Anitta volta a se definir “feminista” e diz ser criticada por ser mulher

No El País, questionou barreiras impostas a mulheres (Rep/Instragram)

No El País, questionou barreiras impostas a mulheres (Rep/Instragram)

Anitta, que no final de abril em entrevista à revista Veja, disse evitar rótulo de feminista, voltou a se definir como defensora do movimento em declaração feita ao jornal espanhol El País. Na conversa, cantora se disse criticada por ser mulher e jovem.

Na entrevista publicada nesta quinta-feira (10), Anitta falou sobre as barreiras de gênero em um mercado dominado por homens. “Como mulher, tudo é mais difícil para mim. Não podemos fazer o que queremos. Tudo é mais difícil. Tenho minha empresa, meu escritório. Quando comecei minha carreira própria, muitas pessoas me disseram que isso não funcionaria. Por que? Por ser mulher? Por saber dançar? Por que eu posso ser inteligente e dançar bem?”, questionou, para depois atribuir as críticas ao hit “Vai Malandra” à sua origem. “Me criticam mais por ser mulher e jovem. o vídeo é a essência brasileira. Me inspirei em vivências da minha juventude”, disse.

A respeito das críticas que recebeu ao contratar Terry Richardson, diretor de arte processado por assédio para trabalhar no clipe de “Vai Malandra”, voltou a citar feminismo: “Eu queria alguém criativo. Quando o escolhi para trabalharmos juntos, eu não sabia da história. Depois que descobri já era tarde para cancelar o trabalho. Em meu clipe, tudo ocorreu bem. E se tivesse acontecido algo ruim, eu não deixaria jamais que acontecesse. Eu estou do lado das mulheres. Sou feminista”, afirmou.

Veja também:
Duas décadas de mistério: Nando Reis quebra o silêncio e explica 'O Segundo Sol'
Compartilhar