Estudo científico comprova que Freddie Mercury tinha voz única - Revista Cifras

Estudo científico comprova que Freddie Mercury tinha voz única

Cordas vocais de Mercury vibravam mais rápido que o normal (Divulgação)

Cordas vocais de Mercury vibravam mais rápido que o normal (Divulgação)

Que Freddie Mercury está em um patamar muito alto de cantores da música contemporânea, já sabemos – e isso foi mostrado em um recente artigo do Revista Cifras, que traz a voz de Mercury isolada. A novidade é que, agora, a ciência reconheceu oficialmente o frontman do Queen.

Um estudo conduzido pelo Doutor Christian Herbst (Universidade de Viena), com cientistas da Áustria, Suécia e República Tcheca, relatou, tecnicamente, como funcionavam as cordas vocais de Freddie Mercury. Descobriu-se, de início, algo que já era contestado por outros especialistas: a voz de Mercury era de barítono, não de tenor. Um fato que não deixa de ser impressionante, já que o eterno vocalista do Queen tinha todos os atributos para se impor como um tenor.

Veja também:  10 músicas que marcaram a década de 1970

Em outra etapa, ao filmarem um dinamarquês imitando Freddie Mercury, os pesquisadores descobriram que as pregas ventriculares de Mercury vibravam junto com as pregas vocais, algo que a maioria dos seres humanos não conseguiria executar. As cordas vocais do cantor falecido em 1991 vibravam mais rápido do que a de outras pessoas – chegavam a 7.04 Hz, enquanto o comum está entre 5.4 e 6.9.

Constatou-se, ainda, que o vibrato de Freddie Mercury era mais intenso que o de Luciano Pavarotti, cantor de ópera tido por muitos como o dono de uma das vozes mais fortes da música como um todo. Os pesquisadores descreveram a voz de Mercury como “a força da natureza com a velocidade de um furacão”.

Veja também:  Pete Doherty foi expulso de clínica de reabilitação na Tailândia

Por Igor Miranda

#comentários

Compartilhar