Foto: reprodução / Instagram

Cantora denuncia racismo em shopping de SP e ofensas de segurança: ‘p*ta’

A cantora transexual Raquel Virginia, do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira, denunciou a falta de respeito dos seguranças do shopping Bourbon, da zona oeste da capital paulista, após ser chamada de prostituta por um deles na sexta-feira (8).

Tudo começou quando ela viu alguns guardas do estabelecimento intimidando um grupo de adolescentes negros, devido a reclamação de uma loja. “Comecei a discutir com um dos seguranças, que o tempo todo perguntou quem eu era”, relata. “Eu o respondi dizendo que sou uma cidadã que paga impostos e não vai compactuar com o crime de racismo”, completa.

Após a discussão, os jovens foram liberados e ela foi fazer compras. Na volta, o funcionário com quem discutiu olhou para as sacolas de Raquel, o que levou a mulher a abordá-lo novamente. “Pode olhar, sou rica. Comprei bastante coisa cara. Fruto de estudo e competência”, afirmou. Irritado, o segurança provocou: “Tem que estudar para ser p*** e fazer programa?”.

O shopping Bourbon informou que vai afastar a equipe de segurança que a ofendeu e tomará providências internas para evitar que casos assim se repitam. Leia abaixo o relato de Raquel na íntegra.

View this post on Instagram

POR FAVOR, VAMOS NAS REDES DESSE SHOPPING QUESTIONAR. Estava no @bourbonshopping fazendo compras. Quando passo perto de um grupo de adolescentes negros com varios seguranças em volta. Ouço um deles dizer pro outro, “vc fez alguma coisa? Não. Então já era”. Esperei alguns minutos fingindo que estava olhando vitrines e fui até um deles, pedi licença e perguntei o que estava havendo. Ele me contou que os seguranças estavam averiguando uma reclamação de uma loja. Eu perguntei pro segurança: o que vcs estão averiguando? Ele me respondeu: “uma loja reclamou deles” Eu perguntei: “ reclamou o que ?” Ele me olhou com cara de “não sei”. Eu olhei para os garotos e disse: “podem ir, vão passear, eles não podem segurar vocês aqui, podem ir”. Nesse momento um deles me olhou e disse: “ valeu tia”. Eu comecei a discutir com um dos seguranças que o tempo todo perguntou quem eu era. Eu respondi “uma cidadã, que paga impostos e não vai compactuar com o crime do racismo” Depois de muita discussão voltei às compras e os garotos foram passear. Ainda passeie com eles um pouco. Resumindo: voltei às compras. Encontrei com o segurança novamente: ele olhou minhas sacolas, por certo pra saber meu poder de compra. Eu falei pra ele: “pode olhar, sou rica, comprei bastante coisa e tudo coisa cara. Fruto de estudo e competência. Ao que ele me disse: tem que estudar pra ser puta e fazer programa?. Tenho vídeos. Peço pra que vocês compartilhem e vamos pedir pra que o shopping Bourbon se pronuncie a respeito. É importante. Jamais pediria se não fosse sério.

A post shared by Raquel (@raquelvvirginia) on

View this post on Instagram

Vamos desenhar pro shopping entender o absurdo. A arquitetura do racismo de vocês. Eu fui obrigada a ter que ver adolescentes negros serem intimidados por homens cheios de gravata e rádios de comunicação interna. Eles travaram o passeio dos garotos no shopping. Imagina você estar no shopping e seguranças, um grupo de seguranças aparece e te impede de continuar sua visita ao estabelecimento por que há uma suposta denúncia de alguma coisa. Tudo vago. Não tinha acontecido nada. Todo mundo sabia disso. A postura dos garotos já era um indicativo. Ninguém furta ou quebra coisas e continua tranquilo passando esperando as consequências. No mínimo, eles teriam ido embora o mais rápido possível. Não precisa ser especialista em segurança pra saber disso. O que vocês estavam fazendo era expulsar os garotos, e a forma que encontraram foi a intimidação pra que eles nunca mais voltassem. E estavam assim procurando qualquer argumento. Porque vocês não querem pobres e pretos passeando no andar das lojas caras que era onde eles estavam. Vamos ser honestos. Pois por meus ancestrais eu não vou sossegar enquanto vocês não se posicionarem. O segurança de vocês me chamou de puta, gritou comigo, colocou dedo na minha cara, sem saber meu trabalho. Pois o único programa que eu sei fazer vou apresentar pra vocês domingo. Se vocês não se posicionarem domingo eu vou com muita gente até aí fazer um grande show. Que o que melhor sei fazer. Quem sabe assim, sendo didática sobre minha profissão, consigo mais dignidade ao ir fazer minhas compras no shopping ? @bourbonshopping VAMOS QUESTIONAR ELES PESSOAL! Por nossas ancestrais mulheres negras! Por Dandara

A post shared by Raquel (@raquelvvirginia) on