Cristiano Araújo e Gusttavo Lima “se odiavam”, diz livro sobre falecido cantor

Araújo faleceu em 24 de junho de 2015 (Reprod./Instagram/Flaney Gonzallez)

Araújo faleceu em 24 de junho de 2015 (Reprod./Instagram/Flaney Gonzallez)

O livro “Onze mil horas – Um fotógrafo em turnê com Cristiano Araújo”, escrito por Flaney Gonzallez e lançado pela Editora Kelps, promete ser, ao mesmo tempo, emocionante e polêmico. A obra traz histórias ilustradas por 220 fotos de Cristiano Araújo, feitas pelo fotógrafo de março de 2014 até o falecimento do cantor, em junho de 2015.

A história que mais chama a atenção é a de uma rixa entre Cristiano Araújo e Gusttavo Lima. “Uma série de desencontros, conversas truncadas e alfinetadas levaram os dois a um bate-boca muito feio pelo celular. Desde então, praticamente se odiavam”, afirma o autor da obra.

De acordo com Flaney Gonzallez, não se sabe ao certo o que aconteceu entre Gusttavo Lima e o falecido cantor. “Araújo confidenciou que desejava fazer as pazes. Em certa ocasião, quase estendeu a mão para o rival, mas teve medo de que Gusttavo não correspondesse ao gesto”, conta, na obra.

Após contato feito pelo portal Ego, a assessoria de Gusttavo Lima afirmou que não se pronunciará sobre a relação entre ele e Cristiano Araújo.

Episódio com Wesley Safadão

Flaney Gonzallez conta, em seu livro, um episódio curioso com outro cantor. Desta vez, foi com Wesley Safadão. Uma legenda de uma foto que Cristiano Araújo tirou com o artista gerou um desentendimento entre o sertanejo e sua assessoria.

Veja também:
Designer faz escudos criativos imaginando se bandas fossem times de futebol

“Foi um erro num post feito pelo marketing, onde Cris posa ao lado do forrozeiro e na legenda diz: ´sempre bom rever você, meu amor!´, ao invés de ´meu amigo´. Cristiano ficou bravíssimo”, conta Gonzallez.

Último encontro

O último encontro entre Flaney Gonzallez e Cristiano Araújo antes do cantor falecer, em um acidente de carro, é relatado no livro. “Foi um dia estranho. Ele estava triste. Cheguei e ele não me olhou no olho. Achei até que estava chateado. Saí meia hora antes dele. Não acredito que tenha sido premonição, nada disso. Poderia ser só cansaço. A última frase que trocamos foi ´então, até amanhã, parceiro´. O livro é minha forma de dizer, ´obrigado, parceiro´”, afirma.

Mais informações sobre o livro “Onze mil horas – Um fotógrafo em turnê com Cristiano Araújo” podem ser encontradas no site oficial do projeto.

Por Igor Miranda

#comentários