o fim da banda.

O The Who só ficou adormecido por três anos: o grupo se reuniu pela primeira vez em 1985 e contou com retornos esporádicos nos anos de 1988, 1989, 1990, 1991 e 1994, até que, em 1996, retomaram as atividades em definitivo.

Black Sabbath

Antes da aposentadoria das turnês sacramentada em 2017, o Black Sabbath já havia tentado se retirar dos palcos. Em 1999, o grupo anunciou que faria uma turnê de despedida, por América do Norte e Europa.

Veja também:
Minissérie tenta melhorar imagem de Bobby Brown, ex-marido de Whitney Houston

Não houve, exatamente, um anúncio: a empresária Sharon Osbourne promovia, com o consentimento do grupo, o show sob a alcunha “The Last Supper”. Em um dos flyers, promete-se o último show nos Estados Unidos.

A ideia acabou não vingando. O Black Sabbath se “despediu”, mas voltou em 2004, quando tocaram no Ozzfest. Um novo hiato ocorreu a partir de 2006 e só foi encerrado em 2011, com a reunião que teria Bill Ward.

Antes disso, o vocalista do Sabbath, Ozzy Osbourne, já havia prometido se aposentar. Ele lançou, em 1992, a turnê “No More Tours” (“Sem mais tours”), mas voltou atrás da decisão em meados de 1994. Pouco depois, retornou com o disco “Ozzmosis”, em 1995.

Kiss

O caso mais indiscreto dessa lista. Após duas turnês com a formação original reunida, o KISS anunciou que encerraria suas atividades, mas, antes, realizariam a “Farewell Tour”. A excursão rodou pela América do Norte em 2000.

O contrato do baterista Peter Criss se encerrava após o último show de 2000, mas foram marcadas datas em 2001, na Ásia e na Austrália. Não foi possível renovar com Criss, então, Eric Singer assumiu o posto.

Em 2002, já sem Ace Frehley, mas com Peter Criss de volta, a banda anunciou que não se aposentaria. No ano seguinte, foi realizada a “World Domination Tour”, com o guitarrista Tommy Thayer no posto de Ace Frehley.

Veja também:
Anitta diz que já fez sexo a três e deixa apresentador sem graça

O contrato de Peter Criss, novamente, não foi renovado e ele deixou o Kiss. Em 2004, o grupo voltou com Eric Singer, além de Tommy Thayer. Em entrevistas, os líderes e remanescentes, Paul Stanley e Gene Simmons, explicaram que não queriam encerrar a banda, apenas se “livrarem” de Ace Frehley e Peter Criss.

Scorpions

Em 2010, o Scorpions anunciou que “Sting In The Tail” seria o último disco da banda. A turnê que o promoveria, na sequência, também seria a final da carreira do grupo.

A “Get Your Sting and Blackout World Tour” foi lançada e logo se tornou “Final Sting World Tour”. Durou de 2010 a 2012 e passou por Europa, Ásia e Américas do Norte e Sul – inclusive, com duas passagens pelo Brasil, em 2010 e 2012.

Contudo, nenhuma das declarações se confirmou. Ao longo da própria turnê, a banda disse que havia reconsiderado a decisão e que seguiria excursionando futuramente. Um novo disco, intitulado “Return To Forever”, chegou a público em 2015.

Judas Priest

Em 2011, o Judas Priest anunciou a “Epitaph World Tour”. Seria a última turnê da banda, com início em 2011 e fim em 2012. A tour passou por Américas do Norte e Sul, Europa e Ásia.

Antes da turnê ter início, o guitarrista K.K. Downing anunciou sua saída. O jovem Richie Faulkner, à época com 31 anos, o substituiu.

A decisão de encerrar as atividades foi reconsiderada. O Judas Priest anunciou que continuaria, antes mesmo da turnê chegar ao fim, graças à energia que Faulkner teria dado à banda. O grupo voltou a excursionar em 2014, para promover o disco “Redeemer Of Souls”.

Veja também:
A cantora de ópera que chocou um júri ao arrancar vestido e cantar AC/DC

Opiniões, curiosidades, resenhas, listas e sobre todos os tipos de música são o foco desta coluna, comandada por Igor Miranda, jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical. Contato: [email protected]