Justiça proíbe show de Caetano Veloso em ocupação do MTST

Caetano:'É a 1ª vez que sou impedido de cantar no período democrático' (Repr.)

Caetano: ‘É a 1ª vez que sou impedido de cantar no período democrático’ (Repr.)

Um pedido feito pelo Ministério Público foi deferido pela Justiça de São Paulo para que um show de Caetano Veloso, em uma ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), fosse barrado. A apresentação aconteceria às 19h da última segunda-feira (30), em um bairro de São Bernardo do Campo (SP).

A decisão foi tomada pela juíza Ida Inês Del Cid. No texto, afirma-se que o Ministério Público solicitou “tutela provisória de urgência, para não realização de show artístico, que seria realizado em local que foi ocupado, e que está sub judice referida ocupação”. Uma multa de R$ 500 mil foi estabelecida caso a decisão não fosse cumprida – além disso, foi deferida ordem policial, se necessário.

O texto afirma, ainda, que não havia estrutura para suportar um show de um artista “da envergadura de Caetano Veloso”. Segundo a juíza, a popularidade do cantor poderia atrair ao local um grande público, que estaria em risco.

A ocupação está presente no bairro Planalto, em São Bernardo do Campo. Cerca de seis mil famílias residem no local atualmente.

Caetano lamenta decisão

Em entrevista, Caetano Veloso afirmou lamentar a decisão judicial. “Ser impedido de cantar não é bom. Mais do que nunca é preciso cantar, como diz a música de Vincius de Moraes, porque há muita dificuldade”, afirmou, conforme apontado pelo G1. “É a primeira vez que sou impedido de cantar no período democrático.”

Veja também:
Suspeito pelo assassinato do rapper XXXTentacion é preso nos Estados Unidos

Ao ser questionado sobre aspectos mais precisos da decisão, o artista disse não ser técnico em questões legais. “Me sinto mal, dá a impressão que não é um ambiente propriamente democrático. É um modo de reprimir uma ação que seria legítima. Mas eles apresentam justificativa por causa de segurança. Acho que há má vontade deles. Envolve a prefeitura da cidade, a parte jurídica”, afirmou.

Caetano mostrou-se favorável à ocupação do local. “Aceitei vir porque me interessou a questão. Isso aqui está há 40 anos sem função social. A invasão tem sentido de exigir que a lei se cumpra. A gente está perto das pessoas. Viver e cantar”, disse.

A produtora e empresária Paula Lavigne disse que, embora o show tenha sido cancelado, outra data será marcada para Caetano Veloso apresentar-se ao público da ocupação. “Vamos ver o que precisamos fazer para o show ser remarcado, nem que o pessoal da ocupação vá para outro local para ver o show”, afirmou.

Apesar de não ter ocorrido a apresentação musical, Caetano Veloso participou de um ato público na ocupação, ao lado de outros artistas, como Criolo, Emicida e Letícia Sabatella.

Por Igor Miranda (@silvercm)

#comentários

Compartilhar