Foto: divulgação

Filme ‘Bohemian Rhapsody’, sobre Queen e Freddie Mercury, chega aos cinemas

Bryan Singer, diretor da franquia X-Men e do novo filme sobre o Queen, ‘Bohemian Rhapsody’, é gay assumido. E mesmo que não fosse, toda a indústria saberia disso por conta das denúncias contra ele no #MeToo. É fácil imaginar os motivos que o levaram ao longa sobre Freddie Mercury.

Uma parte significativa do filme mostra o jovem Freddie Mercury, ainda ligado à mulher, Mary Austin, saindo do armário. Ele descobre sua atração por homens – há uma cena de sexo a três no Rio –, revela para Mary que é bissexual, mas ela diz que não, e o força a se assumir como gay.

E, assim como Cinderela tem a madrasta, Freddie tem a bicha má, a cobra venenosa – Paul, o amante que, dispensado, vai para a TV contar os podres do ex. Tudo isso é para calar a boca dos que dizem que o filme não conta tudo sobre a sexualidade de Freddie Mercury.

Talvez seja inexato, mas não por falta de informações. Algumas das melhores cenas abordam o processo criativo do artista. Como ele misturou rock e ópera, e criou a Bohemian Rhapsody. No final, doente – soropositivo –, um fragilizado Freddie consegue o aval dos antigos parceiros (‘Somos uma família!’) para que o Queen participe do megaconcerto Live Aid.

É o gran finale. Cada artista teve seus 20 minutos no palco e Bryan Singer recria o concerto inteiro, começando com ‘Mother Love’ e terminando, na apoteose, com ‘We Are The Champions’. É um filme bonito, emotivo. Conflitos familiares, amores e amizades rompidos. Todo mundo trai todo mundo, mas, no limite, vence o afeto.

Veja também:
Corey Taylor acredita que o Slipknot possa seguir sem ele no vocal

Bryan Singer trabalha no registro da semelhança física. Os pais, o novo namorado, Mary Austin, Brian May, John Deacon, Roger Taylor, todo mundo é muito parecido. Rami Malek talvez seja mais franzino, mas entende e expressa o personagem que nasceu para brilhar.

‘Bohemian Rhapsody’, a épica música do Queen que inspira filme sobre Freddie Mercury

Compartilhar