Na imagem, Aladim é o da direita (Foto: Divulgação)

Lenda urbana? População acredita que sertanejo Aladim foi enterrado vivo

A dupla sertaneja Alan e Aladim estava no auge da carreira quando a morte inesperada de Aladim chocou o Brasil em 1992.

José Nascimento Cardoso tinha apenas 36 anos e a discrição da família sobre o assunto abriu margem para que surgissem inúmeros questionamentos e histórias a respeito do falecimento do cantor. Os detalhes da morte nunca foram revelados e, por isso, as pessoas começaram a espalhar certos rumores.

Veja também:
Lyandra, a filha de Leandro que se formou em medicina devido ao câncer do pai

Uma famosa lenda urbana na cidade de Mogi das Cruzes, em São Paulo, aponta que Aladim pode ter sido enterrado vivo. A história foi reportada pelo site Movimento Country e republicada pelo portal Uai, do jornal Estado de Minas.

Ele é o único túmulo célebre no Cemitério da Saudade do município e os boatos indicam que, por motivos desconhecidos, a família teria pedido a exumação do corpo.

A surpresa teria vindo quando o caixão foi aberto: o cantor estaria virado de bruços, com as unhas cheias de farpas e com a tampa do caixão arranhada.

De acordo com essa hipótese, Aladim poderia ter sofrido de catalepsia – uma doença raríssima que leva o coração a parar por algum tempo. Quem sofre desse mal costuma ser determinado como morto de maneira equivocada.

Veja também:
Unha encravada? A verdadeira causa da morte de Bob Marley

Aladim foi enterrado vivo?

Vale destacar, no entanto, que o administrador do cemitério onde o corpo de Aladim se encontra garante que a história não é verdadeira.

“O túmulo de Aladim nunca foi aberto. Ele morreu por complicações médicas”, afirmou.

A versão oficial aponta que o cantor contraiu uma infecção após uma anestesia, o que o levou à morte. A família do artista sertanejo nunca se manifestou de forma pública sobre a história.

Veja uma apresentação de Alan e Aladim na TV:

Tonico e Tinoco estão entre os artistas que mais venderam discos na história

*O texto não reflete, necessariamente, a opinião do Revista Cifras.

Sou jornalista, mas nas horas vagas gosto de fingir que sou influenciador digital. Me segue no insta! @meunomenaoedolfo

Compartilhar