Com ajuda de Caetano e Chico, João Gilberto busca sair da agonia - Revista Cifras

Com ajuda de Caetano e Chico, João Gilberto busca sair da agonia

Cantor está em outra residência e é tratado por duas médicas (Rep./Facebook)

Cantor está em outra residência e é tratado por duas médicas (Rep./Facebook)

Depois de dez anos sem ser visto fora de casa, João Gilberto teve de deixar à revelia o apartamento em que vivia, a 500 metros da praia do Leblon. O cantor, que enfrentava ameaça de despejo por conta de pagamentos atrasados, foi convencido a se mudar para não correr o risco de ser constrangido a sair à força. Uma amiga do meio artístico cedeu um outro imóvel na região para acomodá-lo.

A um mês dos 87 anos, o músico vive numa situação de fragilidade física e mental, agravada pela condição de miserabilidade financeira, segundo afirmou a advogada de sua filha Bebel Gilberto, Simone Kamenetz. A penúria vem comovendo admiradores de João do meio musical. Chico Buarque, que foi seu cunhado (ele foi casado com Miúcha, mãe de Bebel), e o casal Caetano Veloso e Paula Lavigne estão mobilizados para ajudá-lo.

Desde o fim do ano passado, Bebel está na Justiça para interditar o pai. Foi a forma que a cantora encontrou de tentar cuidar de sua saúde, e resguardar suas finanças – pilar da música brasileira, criador da bossa nova e cultuado por fãs do mundo todo, e apesar de ter feito um acordo milionário com o banco Opportunity em 2013, como adiantamento do valor a ser ganho por uma ação contra a gravadora EMI dois anos depois, João não tem recursos sequer para arcar com um plano de saúde, algo bastante temerário a essa altura de sua vida.

O cantor tem uma hérnia não tratada e não se submete a exames. Foi esse problema que o impediu em 2011, segundo divulgado à época, de cumprir uma turnê por cidades como Rio, São Paulo, Porto Alegre, Salvador e Brasília, na esteira de seus 80 anos. As dores que já sentia então o impediam de tocar seu violão como exigia seu conhecido perfeccionismo.

Veja também:  Os 60 anos da bossa nova, o estilo que mudou a música brasileira

Agora, Bebel, que mora em Nova York, conseguiu que duas médicas, uma geriatra e uma psiquiatra com experiência em idosos, fossem até ele, vencendo, aos poucos, sua resistência. “Ele está doente. Temos todo o cuidado no mundo para chegar ao João e tratá-lo. Bebel está tentando que ele faça exames. Não adianta pegar à força”, ponderou a advogada da cantora. O caso corre em segredo na 5.ª Vara de Órfãos e Sucessões do Rio. O Tribunal de Justiça não divulga informações sobre o assunto, por conta do sigilo.

Sempre dentro de casa

As dificuldades para acessar João e de persuadi-lo a atentar para sua saúde se dão porque ele, como se sabe, não sai de casa. A última vez que foi visto em público foi nos shows de 2008 que fez pelos 50 anos da bossa nova. “Bebel não quer internar o pai, e sim ver o que pode ser feito em casa. Ele não pode ficar assustado, com medo. O juiz está muito cuidadoso, por se tratar de uma pessoa idosa. Está preocupado”, afirmou Simone.

“O que antes era tido como uma excentricidade (não sair de casa) já se tornou uma condição mental. Piorou com a idade. A capacidade cognitiva dele está muito prejudicada. Ele não tem condições de administrar a própria vida”, ela considera.

Negativa a exames

Há um mês, Miúcha contou ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’ que João se recusava a se submeter a exames. “A situação é difícil, ele é muito fechado, tem 86 anos e algumas questões de saúde. Está muito magrinho. A Bebel está tentando de tudo por ele. Todos queremos que o João se trate. Ele foge de médico como o diabo da cruz. Se a gente marcar, ele desmarca trinta vezes.”

Veja também:  Turnê de João Gilberto é adiada para dezembro

De acordo com Miúcha, João segue morando sozinho e fazendo o que mais gosta – tocando seu violão e cantando. Para ela, sua situação não é tão dramática quanto a descrita nos jornais desde sua interdição por Bebel.

Arrombamento

Faz um mês que a Justiça autorizou o arrombamento do apartamento no Leblon, para que João fosse citado quanto ao processo de interdição, e também para que seu estado fosse avaliado devidamente. Mas, ao entrar no imóvel, as oficiais constataram que sua condição mental o impedia de compreender o que se passava. Nesses casos, o procedimento é não realizar a citação.

Na ocasião, não houve necessidade de o apartamento ser arrombado de fato: para preservar João, uma data foi acertada previamente, e uma pessoa de sua confiança ficou no apartamento e abriu a porta para a entrada da equipe.

Há duas semanas, a advogada de Bebel leu no jornal ‘O Estado de S. Paulo’ a entrevista de João Marcelo Gilberto, primogênito de João, em que ele afirmou ter sido excluído das decisões sobre o pai. Simone negou que Bebel tenha alijado o irmão das decisões referentes ao processo de interdição.

“O que João Marcelo disse não é verdade. Ele foi procurado, estivemos com o advogado dele. Ele não foi excluído, ele se excluiu. O processo tem custos que devem ser compartilhados entre os dois, e ele deu a entender que não teria interesse em patrocinar isso”, contou ela.

Veja também:  Parabéns João Gilberto!

Ação de alimentos

Antes do início do processo de interdição, João Marcelo entrara com uma ação de alimentos tendo como beneficiária sua filha caçula, de dois anos. Conforme explicou ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’, o objetivo não era pleitear uma pensão de João Gilberto para a neta, e sim ter acesso aos números da vida financeira dele. Para o irmão, Bebel quer ter o controle desses dados sozinha, e lhe sonega informações.

Segundo Simone, a explicação de João Marcelo não faz sentido, uma vez que ele tem acesso à situação patrimonial do pai por estar citado na ação de interdição, como parte interessada. Como ele mora nos EUA, bastaria fazê-lo por meio de seu advogado, ela disse.

“Bebel não está fazendo nada por dinheiro. Não há espólio a ser dividido, o estado é de penúria financeira”, disse Simone. “João Gilberto recebeu R$ 5 milhões do Opportunity em 2013, não poderia estar na situação que está hoje, sofrendo despejo, sem seguro saúde. Ainda mais se você pensar que ele não tem luxo algum, não viaja, não compra apartamento. Se há um patrimônio oculto, Bebel não o conhece. A preocupação do João Marcelo é injustificada. Ele tem todo o direito de conhecer o patrimônio do pai, basta entrar no processo”.

A reportagem procurou João Marcelo Gilberto para que ele comentasse a situação, mas não conseguiu contato. Na entrevista que deu ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’, ele se disse triste e preocupado com o pai. “Gostaria que ele tivesse um final de vida feliz e tranquilo, e sei que posso contribuir muito nesse sentido, desde que pessoas agora próximas a ele não façam esforço em me afastar”, declarou.

* Por Estadão Conteúdo

#comentários

Compartilhar