Foto: reprodução / TV Globo

Iza chora após pedido de desculpas do pai no ‘Arquivo Confidencial’, do Faustão

A participação de Iza no programa ‘Domingão do Faustão’, da TV Globo, no último domingo (12), foi permeada por emoção. A artista recordou de toda a sua carreira no quadro ‘Arquivo Confidencial’, que, conforme habitual, resgatou depoimentos de familiares e pessoas próximas à artista.

O momento de maior emoção ficou a cargo de Djalma Leite Lima, pai de Iza, que pediu desculpas após ter ficado dois anos afastado da cantora, em decorrência do divórcio da mãe dela.

“Com a separação da mãe dela, isso nos afastou durante um bom tempo. O tempo passa e a única coisa que vem no coração é sempre pedir desculpas, mesmo sem ela estar ouvindo, daquilo que posso ter feito e a ter magoado”, afirmou Djalma Leite Lima, em trecho transcrito pelo site ‘Gshow’.

Chorando de emoção, Iza respondeu, conforme transcrição do ‘PopLine’: “Agradeço meu pai por toda influencia, esforço, dedicação. Meus pais se separaram na semana que eu larguei meu emprego. A situação financeira mudou toda. Fiquei magoada com esse processo e dois anos sem ver meu pai. Fico muito grata por isso e receber essa mensagem foi um carinho para o meu coração”.

O vídeo com o momento pode ser conferido no ‘Gshow‘.

Preconceito e representatividade

Ainda durante sua participação, Iza falou sobre o combate ao preconceito. “Considero que estou numa posição muito privilegiada. Por conta da minha profissão, a questão do assédio, do racismo, fica velada, não some. As pessoas ficam com aquele receio de se expressar como elas gostariam. Mas sei que isso não acontecer comigo não significa que o racismo acabou”, afirmou.

Veja também:
Iza fala sobre representatividade: 'se estou no horário nobre da TV, mesmo calada, já digo muito'

A artista completou: “Estamos caminhando, mas ainda temos muita coisa para fazer. Quando eu era criança, eu queria muito me ver na TV e, hoje, me vejo muito mais de mim nos lugares. Isso é a representatividade. Quando a gente fala sobre meritocracia eu fico muito chateada, porque os caminhos, as oportunidades nunca foram as mesmas. Existe uma lacuna social de oportunidades e de preenchimento de vagas que é muito grande”.

Bruno Costa, primo de Iza, comentou, durante o quadro, sobre a representatividade da cantora em meio a uma sociedade desigual. “É muito importante ter essa artista como referência na música. Lembro de ter crescido sem muitas referências de artista negro. Depois de um show, onde aconteceu uma situação delicada, ela entrou na van, estava todo mundo discutindo isso e ela virou para todo mundo e falou: ‘sei que essa situação é chata, porém isso aconteceu, vai continuar acontecendo e a gente vai continuar aqui porque a gente tem que mostrar que o nosso lugar também é esse independente se as pessoas vão gostar ou não'”, disse.

Rápida ascensão de Iza e perrengue no Rock in Rio 2015

A carreira de Iza passou por um crescimento quase meteórico. O single ‘Pesadão’, gravado com Marcelo Falcão (O Rappa) e lançado em 2017, foi o responsável por catapultar o sucesso da artista. Desde então, ela emplacou mais hits, como ‘Brisa’, ‘Dona de Mim’ (faixa que dá título ao único álbum de estúdio dela, divulgado em 2018) e ‘Evapora’ (com participações de Ciara e Major Lazer).

Para se ter ideia, Iza, que foi atração do Rock in Rio 2019, foi ao festival em 2015 para assistir à Rihanna, porém, mal tinha dinheiro para comer no evento. A história foi contada por Nathália Rosental.

“Eu sou muito fã da Rihanna, a IZA também, quando descobrimos que ela vinha para o Rock in Rio, a gente ficou desesperada. Na época não tínhamos grana, parcelamos o ingresso em seis vezes no cartão. No dia a gente não tinha dinheiro para comer direito, aí a IZA se ajoelhou e pediu para que ela tivesse a oportunidade de voltar ao festival um dia e cantar. E, foi o que aconteceu em 2017 ao convite do CeeLo Green e em 2019 no Palco Sunset sozinha”, recordou ela.

Veja também:
Pocah é obrigada a mudar letra de funk no 'Domingão' e internautas repercutem

Igor Miranda é jornalista que escreve sobre música desde 2007 e com experiência na área cultural/musical.

Compartilhar