Foto: divulgação

10 sucessos infantis do passado completamente inapropriados para crianças

Os tempos já não são os mesmos e quem viveu a infância no Brasil entre as décadas de 1980 e 1990 sabe bem do que estamos falando. Para relembrar essa época – mais simples, mas que talvez devesse ser proibida para menores – listamos dez músicas infantis completamente inapropriadas para crianças quando analisadas com olhares mais atentos, mas que você com certeza cantou.

Vale destacar que essa era a época em que a TV brasileira ficava recheada com o suco de puro Brasil: com nudez na banheira do Gugu aos domingos, tinha “gata molhada” no ‘Sabadão Sertanejo’ e, durante a semana, colocava Ratos de Porão tocando em programa infantil, entre outras pérolas.

1) Sandy e Júnior – ‘Fazenda Chico Bento’

Essa é para matar de vergonha alheia com o duplo sentido. Na faixa do clássico álbum de estreia dos irmãos, ‘Aniversário do Tatu’, a dupla mirim canta, aparentemente, sobre uma galinha atacada por um cão e socorrida pelo vô Chico Bento.

O refrão consiste na repetição quádrupla dos versos: “Ai, ai tira e bota outra vez”. Como se não bastasse, a música sobe de nível e se torna um tanto quanto assustadora com a trágica morte da galinha, que volta como fantasma para assombrar o Chico Bento.

E para fechar, o refrão problemático…

Ouça:

2) Xuxa – ‘Turma da Xuxa’

Fazendo citações a cuecas e calcinhas, a canção da Rainha dos Baixinhos é simplesmente perturbadora se pensarmos que crianças realmente ouviam – e cantavam – essa música.

Veja também:
Simone diz que é alvo de bullying por conta da música 'Então é Natal'

Destaque para os versos: “O Paulinho pula muro igual perereca / Mas o cachorro do vizinho acabou com sua cueca”.

Isso sem falar o trecho que dá asas à imaginação ao insinuar uma rima um tanto quanto pornográfica: “O Betão apaixonado foi beijar a Marieta / Errou a sua boca e beijou sua… bochecha!”.

Ouça:

3) Angélica – ‘Vou de Táxi’

Primeiro single de Angélica, ‘Vou de Táxi’ foi lançada no finalzinho da década de 1980 – mais precisamente em 1988 – e fez parte da infância das crianças da década de 1990.

A parte problemática de ter acabado como um sucesso entre o público infantil aparece no trecho “Mas no banho foi só me tocar”. Duplo sentido que fala?

Para completar, um péssimo exemplo para estudantes: “A escola pode esperar…Vou de táxi, mas só com você”.

Ouça:

4) Trem da Alegria – ‘Xa Xe Xi Xo Xuxa’

Outra da coleção “menções a momentos íntimos em canção infantil” – e, inclusive, cantada por crianças – ‘Xa Xe Xi Xo Xuxa’ é bem inapropriada. O trecho que mostra isso: “Eu fico imaginando, quero ser seu namorado / Mas fico com vergonha do meu pai que está do lado / Você é a culpada do meu banho demorado”.

A gente se questiona: vale tudo pela rima? Está feliz, Trem da Alegria?

Veja também:
Idosa vista em documentário de Anitta processa cantora e Netflix

Ouça:

5) Crianças Diante do Trono – ‘Deus Nos Amou’

Apesar de não ser tão antigo assim, o projeto musical da cantora Ana Paula Valadão, o grupo Crianças Diante do Trono conseguiu o que parecia impossível: criar uma música de ritmo feliz para falar de morte de crianças pecadoras. Sim.

O trecho: “Quem pecar, vai pagar / Quem pecar, vai morrer”.

Ouça:

6) Eliana – ‘Minhoca’

“Minhoca, minhoca / Me dá uma beijoca / Não dou, não dou / Então eu vou roubar”. É isso. Uma música que seria vista como um exemplo de assédio e direcionada para o público infantil daquela época – os adultos de hoje.

Ouça:

7) Mulekada – ‘Foi de Brincadeira’

Mais um grupo infantil que foi sucesso, o Mulekada teve como grande sucesso a música ‘Foi de Brincadeira’. A letra e o videoclipe são problemáticos por colocar o trio para rebolar.

“Na hora da dança / Requebra gostoso / Rebola a bundinha / Vai ate o chão!”, canta o trio. Outro trecho diz que o menino gosta da “brincadeira de beijar”. Quase um É o Tchan!, mas feito por crianças…

Ouça:

8) Bozo – ‘Bitoca No Meu Nariz’

Uma música sobre um palhaço fazendo um pedido para crianças: “Chega pra mim bem pertinho / diz quantos aninhos que você tem / Vamos brincar, corre corre / me faz um carinho, que faz tanto bem!”.

Veja também:
Prestes a estrear na Globo, Ludmilla posa na cadeira do 'The Voice+'

Ele ainda pede bitoca no nariz, na careca e no cangote… precisa dizer algo mais?

Ouça:

9) ‘Atirei O Pau No Gato’ (cantiga popular)

Basicamente um exemplo de incentivo à violência contra os animais, a clássica cantiga popular diz: “Atirei o pau no gato tô / Mas o gato tô / Não morreu reu reu”.

Apesar do contexto violento, a canção segue sendo reproduzida no mesmo contexto hoje em dia – algumas versões no entanto, adicionaram trechos que ensinam às crianças sobre os males dos maus-tratos aos animais.

É o caso, por exemplo, da versão da cantiga nos discos da Galinha Pintadinha: “Não atire o pau no gato tô / Por que isso sô / Não se faz faz faz”.

Ouça:

10) Menção honrosa: conjunto da obra do grupo É O Tchan!

Unanimidade nas festas infantis, É O Tchan! embalou a infância de muitos durante o auge – mesmo não sendo um grupo voltado para esse universo.

Alguns exemplos totalmente inapropriados, mas que eram fenômeno entre as crianças: ‘Pau Que Nasce Torto/Melô Do Tchan’, ‘Na Boquinha Da Garrafa’, ‘Dança Da Cordinha’ e ‘Tchan Na Selva’.

Os nomes das músicas já dizem muito, não?

Ouça: