Foto: Divulgação

Lembra dele? ‘Padre sertanejo’ é acusado de ostentação e de maltratar idosas

Mais conhecido como o “padre sertanejo do Brasil”, o padre Alessandro Campos é famoso na TV e na internet. Atualmente, ele faz shows pelo Brasil e apresenta um programa na Rede Vida. Recentemente, ele fechou um contrato para estrelar um programa musical na RedeTV!.

Ao divulgar a notícia do fechamento do contrato, o colunista Ricardo Feltrin, do portal Uol, relatou que começou a receber “uma espantosa quantidade de e-mails e mensagens diretas de pessoas irritadas com relatos sobre o sacerdote midiático”.

De acordo com ele, o padre foi acusado das mais diversas e inusitadas polêmicas, dentre elas: “desrespeito com velhinhas, ofensas e maus tratos a funcionários de TVs, queixas comerciais de telespectadores, acusações de ostentação e exibicionismo em redes sociais e até uma denúncia por mostrar ‘o que não devia’ num programa de TV”.

Uma das principais queixas seria a de que ele demonstra ganhar e gastar bastante dinheiro. O padre frequentemente é visto usando relógios caros e joias, andando com carros importados e até helicópteros.

Até mesmo no site ‘Reclame Aqui’ consta uma denúncia contra Alessandro. “Ele não é um padre mas um cantor sertanejo que está promovendo suas canções que não têm cunho religioso, bem como seus produtos para aumentar suas comissões. Entre um comercial e outro chovem mais anúncios”, diz a mensagem de uma telespectadora postada no site.

“Deveria ser programa com músicas religiosas, respeito e seriedade mas o que vemos são ofensas e brincadeiras bestas, idiotas que denigrem os idosos –no caso dele, chamados de velhos e velhas. Piadas de mau-gosto, brincadeiras imbecis e sem graça”, diz outro internauta no Reclame aqui.

Veja também:
Gui Cicarelli: músico de blues rock que abandonou engenharia pela música lança clipe

Outras queixas dão conta de que espectadores teriam pagado R$ 65 para participar do programa do padre, mas a gravação teria sido cancelada. Funcionários das TVs onde ele trabalhou também relataram, supostamente, casos de ofensas e maus tratos.

Até mesmo a Cúria Metropolitana e o Vaticano já teriam recebido queixas contra ele, feitas pelos próprios fieis católicos. Supostamente, eles estariam incomodados com o fato de o padre divulgar músicas que não são de cunho religioso, além de vestir roupas muito justas. “Ele é padre, mas apresenta na TV um cabaré”, teria dito uma mulher.

Todas as denúncias foram publicadas por Ricardo Feltrin, em sua coluna no Uol. Procurado pelos jornalistas do portal, Alessandro Campos negou todas as acusações e afirmou que nenhuma delas “procede”.

Ele diz que tem hábito de brincar com as idosas que frequentam seu programa, mas que nunca as ofendeu e que elas “adoram as brincadeiras”. Também garantiu que nunca destratou nenhum funcionário das emissoras.

A única acusação da qual ele não fez nenhum tipo de negativa foi sobre a ostentação nas redes sociais. Praticamente admitindo o erro, o católico afirma que nunca fez “voto de pobreza”.

Céline Dion lança linha de roupas infantis sem gênero e padre a acusa de satanismo