Fotos: Reprodução/YouTube

A morte de Tim Maia, que passou mal ao subir no palco para show na TV

Tim Maia, um dos grandes cantores da história do Brasil, morreu em 15 de março de 1998, aos 55 anos. O artista, que nos deixou cedo, faleceu uma semana após passar mal durante um show e lidava com uma série de problemas, tanto de saúde – que ocasionaram em um choque séptico como causa da morte – quanto financeiros.

O carioca Sebastião Rodrigues Maia, nascido em 28 de setembro de 1942, era intempestivo na mesma medida de seu talento. Na década de 90, a “conta” por tantos excessos, físicos e de personalidade, foi cobrada.

A obesidade do cantor se agravou, com seu peso chegando a 142 kg em 1996, e os anos de consumo de drogas e álcool se refletiram não só em sua performance nos palcos, como em sua saúde.

Além disso, Tim era notável por não comparecer a shows – chegou a ser banido de programas da Globo após faltar a uma apresentação no programa ‘Domingão do Faustão’ em 1993 – e ter uma relação complicada com os músicos de sua banda, contratantes e empresários. Ele fundou até uma editora musical, Seroma, e uma gravadora, Vitória Régia, para trabalhar de forma independente e não lidar com tantos intermediários.

Tudo isso resultou em problemas de saúde, muitos deles não diagnosticados previamente pela falta de exames médicos e os devidos cuidados, e financeiros, já que era cada vez mais difícil trabalhar com um artista que nem sempre comparecia aos próprios shows e tinha brigas notáveis com outras figuras do meio.

Até mesmo a situação de Tim no mercado fonográfico foi afetada, já que seus últimos trabalhos não venderam tão bem e, conforme relata Nelson Motta no livro biográfico ‘Vale Tudo’, caixas de discos que não eram vendidos se acumulavam na gravadora.

Ainda de acordo com a obra literária, Tim Maia parecia estar “de saco cheio” de muitas coisas em seu último ano de vida. Idealizava projetos e logo os abandonava, como sua candidatura a senador pelo modesto Partido Socialista Brasileiro (PSB), e deixava seus compromissos e dívidas de lado para investidas curiosas, como um show nos Estados Unidos que acabou não reunindo tantas pessoas e uma viagem de limusine por vários estados do país – inclusive para a região onde residiu e até foi preso na juventude.

Após ser o protagonista de um especial de Ano Novo na televisão, pela Rede Mulher, na virada de 1997 para 1998, Tim Maia voltou a trabalhar de forma mais focada em sua carreira – algo necessário até mesmo para arcar com as dívidas que estavam se transformando em processos e até intimações judiciais.

Logo no início de 1998, fez apresentações nos festivais Planeta Atlântida (Rio Grande do Sul e Santa Catarina) e agendou uma gravação de um especial para o canal de TV por assinatura Multishow, no Teatro Municipal de Niterói, em 8 de março de 1995.

A apresentação para o Multishow seria a sua última – e nem dá para dizer que aconteceu de verdade. O show estava previsto para ser iniciado às 20h, todavia, a banda Vitória Régia só começou a tocar meia hora depois, por volta das 20h30. Os músicos fizeram a introdução de ‘W Brasil’ por 5 minutos até que, finalmente, Tim Maia apareceu.

Veja também:
A morte de Janis Joplin: do local da tragédia às polêmicas sobre a causa

Havia algo de errado com Tim Maia. A figura imponente e o traje elegante do cantor não disfarçavam seu olhar atordoado. O rosto dele estava tomado por suor. Ele até tentou começar a música ‘Não Quero Dinheiro’, mas depois do segundo “vou pedir…”, Tim pediu… para sair. Apenas fez um sinal para a plateia e deixou o palco.

Veja o momento:

No microfone, foi avisado que Tim Maia não estava bem, mas retornaria em 15 minutos. Acabou não voltando. Médicos na plateia foram convocados para atendê-lo e perceberam que ele havia sofrido uma crise de hipertensão. Chegada a ambulância, foi constatado que ele teve uma parada cardiorrespiratória, revertida com massagens e remédios, além de uma embolia pulmonar.

O cantor foi internado no Hospital Antônio Pedro, em Niterói, em estado gravíssimo. Foi colocado em coma induzido, para não rejeitar os tubos, e, inicialmente, até apresentou uma melhora no quadro clínico. Dessa forma, os médicos reduziram a dosagem dos remédios para ele acordar. Porém, o caso voltou a se agravar e ele teve uma hemorragia digestiva.

A infecção avançou e ele não resistiu. Tim Maia morreu no dia 15 de março de 1998, exatamente às 13h03, de um choque séptico – quando o organismo sofre um colapso devido a uma infecção. Embora seja essa a causa da morte, o cantor também teve os problemas citados: crise de hipertensão, parada cardiorrespiratória, embolia pulmonar e hemorragia digestiva, todos controlados previamente.

Sebastião Rodrigues Maia, o Tim Maia, foi enterrado no cemitério do Caju, no centro do Rio de Janeiro, cidade onde nasceu e que tanto amava. Veja, abaixo, uma reportagem da época, feita pelo ‘Jornal Nacional’ que contou sobre o falecimento, velório e enterro.

Veja também:
Morte de Claudinho, da dupla com Buchecha, parou o Brasil em 2002

Igor Miranda é jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical.

Compartilhar