Judas Priest faz a lição de casa e nada mais do que isso em novo disco

(Foto: Reprodução)

Judas Priest: “Redeemer Of Souls” (2014)

O Judas Priest estava, de certa forma, em dívida com os fãs. O último disco, “Nostradamus” (2008), foi bastante criticado por ser maçante – motivo pelo qual me afasto cada vez mais do heavy metal. A banda tentou mudar um pouco sua orientação e fez algo meio teatral, com participação de instrumentos de orquestra. Não rolou.

Em “Redeemer Of Souls”, a pedida foi a simplicidade. Faixas mais curtas e diretas marcam boa parte do trabalho. Os timbres são completamente metálicos, pesados e oitentistas. Richie Faulkner injetou sangue novo à parte autoral do grupo, comandada por ele, Glenn Tipton e Rob Halford.

Halford, aliás, soube se adaptar de forma interesse às suas limitações vocais. A banda colaborou, com o uso de afinações e tonalidades mais graves, o que contribui ainda mais para o desenvolvimento de um som pesado. As guitarras, em especial, se destacam nesse contexto, apesar de, em alguns momentos, a produção ser bastante abafada e de gosto exagerado – a guitarra de “Metalizer” beira o amadorismo em termos de captação. A cozinha mantém o seu trabalho bem feito, especialmente pela bateria por vezes enfurecida de Scott Travis.

Claro que a banda paga pelo preço de um passado quase irretocável. Algumas faixas dão a sensação de dèjá-vu. Especialmente no heavy metal, estilo que, por incrível que pareça, é muito limitado em termos de arranjo – ainda mais em gêneros mais tradicionais. Acho que alguns flertes com o hard rock, como o grupo fez por quase vinte anos até mergulhar de vez no heavy em “Painkiller”, tornaria “Redeemer Of Souls” um pouco mais dinâmico.

Veja também:
Em livro, Tina Turner revela tentativa de suicídio e fala de casamento conturbado

“Redeemer Of Souls” agrada, apesar dos pontos fracos anteriormente pontuados. Pode ser supervalorizado em algumas análises de outros resenhistas, especialmente porque a banda ficou devendo em “Nostradamus”. É um bom disco, mas está longe de ser um novo clássico. Não é a intenção da banda, também. O Priest atua em um nicho segmentado demais para procurar fazer um novo “British Steel”. Destaques para a abertura “Dragonaut”, a tipicamente heavy “March Of The Damned”, a arrastada “Hell & Back” e a sabbática “Crossfire”, de riff hipnotizante.

Nota 7

1. Dragonaut

2. Redeemer of Souls

3. Halls of Valhalla

4. Sword of Damocles

5. March of the Damned

6. Down in Flames

7. Hell & Back

8. Cold Blooded

9. Metalizer

10. Crossfire

11. Secrets of the Dead

12. Battle Cry

13. Beginning of the End

Compartilhar

Opiniões, curiosidades, resenhas, listas e sobre todos os tipos de música são o foco desta coluna, comandada por Igor Miranda, jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical. Contato: [email protected]