Foto: divulgação

The Night Flight Orchestra: a banda de rock para viajar no tempo e dançar

O rock and roll sempre evoluiu, apresentando novas bandas e vertentes. Na verdade, é o surgimento dessas novidades que torna o universo das guitarras distorcidas tão legal e atraente. Afinal de contas, imagine que chato seria o mundo se não tivesse surgido nenhuma banda após os Beatles? Pois bem, depois que o rock se popularizou, inúmeros estilos começaram a aparecer, alguns deles misturando elementos de outros gêneros musicais. Geralmente, essa fórmula rende bons resultados – e o assunto de hoje é uma banda que apostou em uma mistura inusitada, mas que se mostra muito eficiente até o momento. Senhoras e senhores, com vocês, The Night Flight Orchestra!

Veja também:
Angels Cry, o maior trabalho do Angra e do saudoso Andre Matos

Formação do The Night Flight Orchestra

A banda foi formada em 2007, quando o vocalista Björn Strid e o guitarrista David Andersson, ambos integrantes do Soilwork decidiram montar um projeto que trouxesse de volta a magia das décadas de 1970 e 1980. Para completar o time, recrutaram o baixista Sharlee D´Angelo, que toca no Arch Enemy.

Para quem não conhece as referências musicais dos três, tanto o Soilwork quanto o Arch Enemy são bandas muito conceituadas no universo do metal e executam um som extremamente pesado e complexo.

O tecladista Richard Larsson e o baterista Jonas Källsbäck completaram a primeira encarnação do grupo. Alguns anos depois, Sebastian Forslund entrou na banda para tocar guitarra e percussão. Finalmente, em 2017, Anna-Mia Bonde e Anna Brygård foram efetivadas como cantoras de apoio.

Influências

É claro que a união de músicos de heavy metal leva a crer que a intenção inicial seja escrever músicas pesadas. Porém, o The Night Flight Orchestra deixa as guitarras distorcidas, a bateria insana e os berros enlouquecidos um pouco de lado. Ao invés de tudo isso, o grupo investe pesado nos teclados, vozes mais amenas, ritmos dançantes e um clima muito agradável. A sensação que se tem ao ouvir qualquer música é a de estar dentro de um filme dos anos 1980.

Além do rock clássico, o som da banda incorpora muitos elementos de progressivo, hard rock, AOR (adult oriented rock, estilo que consagrou nomes como Journey, Kansas, Survivor e Asia), e até mesmo do pop radiofônico que dominava as estações de rádio há três décadas. É até estranho falar isso, mas enquanto algumas músicas lembram Deep Purple, outras remetem a Tears For Fears. O mais legal disso tudo é que mesmo fazendo um tributo ao passado, a banda não soa datada ou caricata em nenhum momento.

Toda essa gama de influências deixa o som da banda extremamente versátil, indo de músicas de pista de dança para o rock progressivo sem muita dificuldade. É claro que esse tipo de som exige qualidade, e o gabarito dos músicos envolvidos garante a excelência na execução das canções.

Outro ponto interessante é que várias letras escritas pela banda falam sobre aviação e viagens no geral.

Discografia

O primeiro disco, “Internal Affairs”, foi lançado em 2012 e apresenta muito bem a proposta da banda, alternando músicas agitadas com outras mais progressivas. Ainda há espaço para as baladas românticas. Um belo cartão de visitas!

Após a boa repercussão do disco de estréia, em 2015 nasceu “Skyline Whispers”, que mantém o ótimo trabalho do primeiro disco.

Naquele ponto, o The Night Flight Orchestra mostrou que não era apenas uma brincadeira entre músicos amigos, mas uma banda que veio para ficar.

O sucesso, contudo, chegou no terceiro disco, “Amber Galactic”, de 2017. O nome da banda estava consolidado na cena do rock and roll atual e músicas como “Midnight Flyer”, “Domino”, “Jennie”, “Josephine” e “Something Mysterious” mostraram toda a capacidade da banda de compor melodias que grudam na cabeça na primeira audição.

Provando que a banda é uma usina de criatividade, em 2018 é lançado o quarto trabalho, intitulado “Sometimes The World Ain’t Enough”, que tal qual seu antecessor, foi indicado ao Grammy Sueco na categoria Rock/Metal.

Assim como nos discos anteriores, existe muita variação entre as músicas, além do alto padrão de qualidade das composições.

Vale destacar também a produção dos vídeos da banda, que são verdadeiras viagens.

Recentemente, foi lançada a ótima “Satellite”, o que pode ser sinal de um novo lançamento, e certamente, deixou os fãs ansiosos.

Apresentações ao vivo

Os shows da banda são um espetáculo. Além do figurino peculiar, as harmonias vocais transformam o palco em uma máquina do tempo. A plateia também costuma se divertir bastante!

No geral, o The Night Flight Orchestra é um suspiro em meio ao mar de monotonia e radicalismo que domina o rock and roll e principalmente o heavy metal. Que outras bandas se espelhem na coragem de Björn Strid, e comecem a ampliar os horizontes. Afinal, o rock precisa de coisas novas, e sobretudo, se conectar com outros universos.

De longe, o The Night Flight Orchestra é uma das coisas mais legais, criativas e inovadoras que apareceram nos últimos anos. Se você não conhece, aproveite a oportunidade. Se você já conhece, sorte a dos seus ouvidos!

Aperte o play, dance, viaje no tempo e divirta-se!

Até a próxima semana!

*O texto não reflete, necessariamente, a opinião do Revista Cifras.

Listas, resenhas, curiosidades e notícias do mundo da música, entretenimento e esportes.