AC/DC: 33 anos de “Back In Black”

(Foto: Divulgação)

O disco que comemora 33 anos de lançamento nesta quinta-feira (25) pode ser definido como o divisor de águas da carreira do AC/DC. Após a morte de Bon Scott, no começo de 1980, os próprios integrantes remanescentes queriam acabar com a banda. Mas, seguindo o pensamento de que Scott gostaria que o grupo continuasse, seguiram em busca de um substituto. Brian Johnson, ex-vocalista do Geordie, impressionou e ficou com o microfone.

“Back In Black” conseguiu ter o que um disco com substituições deve ter: a essência do grupo sem copiar o passado. Era outra banda, com outro vocalista e compositor, com outras influências. Mas, paradoxalmente, era a mesma, com o mesmo rock n roll de sempre. Essa sensação só pode ser compreendida totalmente quando se escuta este petardo. A emblemática e pesada abertura “Hells Bells” mostra o sangue renovado do AC/DC, que tem a paulada “Shoot To Thrill” em seguida para confirmar o sucesso dessa nova fase.

A terceira faixa, “What Do You Do For Money Honey”, tem um grande refrão e segue o estilo AC/DC, assim como a frenética “Givin The Dog A Bone”. Na sequência, a grandiosa “Let Me Put My Love Into You” deixa uma dúvida no ar: por qual motivo essa música não virou um clássico? Andamento incrível, bom refrão, ótimas trilhas de guitarra e a cozinha feijão-com-arroz funcionando como sempre. Merecia mais atenção por parte da trupe dos irmãos Young.

Veja também:
Os clipes mais vistos de Britney Spears e a história por trás deles

No recheio do disco, os dois principais singles. A faixa que dá o nome do disco demonstra a reviravolta do grupo e se tornou um clássico instantâneo justamente por ter a assinatura de um clássico do AC/DC: grandes riffs, solos incríveis, letra interessante e boa performance vocal. “You Shook Me All Night Long” mantém a atitude mesmo sendo uma semi-balada e também adquiriu status de clássica.

A trinca de encerramento segura o nível altíssimo do que foi apresentado anteriormente. “Have A Drink On Me”, um pouco mais cadenciada, e “Shake A Leg”, que coloca um pé no acelerador, conservam a essência, principalmente pelo desfile de riffs por parte dos inspirados irmãos Young. “Rock And Roll Aint Noise Pollution”, grandiosa, não merece maiores comentários após a tradução de seu refrão: “rock and roll não é poluição sonora, rock and roll nunca irá morrer”.

O êxito comercial de “Back In Black” ultrapassou tudo o que já havia sido conquistado com Bon Scott. Hoje, o álbum é o terceiro mais vendido de toda a história da música, ficando atrás apenas de “Thriller”, de Michael Jackson, e “Dark Side Of The Moon”, do Pink Floyd. O renascimento do AC/DC colocou de vez o nome desses australianos na história: e com muito mérito.

Brian Johnson (vocal)

Angus Young (guitarra)

Malcolm Young (guitarra)

Cliff Williams (baixo)

Phil Rudd (bateria)

01. Hells Bells

Veja também:
Naiara Azevedo relembra época em que trazia mercadorias do Paraguai

02. Shoot To Thrill

03. What Do You Do For Money Honey

04. Givin The Dog A Bone

05. Let Me Put My Love Into You

06. Back In Black

07. You Shook Me All Night Long

08. Have A Drink On Me

09. Shake A Leg

10. Rock And Roll Aint Noise Pollution

Compartilhar

Opiniões, curiosidades, resenhas, listas e sobre todos os tipos de música são o foco desta coluna, comandada por Igor Miranda, jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical. Contato: [email protected]