Foto: Reprodução Alexandre Pires

Alexandre Pires é investigado por garimpo ilegal em terras Yanomamis

Alexandre Pires – um dos sambistas mais famosos do Brasil – é recente alvo de investigações da Polícia Federal (PF). O motivo? O cantor e seu empresário são suspeitos de envolvimento com atividades ilegais de garimpo no território Yanomami.

  • Natal de A a Z! Encontre o presente perfeito com economia e frete grátis. Basta clicar aqui e buscar tudo para o seu fim de ano.

Pois é, a música e as manchetes policiais, por vezes, se entrelaçam de formas inesperadas. Alexandre Pires foi do palco para as páginas policiais. O cantor de Uberlândia (MG) teria recebido uma quantia significativa – em torno de R$ 1 milhão de uma mineradora, que está sob investigação por garimpo ilegal.

Matheus Possebon, empresário do cantor, por sua vez, está sob suspeita de financiar diretamente a exploração na Terra Indígena Yanomami, sendo apontado pela PF como uma das figuras-chave nonúcleo financeiro dos crimes“.

Os eventos se tornaram ainda mais dramáticos com a recente operação da PF, batizada de ‘Disco de Ouro‘, que incluía buscas em endereços ligados a Pires e Possebon.

A Justiça Federal elevou a aposta, autorizando o bloqueio de até R$ 130 milhões em bens dos investigados. Ainda não está claro qual parte desse montante está relacionada ao cantor e ao seu empresário.

O esquema de garimpo ilegal, segundo as investigações, movimentou cerca de R$ 250 milhões. A rede de operações se estende por diversas cidades, incluindo Boa Vista, Mucajaí, São Paulo, Santos, Santarém, Uberlândia, e Itapema.

Veja também:
Gilson, ex-amante de Gracyanne, vai em emissora no mesmo dia que Belo

A cassiterita, ponto central desta trama, é uma fonte valiosa de estanho, comum em produtos como chapas e fios.

A PF aponta que os envolvidos no garimpo em terras Yanomami tentaram mascarar a ilegalidade de suas ações, declarando falsamente a origem da cassiterita como sendo do Rio Tapajós, quando na verdade foi extraída ilegalmente em território indígena.

Relembrando sua trajetória, Alexandre Pires alcançou o estrelato nos anos 1990 com o grupo ‘Só Pra Contrariar‘. Após uma década, avanços para uma carreira solo de sucesso.

Com mais de 18 milhões de discos vendidos, o cantor continua ativo nos palcos, com previsão de ganhos superiores a R$ 1 milhão em shows de fim de ano, conforme reportado pelo jornal ‘O Globo’.

Até o momento, a assessoria de Alexandre Pires não se manifestou sobre as investigações em andamento, deixando um manto de mistério e expectativa sobre os próximos capítulos desta história que mistura fama, música e controvérsias legais.

Alexandre Pires - cantor

Foto: Divulgação

Irmão de Alexandre Pires: “julgamento preconceituoso”

Num cenário em que a música e as questões judiciais se entrecruzam, Fernando Pires, irmão do famoso cantor Alexandre Pires, recorreu às redes sociais para expressar sua inquietação.

Em uma postagem recente no Instagram, Fernando abordou a problemática como um julgamento preconceituoso“, referindo-se às recentes acusações que recai sobre seu irmão e o empresário Matheus Possebon.

Veja também:
Não repita! Atitude de Davi com panela pegando fogo no BBB poderia ter virado tragédia

Não julgue o livro pela capa“, alerta Fernando Pires em seus Stories do Instagram. Seu desabafo vem à tona após a divulgação de que Alexandre Pires e Matheus Possebon estão sob investigação da Polícia Federal para planejar envolvimento em atividades ilícitas de garimpo em terras indígenas.

A trama começou a se revelar com apreensão, pela Polícia Federal, de quase 30 toneladas de cassiterita – uma chave na produção de estanho – em janeiro de 2022. A apreensão ocorreu em uma empresa suspeita, e o material seria destinado ao mercado internacional.

Veja uma foto de Alexandre Pires e o irmão, Fernando:

Alexandre Pires e irmão

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

  • Natal de A a Z! Encontre o presente perfeito com economia e frete grátis. Basta clicar aqui e buscar tudo para o seu fim de ano.

Simony conta que Alexandre Pires a traiu com Carla Perez: ‘levei chifrão’

Compartilhar