Cantoras falam sobre Dia Internacional da Mulher: ‘mais união e menos julgamento’

Anitta e Ludmilla comentaram importância da data (Multishow/Divulgação)

Anitta e Ludmilla comentaram importância da data (Multishow/Divulgação)

Para este 8 de março, Dia Internacional da Mulher, diversas artistas comentaram, em entrevista ao ‘Estado de S. Paulo’, qual é a importância da data para elas.

“Queremos ter os mesmos direitos que os homens, salários iguais, e precisamos de mais união e menos julgamento entre nós”, acredita a cantora Anitta.

😎

Uma publicação compartilhada por anitta 🎤 (@anitta) em

Fafá de Belém ressalta que “o dia é, para os que não lembram, para passarem a lembrar a importância da mulher”. “Nós mulheres acumulamos funções: somos filhas, cuidamos dos irmãos, crescemos cuidando dos pais e vamos crescendo e agregando todos. A família do ex-marido, a família do ex-namorado, a família da ex do irmão. Enfim, a mulher tem esse braço e essa capacidade de agregar, de cuidar, de ser generosa. Acho que essa é a grande condição da mulher. E somos amantes, e somos arteiras, e somos criativas, e temos o tal do ‘sétimo’ sentido”, afirmou.

Alôô, Cordeiro!!! Chegueiii 🧡 Vumboooora

Uma publicação compartilhada por Fafá de Belém (@fafadbelem) em

A funkeira Ludmilla, por sua vez, remete às suas origens. “Sou negra, nasci na baixada fluminense e comecei a carreira como MC cantando funk. Acabei de fazer minha primeira turnê pela Europa. Olho para trás e vejo que tudo isso parecia impossível. […] A gente [mulheres] pode ser o que a gente quiser, somos do tamanho dos nossos sonhos”, disse.

Gucci gang💫

Uma publicação compartilhada por Ludmilla (@ludmilla) em

Iza reforçou que o Dia das Mulheres ‘é todo dia’. “A gente está aí carregando essa nação nas costas, indo pra rua, sobrevivendo, criando nossos filhos, educando novas pessoas. Mas é muito importante que a gente tenha um dia pra celebrar e relembrar toda a importância da nossa luta e do nosso movimento. É importante que a gente tenha um dia pra relembrar todas as mazelas e quantas de nós partimos em luta, ou então quantas de nós se sacrificaram para que, hoje, por exemplo, eu possa estar aqui dando uma entrevista. Para que a gente possa, hoje, ter direito a voto. Ter direito a trabalhar”, afirmou.

Gaby Amarantos repercutiu a importância da data. “É dia de reafirmação, dia de a gente lembrar de grandes figuras como Chica da Silva e Maria da Penha. E, principalmente, é um dia de conscientização. A gente precisa cada vez mais conscientizar o povo brasileiro de que o feminismo é igualdade. O feminismo importa. E todos nós, homens e mulheres, precisamos ser feministas”, disse.

* Por Estadão Conteúdo