Kanye West temeu que Kim Kardashian pedisse divórcio após polêmica sobre escravidão

Rapper contou que a mulher ficou furiosa com os seus comentários (Divulgação)

Rapper contou que a mulher ficou furiosa com os seus comentários (Divulgação)

O rapper Kanye West disse que a repercussão negativa de sua entrevista para o TMZ, na qual ele falou que “a escravidão soa como uma escolha”, foi tão grande que ele temeu que a mulher Kim Kardashian se separasse dele.

“Houve um momento depois da entrevista no TMZ, mais ou menos uma semana depois, em que senti as energias muito baixas. Eu liguei para vários membros da família para perguntar se Kim me deixaria”, contou Kanye ao New York Times.

Ele fala sobre o episódio na música ‘Wouldn’t Leave’: “Agora estou em 50 blogs, recebendo 50 ligações. Minha mulher está gritando no telefone ‘Vamos perder tudo!’. Tive que acalmá-la porque ela não conseguia respirar. Eu disse que ela podia me deixar, mas ela não me deixou”.

A socialite não se divorciou dele e foi muito importante para sua recuperação meses antes, quando chegou a ser internado em um hospital por exaustão. Ela contratou um guia motivacional para ajudá-lo a superar a crise: “Ele me olhou e, não sei por que, mencionou suicídio”.

Kanye disse que pensa constantemente em tirar a própria vida, embora nunca tenha colocado a ideia em prática. “Eu estou falando sobre isso agora porque não cheguei a fazer realmente, mas eu já cheguei a pensar sobre todos os passos. Se eu não tivesse pensado em tudo, então seria mais provável que eu tivesse feito”, explicou.

Veja também:
Do 'Clube do Bilhão', Ed Sheeran volta ao Brasil para 3 shows nesta semana

Após quase dois meses de sua polêmica frase sobre a escravidão, o rapper disse que se sente como uma pessoa em um tribunal se defendendo da acusação de um crime que não cometeu. Para ele, o que aconteceu na entrevista ao TMZ foi uma falha de comunicação.

“Eu disse que a ideia de permanecer em algo por 400 anos soa, disse soa, como uma escolha, nunca disse que é, mesmo, uma escolha. Nunca falei que a escravidão em si, como ficar acorrentado, é uma escolha”, explicou.

Apesar da repercussão subsequente à sua fala, ele nega que se manterá afastado de polêmicas: “Nós [artistas] precisamos ser capazes de estar em situações onde possamos ser irresponsáveis. Esse é um dos grandes privilégios de ser artista. Um artista deveria ser irresponsável como uma criança de três anos de idade”.

* Por Estadão Conteúdo