Pepê e Neném são acusadas de dar calote de R$ 250 por taxista, mas pagam após polêmica

Dívida seria quitada em um dia, mas ficou'pendurada' por 10 (Reprod./Instagram)

Dívida seria quitada em um dia, mas ficou ‘pendurada’ por 10 (Reprod./Instagram)

As cantoras Pepê e Neném foram acusadas de calote pelo taxista Renato Souza. O profissional procurou o site Ego para contar que elas não pagaram uma corrida de R$ 250 e após a polêmica ganhar o noticiário de celebridades, a dupla pagou a dívida.

De acordo com Renato Souza, a corrida de R$ 250 foi realizada no dia 30 de abril, do Terminal Rodoviário Tietê, em São Paulo, até o Aeroporto de Viracopos, em Campinas. No início desta semana, o taxista contou que Pepé e Neném afirmaram que pagariam no dia seguinte, quando receberiam cachês de shows em Vitória, no Espírito Santo. No entanto, nove dias se passaram e o valor não caiu em sua conta.

“Levei na boa vontade e tomei o calote. Marcando no meu taxímetro deu R$ 256, mas eu pedi para elas depositarem só R$ 250. Isso porque eu não cobrei a taxa de deslocamento de cidade, que era de R$ 50”, afirmou Renato Souza, em entrevista ao Ego.

Também ao Ego, Neném assumiu a dívida da dupla com Renato Souza e afirmou que pagaria na terça-feira (10). A cantora revelou que havia se esquecido da dívida. “A gente não teve tempo nem de parar para almoçar direito esses dias, mas já falamos com ele. Ele já pediu desculpas e nós também”, disse.

Veja também:
Após 5 meses, Bruno Cardoso ainda não está curado, mas volta ao Sorriso Maroto

O pagamento foi confirmado na tarde de terça-feira (10), de acordo com Renato Souza. No entanto, o taxista afirmou que trabalhará com mais cautela após esse caso. “Sempre levei fiado, para pagarem depois, mas nunca tinha levado calote. Agora pensaria duas vezes antes de levá-la”, afirmou.

Retrospecto

Não é a primeira vez que os nomes de Pepé e Nenem ganham o noticiário por questões financeiras. Em 2013, as cantoras quase foram despejadas de um apartamento no Rio de Janeiro. No mesmo ano, precisaram de ajuda para bancar as despesas do enterro do irmão.

Por Igor Miranda