Pela 1ª vez, dançarino de Katy Perry comenta show no Super Bowl 2015 - Revista Cifras

Pela 1ª vez, dançarino de Katy Perry comenta show no Super Bowl 2015

Bryan Gaw ficou famoso como o desengonçado tubarão dançarino (Reprodução)

Bryan Gaw ficou famoso como o desengonçado tubarão dançarino (Reprodução)

O Super Bowl, a final da liga norte-americana de futebol americano, de 2015 contou com a cantora Katy Perry como atração do show do intervalo. Em um dos momentos mais marcantes da apresentação, Katy foi acompanhada por dois dançarinos vestidos de tubarão enquanto cantava a música ‘Teenage Dream’.

Enquanto o tubarão da direita estava fazendo a coreografia certinha, o da esquerda parecia totalmente perdido e logo viralizou nas redes sociais, ficando conhecido como Left Shark (tubarão da esquerda, em tradução literal). Desde a apresentação, nunca havia sido revelado quem era o dançarino que usava a fantasia e o que de fato aconteceu para ele estar tão desengonçado.

Veja também:  Katy Perry fica sem roupas em vídeo para incentivar voto nos EUA

Agora, a rádio pública NPR descobriu a identidade do Left Shark: se trata de Bryan Gaw, dançarino que trabalhou para Katy Perry por cinco anos e hoje é cabeleireiro em um salão de Los Angeles.

Ele explicou para a rádio que a coreografia dos tubarões tinha bastante liberdade. “Nós tínhamos a liberdade para fazer uma coreografia freestyle, não tinha muito como coordenar movimentos vestindo aquela fantasia gigante”, disse Bryan para a rádio.

O ex-dançarino disse que nos ensaios ele estava mais comedido, mas que quando entrou no palco, não conseguiu se segurar por conta da adrenalina. Com a repercussão do show nas mídias sociais, Gaw não se revelou com medo da repercussão negativa que a apresentação pudesse trazer para Katy Perry.

Veja também:  Vocalista do Black Flag afirma ter sido demitido em palco

Atualmente ele tem orgulho da apresentação e até lista no seu currículo que foi o Left Shark. “Eu nunca tive nenhum feedback negativo quando falo que era o tubarão na apresentação, as pessoas acham legal”, finalizou.

* Por Estadão Conteúdo

#comentários

Compartilhar