‘Slippery When Wet’, o disco responsável por mostrar o Bon Jovi ao mundo

Antes de “Slippery When Wet”, o Bon Jovi era uma boa banda de hard rock. E só. Tinha seus momentos, mas, no geral, o grupo fazia um tipo de som não tão comercial. Por vezes melódico demais, o quinteto apostou, em seus dois primeiros discos, em passagens manjadas e produções oitentistas demais, com teclado na linha de frente e músicas de trabalho indefinidas.

O diferencial do Bon Jovi só veio em “Slippery When Wet”, lançado em 18 de agosto de 1986. E não foi apenas em função dos músicos envolvidos: o produtor Bruce Fairbairn e o compositor Desmond Child fizeram a diferença em todo o processo. Ambos os profissionais deram a orientação pop que o grupo precisava para atingir o objetivo de estourar mundialmente.

Conscientes de que a medida poderia transformar a banda em uma potência do rock, os músicos do Bon Jovi não economizaram em empenho. Com Desmond Child, o grupo compôs 30 músicas e as tocou para adolescentes de Nova Jersey e Nova York. A ideia era ter a opinião deles, que, até então, formavam a base de fãs.

Com um norte mais definido, a banda intensificou os trabalhos e chegou ao resultado final, com 10 hits em potencial. Parece exagero, mas não é: em “Slippery When Wet”, todas as canções poderiam ser lançadas como single.

A evolução do Bon Jovi em “Slippery When Wet” não acontece só no repertório, como também na execução. Jon Bon Jovi usa melhor a própria voz, Richie Sambora passa a desenvolver ganchos e riffs de guitarra como ninguém – além de aparecer mais como backing vocal principal -, David Bryan parece aprender os momentos ideais para que seu teclado apareça e tanto o baixista Alec John Such quanto o baterista Tico Torres fazem o que uma cozinha deve fazer: dar sustentação.

Veja também:
Escultura aparece com pichação do Kiss na Catedral de Santiago de Compostela

Após uma introdução climática de quase um minuto, com guitarra e teclados, a pesada “Let It Rock” abre o disco. A faixa não resume a proposta de “Slippery When Wet”, justamente por ser a mais densa da tracklist em pegada, performance e tonalidade. Boa música.

Na sequência, o hino arena rock “You Give Love A Bad Name” mostra o diferencial da presença de Desmond Child. A canção, feita por ele originalmente para Bonnie Tyler, chegou a ser lançada com versos diferentes e o título “If You Were a Woman (And I Was a Man)”. Não fez sucesso. Nas mãos do Bon Jovi, a música parece ter se encontrado – e o próprio Bon Jovi, aqui, encontrou a sua fórmula ideal, que é trabalhar o hard rock no limite aceitável do pop.

O mega-hit “Livin´ On A Prayer”, que vem a seguir, quase não entrou no disco. Jon Bon Jovi não estava convencido de que a música era boa o suficiente, mas Richie Sambora insistiu que a canção deveria entrar. Entrou e fez história, pois é o single de maior sucesso da história do grupo.

As duas próximas faixas destacam Richie Sambora. Enquanto a boba/divertida “Social Disease” evidencia a pegada de Sambora na guitarra, a climática “Wanted Dead Or Alive” mostra como o músico é preciso no violão. Apesar de ter se tornado um dos momentos de Sambora nos palcos, a canção foi feita em boa parte por Jon Bon Jovi, que admitiu, durante um show em 2008, que se inspirou bastante em “Turn The Page”, de Bob Seger, durante o processo de composição.

Veja também:
Gusttavo Lima relembra casa de pau a pique e incêndio na infância

“Raise Your Hands” reúne todos os clichês possíveis em sua letra e, ainda assim, é divertida. O riff principal, o refrão pegajoso e o instrumental do solo de guitarra se destacam por aqui. Guiada pelos teclados de David Bryan, a semi-balada “Without Love” poderia ter um refrão melhor, mas é uma boa canção.

Arena rock de primeira, “I´d Die For You” é o momento que mais remete aos dois primeiros discos do Bon Jovi, especialmente por ser comandada pelos acordes cheios de David Bryan. Na sequência, a arrastadíssima balada “Never Say Goodbye” e a grudenta “Wild In The Streets” dão um fim tipicamente oitentista a “Slippery When Wet” – são duas músicas claramente datadas, mas ainda assim atraentes.

“Slippery When Wet” foi um disco planejado para seu fim: fazer muito sucesso. O trabalho chegou ao topo das paradas de sete países, incluindo os Estados Unidos, onde mais de 12 milhões de cópias foram vendidas até os dias de hoje. Estima-se que o número mundial de comercializações gire em torno de 30 milhões. Foi o início da construção de uma potência no rock.

Em uma década de excessos, o Bon Jovi mostrou, com “Slippery When Wet”, que a fórmula do sucesso não muda – e ela não aborda os virtuosismos instrumentais/vocais que algumas bandas de hard rock daquela época apresentavam. Por mais que este álbum reproduza clichês à exaustão, basta saber como fazer boas músicas. Será difícil não agradar dessa forma.

Veja também:
Os 100 melhores clipes do século 21, segundo a Billboard

Jon Bon Jovi (vocal, guitarra, violão)

Richie Sambora (guitarra, violão)

Alec John Such (baixo)

Tico Torres (bateria)

David Bryan (teclados)

1. Let It Rock

2. You Give Love A Bad Name

3. Livin´ On A Prayer

4. Social Disease

5. Wanted Dead Or Alive

6. Raise Your Hands

7. Without Love

8. I´d Die For You

9. Never Say Goodbye

10. Wild In The Streets

Veja também:

Ouça a voz de Jon Bon Jovi isolada nas músicas do Bon Jovi

15 bons discos de hard rock da 2ª metade da década de 1990

#comentários

Compartilhar