CPI da Lei Rouanet convoca Luan Santana para explicar questão fiscal

Em 2014, empresa de Luan foi autorizada a captar R$ 4,1 milhões (Repr./Facebook)

Em 2014, empresa de Luan foi autorizada a captar R$ 4,1 milhões (Repr./Facebook)

A CPI da Lei Rouanet autorizou que representantes de Luan Santana sejam convidados a explicar o uso de isenção fiscal em apresentações do cantor. A comissão investiga supostos desvios de verba por meio do programa nacional de incentivo cultural.

O requerimento que chegou às mãos da CPI foi feito pelo deputado Domingos Sávio (PSDB-MG). Na justificativa, diz-se que é necessário “conhecer como foi o desenvolvimento da proposta cultural, passando por eventuais adaptações que tenham sido exigidas pelo MinC”.

Além disso, tem-se como intuito saber “como se deu a obtenção da aprovação do projeto cultural junto ao Ministério e por que razões os próprios proponentes, mesmo após terem obtido a autorização para a vultosa captação de recursos, solicitaram o arquivamento do projeto cultural aprovado pelo MinC”.

No ano de 2014, o Ministério da Cultura havia autorizado a LS Music Produções Artísticas a captar mais de R$ 4,1 milhões para o lançamento da turnê “Luan Santana – Nosso tempo é hoje – Parte 2”. No entanto, o projeto foi arquivado, em 2016, a pedido da empresa.

Por sua vez, o Ministério informou que as contas relacionadas à LS Music seriam encerradas. O motivo é que elas permaneceram dois anos sem movimentação. Nenhum outro detalhe foi informado posteriormente.

A assessoria de imprensa de Luan Santana, até o momento, não se manifestou sobre o caso.

Veja também:
Thiago Martins pede desculpas após assediar segurança em show do Sorriso Maroto

Por Igor Miranda (@silvercm)

Compartilhar