Três anos sem Ronnie James Dio

Ronnie James Dio: 1942 - 2010 (Foto: Getty Images)

Ronnie James Dio: 1942 – 2010 (Foto: Getty Images)

O fatídico dia 16 de maio marca o aniversário da morte de um dos maiores vocalistas da história do Heavy Metal. Ronnie James Dio faleceu aos 67 anos, no dia e mês em questão, em 2010.

Desde novembro de 2009, os fãs tinham conhecimento, através de um comunicado público, de que Ronnie estava com câncer de estômago. Cinco meses depois, em março, foi anunciado que o tumor havia encolhido de forma considerável. Mas o cantor não resistiu e faleceu após oito semanas.

História

Ronnie James Pedavona nasceu em 10 de julho de 1942, na pequena cidade estadunidense de Portsmouth, New Hampshire. O apelido e nome artístico “Dio” foi adotado baseado no mafioso Johnny Dio, da Itália. Começou sua carreira musical em uma banda de rockabilly em 1957, chamada Vegas Kings, que mudou de nome sucessivas vezes até se tornar o Elf, conhecido por tocar Hard Rock influenciado pelo Blues.

Durante o tempo de Elf, Ronnie ganhou notoriedade por sua voz poderosa e habilidade marcante de interpretação. O primeiro trabalho da banda teve a produção de dois integrantes do Deep Purple, o baixista Roger Glover e o baterista Ian Paice.

O grupo lançou mais dois trabalhos até que Dio foi convidado para integrar o Rainbow de Ritchie Blackmore, guitarrista do Purple que deixou o seu conjunto de origem.

Veja também:
A morte e o legado de Raul Seixas, que já foi linchado pelos fãs e viveu altos e baixos

Com o Rainbow, Dio ganhou reconhecimento mundial. Sua passagem na banda de Blackmore durou três anos e gerou quatro álbuns, incluindo o ao vivo “On Stage”. Mas o vocalista não se entendia com o guitarrista, o que encurtou a sua estadia no grupo.

https://www.youtube.com/watch?v=-og87crqsCE

O maior desafio profissional de sua carreira veio com o Black Sabbath, em 1979. Ronnie teve de substituir Ozzy Osbourne e o fez muito bem, conquistando os fãs, que consideram o Sabbath de Dio uma banda diferente daquela que existiu durante a década de 1970. O cantor também teve uma passagem curta pelo grupo: saiu em 1982, após desentendimentos com os outros integrantes, que afirmavam que ele havia adulterado as mixagens do disco ao vivo “Live Evil” para destacar sua voz. Anos depois, foi provado que isso não era verdade.

Logo após sair do Sabbath, Ronnie formou sua própria banda, que foi batizada de Dio. O grupo lançou dez discos e existiu de 1982 até 1991 e, posteriormente, de 1993 até seu falecimento, em 2010.

O cantor se reuniu duas vezes com o Black Sabbath. Em 1992, registrou o álbum “Dehumanizer” e esteve em turnê com a banda até o ano seguinte, quando brigou novamente com seus companheiros. Ozzy Osbourne, vocalista que substituiu em sua primeira passagem pelo Sabbath, pediu para tocar com os músicos em duas datas. Dio não concordou e abandonou o projeto, voltando a se dedicar à sua banda.

Veja também:
A morte de Amy Winehouse: o vício e os últimos momentos da cantora

Na segunda vez, os integrantes responsáveis por gravar os discos “The Mob Rules” (1981), “Live Evil” (1982) e “Dehumanizer (1992) se reuniram com um novo nome: Heaven And Hell. Ronnie James Dio, Tony Iommi, Geezer Butler e Vinny Appice excursionaram pelo mundo durante os anos de 2009 e 2010, também registarndo o disco “The Devil You Know”, até que o cantor precisou ser internado, por conta do tumor. Infelizmente, Dio não voltou mais.

Legado

O trabalho de Ronnie James Dio é aclamado por grande parte dos fãs de Heavy Metal. O canor foi um dos primeiros grandes do estilo e se destacou não apenas em sua banda solo, como em grupos do porte de Rainbow e Black Sabbath.

Sua extensão vocal (notável por se tratar de um barítono), seu “feeling” e sua habilidade como compositor inspiraram inúmeros cantores do estilo. Com mais de 50 anos de carreira, Dio lançou mais de 25 álbuns e vendeu mais 47 milhões de cópias em todo o mundo.

Ronnie também foi o principal responsável por popularizar o símbolo da “mão chifrada”. De acordo com declarações do cantor, a intenção da expressão era afastar mau-olhado, mas se consagrou como um gesto que representa o Heavy Metal, estilo musical que praticou até a sua morte.

Por Igor Miranda

Igor Miranda é jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical.