Britânicos querem ‘American Idiot’, do Green Day, em 1° lugar na visita de Trump ao país

Capa do disco 'American Idiot', lançado pelo Green Day em 2004 (Divulgação)

Capa do disco ‘American Idiot’, lançado pelo Green Day em 2004 (Divulgação)

Fãs britânicos da banda norte-americana Green Day organizaram uma campanha para levar o hit ‘American Idiot’ ao topo das paradas de sucesso no Reino Unido na semana em que o presidente dos Estados Unidos Donald Trump visita o país.

O grupo, portanto, incentiva a compra da faixa para download entre 6 e 12 de julho para que no dia 13, data em que Trump chega ao Reino Unido, a música esteja em primeiro lugar no chart de singles.

A campanha está sendo divulgada no Facebook na página Get American Idiot to No.1 for Trump’s State Visit. Já são, ao todo, mais de 13 mil seguidores. O Green Day, no entanto, ainda não se manifestou sobre a ação.

‘American Idiot’ (2004), sétimo álbum de estúdio do Green Day, foi o divisor de águas da carreira da banda. A partir daí, a sonoridade do grupo mudou drasticamente. O disco, de pouco mais de 57 minutos, conta com canções maduras e politizadas. A ópera punk do grupo norte-americano faz duras críticas ao governo de George W. Bush na presidência dos EUA.

Com uma postura mais séria do que em seus trabalhos anteriores, o trio Billie Joe Armstrong, Mike Dirnt e Tré Cool fazem de American Idiot uma carta de repugnância ao governo do país. As letras recheadas de ironia e sarcasmo refletem o senso de indignação da população. A exemplo de discos clássicos como ‘Tommy’ (1969), do The Who, e ‘The Dark Side of the Moon’ (1973), do Pink Floyd, o trabalho traz canções unificadas por um tema.

Veja também:
50 Cent polemiza ao dizer que Chris Brown é melhor que Michael Jackson

Neste caso, o personagem central é St. Jimmy, um jovem punk que carrega consigo os mais variados questionamentos sobre o padrão norte- americano considerados corretos pela sociedade. De ‘Jesus of Suburbia’ a ‘Boulevard of Broken Dreams’, ‘American Idiot’ é um dos discos mais importantes dos anos 2000. Nenhum outro álbum conseguiu abalar as estruturas do mainstream de forma tão impactante e direta.

* Por Estadão Conteúdo

Compartilhar