Foto: Henrique Gendre/Divulgação

Iza estampa capa de revista e promete parcerias internacionais para 2020

Iza é a capa e o recheio da edição especial de número 100 da revista ‘GQ Brasil’, que chegou às bancas nesta sexta-feira (1º). A cantora de Olaria (bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro) posou para as lentes do fotógrafo Henrique Gendre em um ensaio – à la Diana Ross – feito em Nova York, nos Estados Unidos.

Na entrevista, ela comenta as recentes conquistas – como seu espaço na TV como jurada do ‘The Voice Brasil’, na Globo, e a apresentação histórica no Rock in Rio (no Palco Sunset) ao lado de Alcione – referências musicais e parcerias passadas e futuras. Além, é claro, dos confrontos com outras cantoras do pop, como Anitta e Ludmilla.

“As comparações entre mulheres na música são machistas e desnecessárias e feitas por pessoas que acham que elas são comparáveis. Nós somos todas diferentes, especiais e incríveis. Isso é fruto de um mercado que é machista mesmo, mas acredito que as coisas estão mudando”, dispara a cantora.

Nos últimos cinco anos, Iza viu sua carreira deslanchar: construiu seu caminho baseado em singles (só em 2018 veio o álbum ‘Dona de Mim’), cantou com a nata da música nacional – como Caetano Veloso, Milton Nascimento, Gilberto Gil e Djavan – e ainda dublou a leoa Nala na live action de ‘O Rei Leão’ (para sentir a responsabilidade: nos Estados Unidos, a personagem ganhou a voz de Beyoncé).

Formada em publicidade, Iza não nega a origem humilde e procura cantar aquilo que sente. “O mais importante que aprendi: o público consegue se comunicar com quem é de verdade.Isso já é meio caminho andado. Seja lá qual for a definição, estou procurando ser eu mesma”, admite.

“Quando era criança, não me via nos brinquedos que brincava, nos filmes que assistia, nas novelas que acompanhava. Não tinha muitas artistas como referência — exceto a Taís Araújo, a Isabel Fillardis e a Aisha Jambo. A gente precisa se ver em todos os lugares para saber que é possível estar onde a gente quer estar”, avisa.

Apresentada como fenômeno pop na tour pelos Estados Unidos, desabafa: “Sei que os rótulos existem, mas nunca me importei com eles. Se a gente ficar se apegando a isso, esquece o que é mais importante (música)”.

Entre as promessas de futuro estão uma música em collab com a Ciara e o Major Lazer – que promete ser o hit do Verão 2020. Para o ano que vem, está confirmado que ela desfilará pela Marquês de Sapucaí como Rainha de Bateria da Imperatriz Leopoldinense.

Veja também:
Iza e Pabllo Vittar apontam machismo ao abordarem briga entre Anitta e Ludmilla
Compartilhar