Foto: Pexels

20 músicas famosas cujas letras têm significados inusitados

Algumas canções fazem tanto sucesso pelos mais diversos motivos que, por muitas vezes, nem sequer paramos para prestar atenção em suas letras. Outras, trazem versos misteriosos e seus verdadeiros significados permanecem em segredo para sempre – a não ser que seus autores revelem seus segredos.

Em qualquer das alternativas, a verdade é que tendemos a ouvir muitas canções – e gostar delas! – sem sabermos o que realmente elas estão querendo dizer. Pare e pense! Você conhecia o verdadeiro significado das músicas da lista a seguir?

Confira:

1) Nenhum de Nós – ‘Camila, Camila’

Em 1988, a música de trabalho do primeiro disco do grupo Nenhum de Nós, ‘Camila, Camila’ torna-se um hit nacional, chegando ao 3° lugar na parada brasileira e alavancando a carreira da banda. Talvez pelo refrão marcante, que repete incessantemente o nome da protagonista da canção, ou pela letra de cunho mais poético e misterioso, ninguém nunca entendeu realmente do que a música fala.

Em uma ocasião, em entrevista para a MTV, o vocalista do Nenhum de Nós, Thedy Corrêa, explicou o verdadeiro significado da canção: foi inspirada em uma triste história real de uma colega de escola dos membros da banda. A adolescente de apenas 17 anos estava em um relacionamento abusivo e era constantemente agredida pelo namorado violento.

“Acho importante num país como o Brasil fazer músicas desse tipo. Aqui é mais confortável fazer letras que estimulem o sexismo ou utilizem violência como ingrediente. Na real, acho que ninguém fala de abuso porque não vende. A questão está no que cada um acredita e quer”, explicou Thedy Corrêa na época.

2) John Lennon – ‘Imagine’

O grande sucesso do ex-Beatle é uma canção política e, de acordo com suas próprias palavras, é “praticamente um manifesto comunista”. A letra da canção não trabalha exatamente com duplo sentido e, quando você para pra pensar, ela é bastante direta em seus objetivos. O próprio John Lennon acreditava que a música com uma mensagem política tão clara não foi rejeitada por sua melodia cativante e frases otimistas, cantadas com uma voz suave.

3) Legião Urbana – ‘Pais e Filhos’

Clássico da MPB, ‘Pais e Filhos’ foi lançada oficialmente em 1989. Sua letra e melodia comove os fãs da Legião Urbana desde seu lançamento, tornando-se uma das canções mais pedidas pelo público nos shows e apresentações enquanto Renato Russo estava vivo.

Certa vez, em 1994, durante participação no ‘Programa Livre’, do SBT, Renato Russo perdeu as estribeiras e desabafou com o público: “Escuta! Vocês sabem que essa música é sobre suicídio, né? Porque todo mundo pede música da Legião e fica um auê, entendeu? Essa música é muito, muito séria”, disse ele na época, na atração comandada pelo apresentador Serginho Groisman.

De fato, o tema da composição fica explícito logo em um de seus primeiros versos: “Ela se jogou da janela do quinto andar”.

Confira o depoimento de Renato Russo no ‘Programa Livre’:

4) Leoni/Kid Abelha – ‘Como Eu Quero’

Por ter sido gravada em tom brando na voz de Paula Toller e em ritmo de balada, um dos sucessos do Kid Abelha acabou sendo mal interpretado pelo público ao longos dos anos. Enquanto as pessoas acreditam que se trate de uma música de amor, a realidade é bastante diferente.

A expressão-título, no entanto, significa “eu quero você do meu jeito” – ou seja: a música fala de um relacionamento abusivo, onde o eu-lírico busca mudar a pessoa amada para que ela se torne perfeita aos seus olhos.

O músico Leoni, um dos autores da canção, já explicou sobre os verdadeiros significados de ‘Como Eu Quero’ em entrevistas do passado. “A ideia da letra surgiu por causa de um amigo meu e da Paula [Toller] que tinha sérios problemas com a namorada. Ela queria transformá-lo, que parasse de tocar e de compor para fazer uma coisa ‘mais séria'”, relatou.

“E a música fala exatamente disso: ‘de como eu quero’, ‘você tem que ser do jeito que eu quero’ e não ‘te desejo tanto’ como muita gente confunde”, esclarece o cantor. Em um de seus álbuns solo, ‘Ao Vivo’ de 2005, Leoni chegou a regravar a canção com um novo arranjo, de maneira a facilitar o entendimento da verdadeira mensagem da canção.

5) The Police – ‘Every Breath You Take’

De maneira bastante parecida com o caso anterior, ‘Every Breath You Take’, lançada originalmente pelo The Police em 1983, também é um famoso caso de interpretação errônea. Ao redor do mundo, a música é recordista nas escolhas para ser tocada em cerimônias de casamento, pois acredita-se que ela verse sobre uma linda história de amor.

Segundo as palavras do próprio Sting, compositor da canção, as pessoas entenderam tudo muito errado e a música fala sobre um relacionamento abusivo. “É uma canção fruto da experiência de ciúme e possessividade. Uma canção sinistra, perversa, disfarçada em um contexto romântico”, disse ele certa vez em uma entrevista de rádio.

6) Maria Bethânia – ‘Cheiro de Amor’

Um dos maiores sucessos da carreira de Maria Bethânia e para a história da MPB, ‘Cheiro de Amor’ não tem exatamente um significado oculto: ela, de fato, fala sobre uma paixão avassaladora. A curiosidade, no entanto, é que a canção foi escrita originalmente como jingle publicitário para um motel.

Veja também:
Xand Avião é condenado a pagar R$ 15 mil por chamar homem de 'corno'

O jingle, escrito por Duda Mendonça, não falava o nome do motel e apenas retratava uma história de amor de um casal. A assinatura ‘Le Royale’ aparecia apenas no final e a propaganda acabou bombando nas rádios da cidade de Salvador (BA) no ano de 1979.

Maria Bethânia, ao chegar na cidade e ligar o rádio, se encantou pela canção e pediu autorização para gravá-la. “Num belo dia recebi o telefonema de Maria Bethânia. Ela perguntava se eu a autorizava a gravar aquele jingle em seu novo disco, ‘Mel’. Quase caí da cadeira. ‘É claro que sim Bethânia, com todo prazer’. Foi o que consegui balbuciar. E foi assim que a música ‘Cheiro de Amor’ entrou para as paradas de sucesso”, contou Duda Mendonça em seu livro auto-biográfico.

7) Roberto Carlos – ‘Negro Gato’

Gravada originalmente em 1966, durante a primeira fase da Jovem Guarda, ‘Negro Gato’ é uma das músicas mais conhecidas de Roberto Carlos e foi regravada inúmeras vezes por outros artistas ao longo dos anos. Curiosamente, o próprio Roberto passou mais de 30 anos sem incluir a canção em seu repertório graças ao seu conhecido Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

‘Negro Gato’ é uma versão em português para ‘Three Cool Cats’ (Jerry Leiber e Mike Stoller) e é a música de maior sucesso do compositor Getúlio Côrtes – na época, apenas um amador. Desde o lançamento na voz de Roberto, a canção é vista como uma crítica social e, ainda nos dias de hoje, é vista como um hino sobre a desigualdade e o racismo no Brasil.

Acontece que a intenção do compositor não era exatamente essa. Em inúmeras entrevistas ao longo dos anos, Getúlio já explicou o verdadeiro significado de ‘Negro Gato’ e, surpreendentemente, a música é sobre… um gato preto!

“O gato tem uma história… eu morava em Madureira numa casa. O meu quarto tinha um teto de zinco e ficava lá um gato preto andando em cima do teto e miando. Cara, já imaginou gato andando em cima de teto de zinco, a barulheira que é? E isso toda madrugada. Duas horas da manhã, ele tava lá enchendo meu saco”, contou o autor em uma entrevista.

“Eu tacava pedra, não adiantava nada. Só que um dia ele ficou me olhando no escuro, aqueles dois olhos me olhando no escuro. E me pus no lugar dele: pô, todo mundo diz que o bicho dá azar, machuca o gato. Aí fiz uma música em homenagem a ele”, completou Getúlio.

8) Banda Eva/Rádio Táxi – ‘Eva’

A gente está tão acostumado a dançar e cantar ‘Eva’ com muita alegria durante o Carnaval que muita gente nunca parou pra prestar atenção no que a música realmente fala, não é mesmo? Apesar de ser popular na voz da Banda Eva (e ser a responsável pelo sucesso meteórico da cantora Ivete Sangalo), a versão original dessa canção foi escrita em italiano e gravada pelo grupo Rádio Táxi, em 1983.

O significado nem é tão oculto assim, a gente só não tava prestando atenção direito. Leia a letra e repare: a música fala claramente sobre o fim do mundo. Com muitas referências bíblicas, o eu-lírico da canção está se declarando para sua amada enquanto o planeta se despedaça bem diante dos seus olhos.

O momento histórico em que a música foi escrita é fundamental para entender seus significados: na época, o mundo vivia o período que ficou conhecido como a Guerra Fria. Um dos principais pesadelos no imaginário popular eram as ameaças de bombas atômicas que acabariam com todo o planeta ao simples apertar de um botão.

9) Cranberries – ‘Zombie’

‘Zombie’, lançada em 1994, foi inspirada na história real da morte de duas crianças na Inglaterra. Tim Parry, de 12 anos, e Johnathan Ball, de 3, foram vítimas de duas bombas em um ataque terrorista que deixou outras 50 pessoas feridas em 1993.

A canção foi composta pela vocalista do Cranberries, Dolores O’Riordan, e faz claras alusões diretas ao atentado, apesar de muita gente nem sequer perceber. A música faz referência à violência que assolou a Irlanda do Norte durante décadas, particularmente as de 70 e 80, pelos combates entre as tropas britânicas e os nacionalistas irlandeses.

10) Pearl Jam – ‘Jeremy’

A letra de ‘Jeremy’ foi escrita pelo vocalista Eddie Vedder em meados de janeiro de 1991. A principal inspiração vem de uma história real: o músico leu uma notícia de jornal sobre um adolescente de 15 anos, Jeremy Wade Delle, que cometeu suicídio com um tiro na boca diante de toda a sua turma e da professora no colégio.

Em uma entrevista de 2009, Eddie Vedder explicou que tinha o objetivo de usar a história como uma forma de alertar para os riscos dos problemas de saúde mental nos jovens. “Precisava pegar aquela pequena notícia de jornal e transformá-la em algo que causasse uma reação, transformar em algo maior”, disse.

11) Ira! – ‘Pobre Paulista’

Desde que foi lançada em 1986, o Ira! vinha sofrendo acusações de que ‘Pobre Paulista’ seria racista e xenofóbica, tratando com preconceito da chegada do povo nordestino ao sudeste do país. Depois de tantos anos tentando negar e fugindo da polêmica, o vocalista Nasi admitiu que a música foi escrita com esses objetivos.

Veja também:
MC Gui chora em 1ª entrevista após vídeo polêmico de bullying com criança

“Eu olhava essa música e tinha uma outra leitura sobre ela. Eu achava que era sobre rebeldia juvenil, sobre a opressão… Quando nosso clima estava ruim, eu estava num bar com minha ex-namorada e um casal de amigos, depois de um show do ‘Acústico MTV’. Apareceu o Edgard [Scandurra, autor da música] bem na hora que o meu amigo estava falando sobre ‘Pobre paulista'”, começou ele em papo com a revista ‘Trip’ em 2008.

“O Edgard senta na mesa e diz assim: ‘Olha, não é nada disso, não tem nada dessa história de rebeldia juvenil. Realmente é um preconceito contra a invasão de nordestinos, era o que eu estava pensando na época e foi isso o que eu quis dizer mesmo, eu não aguentava essa coisa de música baiana, de Caetano, de Gil’. Puta que o pariu, defendi durante anos essa letra, carreguei essa cruz. Agora, naquele dia, eu saí de lá falando assim ‘eu nunca mais canto essa música'”, revela o cantor.

O próprio Edgard Scandurra, no entanto, continua negando e sustenta a versão de que a música foi mal compreendida. Ele acredita que, de fato, a letra da canção dá margem para a interpretação do preconceito, mas garante que esse não era seu objetivo.

Veja:

12) Eagles – ‘Hotel California’

A letra de ‘Hotel California’ foi escrita por Don Felder, Don Henley e Glenn Frey. A canção relata uma história de um viajante cansado da estrada. O personagem acaba ficando preso em um hotel de luxo que, aparentemente, parecia o lugar dos sonhos. No entanto, a situação vira um verdadeiro pesadelo.

Desde o lançamento da música, a letra de ‘Hotel California’ vem intrigando muita gente ao redor de todo o mundo. A canção foi considerada obscura e muita gente chegou a acreditar que ela falasse sobre o diabo. Com isso, o que mais surgiram foram teorias a respeito de qual seria o “real sentido” da canção.

Algumas pessoas defendem que o “Hotel Califórnia” citado na música seja uma referência indireta à uma clínica de psiquiatria que existiu na vida real. O hospício se chamava ‘Camarillo State Hospital’ e se localizava entre as cidades de Los Angeles e Santa Barbara, nos Estados Unidos. Esse estabelecimento funcionou entre 1963 e 1997. Enquanto esteve aberto, o hospital recebeu diversos artistas que sofreram com problemas mentais, tuberculose ou até mesmo abuso de álcool e drogas.

Já uma segunda teoria acredita que o hotel realmente existiu. No entanto, esse local seria administrado por pessoas que tinham hábitos alimentares canibais. Pra piorar, eles se alimentavam dos hóspedes!

Uma terceira teoria é uma das mais conhecidas em todo o mundo e também é a que mais gera polêmica até os dias de hoje. Algumas pessoas acreditam que a letra de ‘Hotel California’ é, basicamente, uma metáfora para o inferno católico. Acredita-se, também, que a música serve como “adoração ao diabo”.

Uma última teoria pensa diferente e acredita que a música fale, metaforicamente, sobre a dependência química. Os teóricos defendem que o “Hotel Califórnia” seria um código para cocaína. Dessa forma, a canção descreveria os efeitos da droga.

Um dos autores da letra de ‘Hotel California’, Don Henley, já se manifestou oficialmente sobre as teorias. Em entrevista, ele desmentiu todas elas e afirmou que “a canção é uma alegoria sobre o hedonismo e relata o lado sombrio do sonho americano e sobre os excessos na América, principalmente no mundo da música”.

Ele completa explicando que o álbum faz uma alusão à “corrupção das estrelas do rock pela decadente indústria fonográfica de Los Angeles” e a letra de ‘Hotel Califórnia’ descreveria “uma prisão dourada onde o artista entra livremente e depois descobre que não pode mais sair”.

13) Queen – ‘Bohemian Rhapsody’

O hino histórico do Queen vem marcando gerações e é uma das canções mais amadas de todos os tempos desde seu lançamento, em 1975. De letra bastante complexa e pra lá de misteriosa, os seus verdadeiros significados jamais foram revelados por nenhum dos membros da banda, que optaram por guardar os segredos de Freddie Mercury – em vida, ele se recusava a responder qual era o verdadeiro significado da canção e se limitava a dizer que tratava de “relacionamentos”.

O guitarrista Brian May já apoiou declarações de que a música contém referências veladas aos traumas pessoas de Freddie Mercury. Certa vez, ele disse em entrevista: “Freddie era uma pessoa muito complexa: irreverente e divertido por fora, mas cheio de inseguranças e problemas relacionados à sua infância. Ele nunca explicou a letra, mas eu acho que ele colocou muito de si mesmo naquela canção”.

Entre as teorias mais aceitas entre fãs e analíticos da letra, muita gente acredita que ela fale sobre a escolha de Freddie Mercury em se assumir homossexual e, consequentemente, sofrer muito com as leis da época com relação a esse tipo de prática. Outros simplesmente acreditam se tratar apenas de “um monte de bobagem aleatória que rima sem sentido”.

14) Rihanna – ‘Love On The Brain’

‘Love On The Brain’ é uma das canções do oitavo álbum de estúdio da cantora barbadiana Rihanna, o ‘Anti’ – o último lançado por ela até o momento, em 2016. A música foi altamente bem recebida pela crítica e é uma das preferidas do disco dentre os fãs. Por trazer uma batida com influências do soul dos anos 1950 e simplesmente por trazer a palavra ‘Amor’ na letra, o público tende a pensar que seja apenas uma canção romântica.

Veja também:
10 curiosidades sobre a vida e carreira de Roberto Carlos

O trecho ‘It beats me black and blue but it f*cks me so good. And I can’t get enough’ [‘Ele me bate e me deixa cheia de hematomas, mas me f*de tão bem. E não me canso’] é a parte que deixa mais clara as verdadeiras intenções da letra da música: ela versa sobre uma mulher que se sente presa a um relacionamento abusivo e violento.

Por ser uma composição da própria Rihanna, há quem acredite que a música seja sobre sua própria experiência dentro de um relacionamento abusivo, quando foi agredida fisicamente pelo seu então namorado, o rapper Chris Brown, em 2009.

15) Rolling Stones – ‘Brown Sugar’

Um dos grandes sucessos do Rolling Stones, ‘Brown Sugar’ é um caldeirão de temas polêmicos: escravidão, estupro e sexo inter-racial são apenas alguns deles. A música foi escrita originalmente por Mick Jagger em 1969 e lançada em 1971. Mesmo com uma letra tão controversa, conseguiu atingir o topo das paradas na época do lançamento.

Enquanto muita gente curte a canção pensando se tratar apenas de uma paixão de um homem branco por uma mulher negra, a letra fala sobre o estupro de jovens negras e escravas pelos patrões brancos, na cidade de Nova Orleans. Em 1995, Mick Jagger falou sobre a canção e disse que se arrependeu de ter escrito a letra de maneira tão crua sobre assuntos tão pesados.

16) Smashing Pumpkins – ‘Today’

Lançada em setembro de 1993, ‘Today’ é um dos sucessos do grupo The Smashing Pumpkins. A canção foi escrita pelo vocalista da banda, Billy Corgan. A canção, apesar de soar otimista, tem a letra bastante sombria. O autor da música a escreveu em um momento delicado de sua própria saúde mental.

A canção fala sobre um dia em que ele estava tendo muitos pensamentos suicidas. A parte negativa da música é exemplificada na clara referência à auto-mutilação no refrão. As frases positivas foram escritas para serem interpretadas como irônicas – mas acabaram se tornando sucesso de legendas em fotos do Instagram. O instrumental suave da canção também ajudou a criar a falsa sensação na maioria dos ouvintes que não faz a menor ideia de que ela trate de depressão e desespero.

“É basicamente uma música sobre o quanto eu queria me matar, mas ninguém nunca percebe isso pois eles ficaram obcecados com os versos positivos. Se você parar para realmente ouvir, a música tem muito mais negatividade. Mas claro, nesse ponto da minha vida, se tornou uma música positiva porque é sobre sobrevivência”, disse Billy Corgan em uma entrevista à revista Rolling Stone em 1993.

17) Aqua – ‘Barbie Girl’

Citar o nome da boneca mais famosa do mundo aliado a um ritmo totalmente dançante deu muito certo para o sucesso de ‘Barbie Girl’, do grupo dinarmaquês Aqua, em 1997. Para a verdadeira compreensão da letra, no entanto, o público passou batido.

Enquanto todo mundo pensa que a música é sobre bonecas, ela traz uma reflexão social e fala sobre as mulheres serem usadas como objetos sexuais para atenderem os desejos masculinos.

Para os ouvintes brasileiros a situação ainda piorou em 2005, quando a cantora pop Kelly Key gravou sua própria versão da música, com letra em português que não manteve nem um pouquinho da crítica original.

18) Foster the People – ‘Pumped Up Kicks’

A música do grupo Foster the People fez tanto sucesso nas baladas ao redor do mundo e tem um ritmo tão dançante que as pessoas simplesmente não quiseram prestar atenção na letra – que é pesadíssima. A canção trata de uma criança pra lá de problemática que tem problemas com seus colegas de escola e planeja uma vingança sangrenta.

Em um trecho, o personagem da canção chega a encontrar uma arma no armário do pai e pretende utilizá-la contra as outras crianças.

19) Nirvana – ‘Polly’

Escrita propositalmente por Kurt Cobain de forma a dar a impressão de que a música falava sobre um papagaio, a história por trás da letra é muito mais sombria e é baseada em uma história real. O músico teve a ideia de escrevê-la após ver uma triste notícia no jornal, sobre o sequestro, tortura e estupro de uma jovem de 14 anos.

A menina foi mantida em cativeiro após ser capturada enquanto voltava de um show na cidade de Washington, nos Estados Unidos. A canção foi escrita por volta de 1988 e lançada em 1991, no icônico álbum ‘Nevermind’.

20) Sia – ‘Chandelier’

Um dos maiores sucessos de 2014, chegando a ser considerada como a melhor música do ano, a faixa ‘Chandelier’, da compositora Sia Furler, tem uma letra pesada que quase ninguém parou pra prestar atenção enquanto dançava muito nas boates.

A melancólica letra traz os pensamentos de uma “garota festeira” que racionalizou o alcoolismo como uma coisa normal em sua vida. A crítica social da canção aponta para o uso cada vez maior de álcool e drogas por parte dos jovens e fala dos sentimentos de dor que a vida hedonista pode trazer a longo prazo.