Capital Inicial prega ‘Fora Temer, fora todos’ no Rock In Rio

Dinho Ouro Preto comparou situação do Rio a'guerra civil' (Reprodução/Facebook)

Dinho Ouro Preto comparou situação do Rio a ‘guerra civil’ (Reprodução/Facebook)

Se o Capital Inicial pudesse ver seu passado inteiro, ele seria pontuado por plateias lotadas no Rock in Rio. Em sua quinta participação, neste domingo (24), e mais uma vez no encerramento do festival, a banda fez um show à altura das expectativas para este momento de despedida da Cidade do Rock.

Partindo de uma música nova, “O bem, o mal, o indiferente”, Dinho Ouro Preto, Fê Lemos, Flávio Lemos e Yves Passarell, além dos músicos de apoio, engataram a quinta numa sequência de sucessos.

“Independência”, “4x Você”, “Depois da meia noite”, “Fátima”, “Música urbana” e “Natasha” foram os de maior magnetismo. A indefectível “Primeiros erros”, o de imenso coro. O cover de “Mulher de fases”, dos Raimundos, levantou a poeira acumulada na grama sintética.

Antes de “Veraneio vascaína”, Dinho se referiu à crise da segurança por que passa o Rio. “É surreal, como se estivéssemos numa guerra civil, com tropas na rua”, disse. A plateia entoou “Fora Temer” e ele devolveu: “Fora Temer, fora todos, uma longa lista. Os cidadãos cariocas vão prevalecer. As eleições estão chegando, é hora de escolher outras pessoas”.

Mais adiante, “Que país é esse?” motivou nosso discurso. A música foi dedicada a “políticos de esquerda, centro e direita, de Aécio a Dilma, Eduardo Cunha, Sergio Cabral”. Dinho complementa: “É uma lista longa que sequestrou a democracia brasileira, conspirou contra a esperança de todos nós. O poder corrompe e o Brasil é maior e melhor que seus representantes”.

Veja também:
Você não vai acreditar no valor do cachê de Anitta por um show no início da carreira

Veja uma transmissão em vídeo do show, feita pelo próprio Capital Inicial, em sua página no Facebook:

Dia ‘concorrido’

No domingo (24), último dia do festival, a lotação – 100 mil pessoas – é atingida mais cedo. Muita gente que já veio decide voltar à Cidade do Rock e quem jurava que não passaria nem perto dos portões implora por ingressos que possam estar sem dono. Cambistas anunciavam a entrada por até R$ 800 perto do Parque Olímpico.

A massa chegou para aproveitar a Cidade do Rock ao máximo, o que fez com que o Capital tivesse um dos maiores públicos entre os nacionais que o antecederam no Palco Mundo: Ivete Sangalo, Skank, Frejat, Scalene, Jota Quest e Titãs.

“A gente já tocou em outras edições mas quando eu piso aqui meu coração dispara”, disse Dinho ao saudar o público, com sua habitual euforia. “É comovente uma multidão cantando em uníssono”.

* Por Estadão Conteúdo

Compartilhar