A “pagodização” do rock

Os gêneros de rock e pagode não poderiam ser mais antagônicos, justamente por isso a junção de ambos parece tão improvável, podendo até causar um certo estranhamento nos mais conservadores e é exatamente isso, que grupos como Oba Oba Samba House e Sambô vêm fazendo.

Com pandeiro, cavaquinho, tan-tan, rebolo e outros instrumentos típicos do samba, o Sambô executa clássicos do rock como “Smells like teen spirit” do Nirvana, “Sunday Bloody Sunday” do U2 e “I feel good” do James Brown até sucessos de artistas como Maroon 5, KT Tunstall e Marisa Monte.

Já o Oba Oba Samba House mistura o samba tradicional brasileiro com música eletrônica, dando uma roupagem nova a músicas como “Otherside” do Red Hot Chili Peppers, “Use Somebody” do Kings of Leon, “Fly away” do Lenny Kravitz até “Times like these” do Foo Fighters.

Será que as misturas vão parar por aí? Não se surpreendam se daqui a pouco surgir um “pagofunk”, um “rocknejo” ou até mesmo um “axénejo”…

Por Marianne Wilbert