Foto: PxHere / divulgação

Finalmente, mercado da música está rendendo mais dinheiro do que em 2007

O mercado de música gravada cresceu 9,7% no mundo em 2018, o quarto ano seguido de crescimento, segundo dados divulgados nesta terça-feira (2) pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, na sigla em inglês). As receitas da indústria em 2018 somaram US$ 19,1 bilhões.

Finalmente, as cifras arrecadadas ultrapassaram o montante de US$ 18,4 bilhões de 2007. Nos últimos anos, a indústria musical passou por uma crise, especialmente pela popularização dos arquivos digitais – e consequente pirataria -, se sobrepondo aos produtos oficiais, como CDs.

O principal responsável pelo crescimento segue sendo o streaming: com aumento de 34% nas receitas, os serviços hoje representam 47% dos rendimentos globais da indústria. No final de 2018, segundo os dados, existiam 255 milhões de assinantes de plataformas de streaming no mundo.

No cenário global, houve uma queda de 10,1% nas vendas de mídias físicas e queda de 21,2% nas receitas de downloads. A América Latina é o mercado que mais cresceu no mundo todo, com alta de 16,8%.

Em uma entrevista coletiva por telefone, de Londres, a diretora-executiva da IFPI, Frances Moore, demonstrou otimismo, mas ressaltou a necessidade de a indústria continuar a construir bases sólidas para preservar o ambiente de crescimento e mantê-lo sustentável.

“Conforme os mercados de música continuam a se desenvolver e evoluir, é imperativo que a infraestrutura legal e de negócios esteja no lugar para garantir que a música seja avaliada de maneira justa, e que as receitas sejam mandadas de volta para quem de direito, para apoiar o próximo ciclo de crescimento”, disse.

Veja também:
Nicki Minaj apaga post sobre aposentadoria, se explica e deve voltar atrás
Compartilhar