(Foto: divulgação)

Autópsia de Prince indica concentração altíssima de opioide

Relatório revelou que a causa do óbito foi overdose de fentanyl (Divulgação)

Relatório revelou que a causa do óbito foi overdose de fentanyl (Divulgação)

Um relatório toxicológico feito durante a autópsia do cantor Prince mostrou quão alta estava a concentração de fentanyl no corpo do artista. Ele morreu em 2016, aos 57 anos, em decorrência de uma overdose acidental do opioide, considerado 50 vezes mais forte do que a heroína. As informações são da Associated Press.

“A quantidade de fentanyl presente em seu sangue era extremamente alta, até mesmo para alguém que fosse um paciente que usasse o opioide para tratar dores crônicas”, disse Lewis Nelson, diretor da ala de emergências do Rutgers New Jersey Medical School.

O relatório informa que a concentração de fentanyl no sangue do cantor era de 67,8 microgramas por litro, ao passo que fatalidades já haviam sido documentadas com pessoas que possuíam de três até 58 microgramas por litro.

Além disso, os índices do opioide no fígado do Prince era de 450 microgramas por quilo, quando a overdose já pode ser identificada em concentrações a partir de 69 microgramas por quilo.

Especialistas dizem que não há uma “dose letal” de fentanyl porque uma pessoa que consome o opioide de forma prescrita por muito tempo cria tolerância a ele.

* Por Estadão Conteúdo

Compartilhar