“Cantava p*rra nenhuma”, diz vocalista do Aviões do Forró sobre Wesley Safadão

Solange Almeida destacou persistência de Wesley Safadão (Divulgação)

Solange Almeida destacou persistência de Wesley Safadão (Divulgação)

Wesley Safadão é, atualmente, o cantor de maior cachê em turnê no Brasil. Com uma pedida estimada entre R$ 300 e R$ 400 mil, ele só perde para Roberto Carlos, cujo show vale R$ 1 milhão – no entanto, o Rei não faz excursões, somente shows esporádicos.

Apesar do sucesso, não foi sempre que Wesley Safadão agradou. Em entrevista ao programa “De cara”, da rádio FM O Dia, a vocalista Solange Almeida, da banda Aviões do Forró, disse que Safadão não era um bom cantor quando começou com a banda Garota Safada.

“Wesley tinha 16 anos na época que eu o conheci. Admiro demais sua persistência, sua força de vontade, de querer cantar. E vou dizer, ele foi a maior surpresa pra mim. O Wesley não cantava p*rra nenhuma. É um mérito dele, dele mesmo. Hoje ele está aí despontado e nós não estamos incomodados, de verdade”, disse Solange.

A vocalista do Aviões do Forró disse que, além do mérito de Wesley Safadão, a mãe do cantor – conhecida como Dona Bill – também ajudou bastante na escalada para o sucesso. “Ele conseguiu chegar onde chegou porque persistiu. Ele dançava. A mãe dele é a pessoa mais responsável por isso. Era ela que pegava o filho lá de trás do palco e colocava para dançar. Ele era dançarino da banda Garota Safada e só depois virou cantor”, afirmou.

Veja também:
Sucesso na internet e fora dela, carreira da dupla Anavitória chega aos cinemas

Alto padrão

Ainda durante entrevista ao programa “De cara”, da rádio FM O Dia, o outro vocalista do Aviões do Forró, Xand, disse que a banda tenta manter um alto padrão. O cantor afirma que, em termos de produção, o grupo não está atrás de outros grandes nomes nacionais e até internacionais.

“A gente vem há 14 anos tentando ter um camarim legal, tentando ter um palco legal, um som legal. Para mostrar que o nosso show é igual a um da Ivete [Sangalo], da Beyoncé. Tudo que elas usam, a gente usa também aqui no Brasil. Levamos muito na cara, por 14 anos, para o Safadão e Simone e Simaria chegarem e já está tudo bem para eles”, afirmou.

Por Igor Miranda

#comentários