Foto: Divulgação

Carmen Miranda: carreira da cantora que fez o mundo conhecer o Brasil

Primeira mulher a assinar um contrato de rádio no Brasil, Maria do Carmo Miranda da Cunha, mais conhecida como Carmen Miranda, era luso-brasileira, mas tornou-se um dos primeiros símbolos do Brasil no exterior.

A artista ficou conhecida pelo seu turbante cheio de frutas – que remetiam à tropicalidade brasileira – e que ela usou pela primeira vez como caracterização para o filme de comédia musical ‘Banana da Terra’, lançado em 1939.

Para o papel, “A Pequena Notável”, como a cantora e atriz era chamada, aderiu ao “visual de baiana” – pelo qual ficaria conhecida e que, apesar de algumas alterações, ela usaria até o fim da vida.

É nesse filme que Carmen Miranda canta a clássica ‘O Que É Que A Baiana Tem’, que foi composta por Dorival Caymmi, mas se tornou sucesso na voz dela.

Criada no Brasil

Embora tenha nascido nas terras da família portuguesa, Carmen Miranda veio com a família para o Brasil quando tinha apenas 1 ano de idade. Ela cresceu na cidade do Rio de Janeiro com o pai, José Maria Pinto da Cunha (que era um barbeiro), a mãe, Maria Emília Miranda, e cinco irmãos – Olinda (1907-1931), Amaro (1911), Cecília (1913-2011), Aurora (1915-2005) e Óscar (1916).

Aluna de uma escola de freiras, Carmen Miranda entrou na arte por meio da costura. Isso porque, aos 15 anos, ela começou a trabalhar em uma confecção de chapéus – a La Femme Chic, no bairro da Lapa, no Rio. A partir dali, Carmen Miranda tomou gosto pela moda e, ao tornar-se atriz e cantora, uniu esse elemento na carreira artística.

Veja também:
Morte de Cássia Eller: a partida inesperada que virou caso de polícia

Foi também nessa fase que, mergulhada no agito da região da Lapa, Carmen Miranda começou a se aproximar da música, especialmente do samba – que a influenciaria no futuro.

Início da carreira de Carmen Miranda

Em 1929, a virada: a artista foi apresentada para o compositor Josué de Barros, que ajudou na entrada dela na vida de teatros e clubes. Barros também era radialista e teve papel importante na primeira gravação de Carmen Miranda. Naquele mesmo ano, ela gravou ‘Não Vá Simbora’ – que é de autoria dele.

Carmen Miranda não parou mais. Gravou ‘Dona Balbina’, ‘Triste Jandaia’, ‘Baracuntum’ e ‘Iaiá Ioiô’. No ano seguinte, lançou o primeiro álbum, que teve como grande sucesso a canção ‘Ta-Hi (Pra Você Gostar De Mim)’. Composição feita por Joubert de Carvalho, a música vendeu mais de 35 mil cópias somente em 1930.

Três anos depois, Carmen Miranda assinou com a Rádio Mayrink Veiga e entrou para a história como a primeira mulher em fechar com uma emissora de radiodifusão no país.

Cinema e EUA

Antes do sucesso tropical em ‘Banana da Terra’, Carmen Miranda já era uma cantora consolidada – dentro e fora do Brasil – e participou de diversos filmes no estilo musical.

Em 1936, ela atuou ao lado da irmã, Aurora Miranda, em ‘Alô Alô, Carnaval’. No longa, as duas fazem um dueto que ficou conhecido como a cena das ‘Cantoras do Rádio’.

Veja também:
A morte de Whitney Houston, os vícios e os últimos momentos da cantora

Ao todo, Carmen Miranda fez 14 filmes nos Estados Unidos e seis no Brasil. No país norte-americano, Carmen Miranda chegou a se apresentar para o presidente Franklin Roosevelt, em uma cerimônia na Casa Branca, em celebração ao sétimo ano do democrata no poder.

O último show de Carmen Miranda

Depois de anos de um casamento turbulento com o produtor de cinema David Sebastian, Carmen Miranda passou a beber em excesso, ter problemas com remédios para dormir e entrar em depressão.

A última apresentação dela ocorreu em meio a esse cenário. Em 4 de agosto de 1955, a cantora e atriz se apresentou no ‘The Jimmy Durante Show’. No dia seguinte, ela faleceu vítima de um ataque cardíaco em casa, em Beverlly Hills, em Los Angeles.

Velada nos EUA, ela foi enterrada no cemitério de São João Batista, no Rio de Janeiro.

Veja a última apresentação:

Compartilhar