jimi hendrix

Morte de Jimi Hendrix completa 53 anos e biografia traz relatos inéditos

Jimi Hendrix tornou-se um mito além de seu tempo. Dono da guitarra flamejante mais famosa do planeta, foi catapultado ao sucesso de forma tão rápida quanto sucumbiu ao vício em drogas – que levou à sua morte prematura aos 27 anos a 18 de setembro de 1970.

Apesar de seu estrondoso sucesso, sua verdadeira biografia é pouco conhecida. Jimi Hendrix: Uma Sala cheia de Espelhos, do jornalista Charles R. Cross (mesmo autor da biografia de Kurt Cobain), preenche esta lacuna.

A obra traz respostas e curiosidades sobre uma carreira recheada de polêmicas. Charles R. Cross pinta um profundo e fascinante retrato desse gênio da música que conseguiu sair da pobreza para o sucesso, colocar fogo no mundo do rock e inadvertidamente pôr fim em seu próprio talento.

Sua biografia mostra de forma crua a imagem quase sobrenatural de um homem que estava destinado a ser um astro.

Uma referência à música ‘Room Full of Mirrors, composta em 1968, o título do livro já é uma provocação ao que será desvendado pelo autor e mostra a múltipla personalidade do artista.

A canção, que nunca foi lançada oficialmente durante a vida de Hendrix, conta a história de um homem aprisionado em um mundo de reflexos de si mesmo, tão poderoso que o persegue até nos sonhos. Ele se solta ao estilhaçar os espelhos e, ferido pelos cacos de vidro, busca um “anjo” que possa libertá-lo.

Veja também:
Após escândalos no relacionamento, Monique Evans se casa com a namorada

Em visita ao pai de Jimi Hendrix, Al, nos anos 2000, o biógrafo de Hendrix viu uma peça de arte, criada pelo músico em 1969, que consistia em uma moldura com cinquenta pedaços de um espelho estilhaçado, engastados em argila, na exata posição que teriam ocupado quando o espelho foi partido.

Al Hendrix apontou que “essa era a Sala Cheia de Espelhos de Jimi”“Tendo em mãos a manifestação física desse conceito, é impossível não pensar na profunda complexidade do homem que criou essa música”, conta Ross na apresentação da biografia.

Fruto de uma pesquisa profunda que envolveu, inclusive, a redescoberta do túmulo da mãe de Jimi Hendrix, Lucille Hendrix Mitchell, pelo autor, quando ao lado de um coveiro vasculhou as alas de lápides em ruínas em Greenwood Memorial Park (EUA),Jimi Hendrix: Uma Sala cheia de Espelhos inclui informações de um ponto de vista até então inédito: a verdade sobre sua saída do serviço militar, um relato alucinante de Woodstock e os detalhes de seus muitos, muitos amores.

Essas e outras curiosidades sobre a vida privada de Hendrix, numa grande reportagem investigativa formatada em livro, que homenageia esse grande ícone da música do século XX.

Elogios ao livro sobre Jimi Hendrix

Um Hendrix muito mais íntimo que o apresentado em  as biografias anteriores. Cross não poupou esforços para juntar as peças desta história. Divertido, pungente, provocante e, às vezes, perturbador.” – Seattle Post-Intelligencer

“O livro detalhado e envolvente do Sr. Cross torna ainda mais poderosa a lembrança de Hendrix.” – Janet Maslin, The New York Times

“O verdadeiro teste de uma biografia do rock’n’roll […] é a habilidade com que o autor lida com fatos, traz à tona a verdade e desconstrói mentiras, rumores e mitos […] Jimi Hendrix – Uma Sala Cheia de Espelhos é excelente e muito bem-sucedido nesse sentido.” – Christian Science Monitor

“Uma revelação […] um retrato excelente, provavelmente imbatível, tanto por sua comovente descrição da juventude de Hendrix e a emocionante ascensão dele à fama, quanto por seu caráter definitivo como destruidor de mitos.” – Los Angeles Times Book Review

Sobre o autor

Veja também:
Adolescente diz que gostava da irmã e só a matou para conseguir matar a mãe

CHARLES R. CROSS é autor do best-seller do New York Times, “Mais Pesado Que o Céu: Uma Biografia de Kurt Cobain”, e das biografias Led Zeppelin: Heaven and Hell; Backstreets: Springsteen, the Man and his Music e Here We Are Now: The Lasting Impact of Kurt Cobain.

Foi editor da The Rocket, revista sobre música e entretenimento do Noroeste dos Estados Unidos, de 1986 a 2000, a primeira publicação da história a dar uma capa para o Nirvana. Mora próximo a Seattle e é colaborador de diversos jornais e revistas.

Compartilhar