Foto: Divulgação

BTS terá que interromper carreira graças a serviço militar na Coreia do Sul

Os sete integrantes do BTS, grupo de k-pop de enorme sucesso em todo o mundo, precisarão fazer uma pausa na carreira para cumprir o serviço militar obrigatório na Coreia do Sul. Depois de muitas tentativas em vão, incluindo a criação de uma nova lei (que não foi aprovada), foi confirmado que eles não conseguiram uma dispensa.

A legislação do país obriga todos os homens entre 18 e 28 anos de idade a cumprirem, no mínimo, 2 anos de carreira militar. Parlamentares vinham tentando aprovar uma nova lei que possibilitaria a dispensa de nomes importantes nos cenários artístico e esportivo, mas a investida não funcionou.

Os fãs da banda, em total desespero após a confirmação das informações, estão inconsoláveis. Alguns deles tiveram uma ideia para tentar ajudar o grupo e minimizar os efeitos colaterais da história: criaram um abaixo-assinado digital que se dirige diretamente ao governo sul-coreano.

A ideia é pedir que todos os membros da banda cumpram seus deveres simultaneamente. Dessa forma, bastaria que o BTS anunciasse um hiato de apenas dois anos na carreira e, em seguida, voltasse aos trabalhos normalmente.

“No caso, todos os membros seriam alistados juntos e retornariam em dois anos, isso salvaria o tempo deles e suas carreiras. Por outro lado, se os membros do BTS foram separados eles vão perder muito tempo e popularidade, que provavelmente teria um impacto muito ruim na economia, cultura e turismo do país”, escreve o texto oficial da petição – que já ultrapassa 20 mil assinaturas.

Veja também:
Série documental de Marília Mendonça já está disponível no Globoplay

Ainda não se sabe nenhum detalhe sobre como o grupo deverá cumprir o serviço militar obrigatório. Curiosamente, os fãs do BTS autointitulam-se como ‘BTS Army’ – ‘Exército do BTS’, em tradução nossa.

Casos semelhantes

A história do BTS não é exatamente uma novidade no universo dos artistas e personalidades. Durante toda a história, outras celebridades também foram obrigadas à cumprir o serviço militar e não foram dispensados, independentemente de suas carreiras de sucesso.

O “rei do futebol” Pelé, por exemplo, se alistou em 1960 – um ano após se consagrar campeão da Copa do Mundo. Outro “rei” que precisou fazer uma pausa na carreira foi Elvis Presley, quando recebeu a convocação para se alistar em 1957. Ele serviu na Alemanha até 1960, onde conheceu sua futura esposa, Priscilla Presley.

Até mesmo Gal Gadot, a atriz que se consagrou ao interpretar a Mulher-Maravilha nos cinemas, cumpriu dois anos de serviço militar obrigatório em Israel. Ela chegou a servir na guerra entre Israel e as milícias do Hezbollah, grupo terrorista do Líbano, em 2006.

O lendário Jimi Hendrix optou por servir um ano após ser pego dirigindo um carro roubado em 1961. A outra opção seria a cadeia. O ator Arnold Schwarzenneger se alistou, mas desertou para participar de um campeonato de fisiculturismo – ele chegou a ser preso por esse motivo.

Veja também:
Junior abre o jogo e revela os segredos por trás da icônica foto na banheira de miojo

Um dos maiores atores da história de Hollywood, Clark Gable já tinha carreira de sucesso quando perdeu a sua terceira mulher em um acidente de avião, em 1942. Arrasado, resolveu se alistar na Aeronáutica.

Silvio Santos, Luiz Gonzaga, Mussum, Morgan Freeman, Clint Eastwood, Chuck Norris, Johnny Cash e Sean Connery são alguns outros exemplos de personalidades que serviram às Forças Armadas antes de fazerem sucesso.

Compartilhar