KISS: 40 anos do primeiro disco

(Foto: Reprodução)

KISS: “KISS”

Lançado em 18 de fevereiro de 1974

A prova de que o KISS realmente fez sua história por merecer é o perrengue pelo qual os integrantes passaram no início. O motorista de táxi Stanley Harvey Eisen (Paul Stanley) conheceu o professor de inglês Chaim Witz (Gene Simmons) em meados de 1970, por meio de um amigo em comum, Stephen Coronel.

Eles passaram a integrar, juntos, o Wicked Lester. A banda gravou o álbum de estreia mas nunca chegou a ser lançado de forma oficial na época e foi engavetado pela Epic Records. Nem depois, porque o trabalho foi comprado pela Casablanca Records (gravadora do KISS no momento da compra) por 137 mil dólares para, simplesmente, continuar engavetado.

Stanley e Simmons, não muito felizes com a proposta do Wicked Lester de um rock n roll mais leve e eclético, partiram para um novo projeto, onde o som seria mais pesado e com performances teatrais. Para isso, recrutaram o baterista Peter Criscuola III (Peter Criss) e o guitarrista Paul Daniel Frehley (Ace Frehley), que surgiram após anúncios em jornais e revistas.

Com o KISS formado, as maquiagens elaboradas de acordo com o alter-ego de cada integrante, concertos pelo circuito underground nova-iorquino e muitas estratégias de marketing, finalmente Neil Bogart, presidente da Casablanca Records, contrata o grupo para gravarem seu disco de estreia.

Gravado e mixado em menos de um mês, o play autointitulado já tinha todo o seu material composto antes de surgir o contrato. Mas, infelizmente, não foi bem recebido em seu tempo. Apenas com “Alive!”, de 1975, a banda sentiria o gosto do sucesso. Ainda passa despercebido àqueles que se iniciam no “mundo do rock” pois não é tão falado como “Alive!”, “Destroyer” ou “Love Gun” e não conta com uma boa produção. Ironicamente, os mesmos produtores (Richie Wise e Kenny Kerner) trabalharam no sucessor “Hotter Than Hell” e conseguiram piorar o processo.

Veja também:
Em livro, Tina Turner revela tentativa de suicídio e fala de casamento conturbado

Mas um disco que contém clássicos de seu início até seu fim já fala por si só. Hoje em dia, esta maravilha é cultuada por todos os fãs da banda e do rock em geral que deixaram de lado os plays já citados como donos dos holofotes. Aqui temos a origem do grupo e de vários clássicos que estiveram na maioria dos shows feitos por ele, como “Strutter”, “Black Diamond”, “Deuce”, “Firehouse” e “Cold Gin”. E não é por menos. O disco transmite energia e garra do início ao fim. É espontâneo, autêntico, agressivo e direto como um verdadeiro álbum de rock n roll deve ser.

Além das já citadas anteriormente, que dispensam comentários, menções honrosas ficam para a divertida “Let Me Know”, para o cover “Kissin´ Time”, para o primeiro single da banda “Nothin´ To Lose” e para a épica “100,000 Years”. Ou seja, destaquei tudo, menos o instrumental “Love Theme From KISS”. Clássico indiscutível.

Paul Stanley – vocal e guitarra base

Gene Simmons – vocal e baixo

Ace Frehley – guitarra solo

Peter Criss – vocal, bateria

Músico adicional:

Bruce Foster – piano em 2

01. Strutter

02. Nothin´ To Lose

03. Firehouse

04. Cold Gin

05. Let Me Know

06. Kissin´ Time

07. Deuce

08. Love Theme From KISS

09. 100,000 Years

10. Black Diamond

Veja também:
Luiza Possi revela que dorme de fralda: 'marido gosta'
Compartilhar

Opiniões, curiosidades, resenhas, listas e sobre todos os tipos de música são o foco desta coluna, comandada por Igor Miranda, jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical. Contato: [email protected]