Ministério Público abre inquérito sobre sexualização de crianças funkeiras

Caso de MC Melody, funkeira de 8 anos, será investigado (Reprodução/Facebook)

Caso de MC Melody, funkeira de 8 anos, será investigado (Reprodução/Facebook)

O Ministério Público (MP) de Sâo Paulo abriu, no fim da última semana, um inquérito para investigar conteúdo “erótico e de apelos sexuais” em músicas de crianças e adolescentes. O funk é o principal alvo do órgão.

O caso mais conhecido da investigação é o de MC Melody, funkeira de oito anos, que é investigado pela Promotoria de Justiça de Defesa dos Interesses Difusos e Coletivos da Infância e da Juventude da Capital. Segundo uma das representações divulgadas pelo MP, Melody “canta músicas obscenas, com alto teor sexual e faz poses extremamente sensuais, bem como trabalha como vocalista musical em carreira solo, dirigida por seu genitor”.

MC Betinho, pai e responsável por gerenciar a carreira de MC Melody, é mencionado no inquérito. De acordo com o documento, é “dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária”. Em entrevistas anteriores, Betinho afirmou não obrigar a fazer nada. “Entendemos quem não gostou ou ficou ofendido e estamos mudando a nossa postura por isso”, disse.

Outros jovens artistas como MC 2K, MC Brinquedo, MC Bin Laden, MC Pikachu e MCs Princesa e Plebéia, também são investigados por músicas e videoclipes. A suspeita é de que exista “violação ao direito ao respeito e à dignidade de crianças e adolescentes”. A KL Produções, responsável por lançar vários MCs mirins, é mencionada no inquérito por fazer este tipo de trabalho.

Veja também:
Anitta vence, apresenta e entrega prêmio no MTV EMA 2018, na Espanha

Abaixo assinado

A investigação aberta pelo MP de São Paulo foi motivada pelas denúncias recebidas por cidadãos e encaminhadas pela Ouvidoria do Ministério Público. Um abaixo assinado chegou a ser feito no site Avaaz, onde solicita-se “intervenção e investigação de tutela” ao Conselho Tutelar de São Paulo. Mais de 23 mil assinaturas foram recolhidas em apenas quatro dias.

https://www.youtube.com/watch?v=ZDDsHsHNt0g

https://www.youtube.com/watch?v=V1CQUKxyLG4

Por Igor Miranda

Opiniões, curiosidades, resenhas, listas e sobre todos os tipos de música são o foco desta coluna, comandada por Igor Miranda, jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical. Contato: [email protected]